A ciência descobriu a origem biológica da síndrome de hikikomori

A síndrome de Hikikomori, ou a necessidade de se trancar no próprio quarto por mais de 6 meses, evitando todo contato social, tem um fator biológico muito interessante. Descubra!
A ciência descobriu a origem biológica da síndrome de hikikomori

Última atualização: 25 junho, 2022

Eles foram chamados os eremitas do Japão. Homens em 80% dos casos que evitam todo tipo de contato social, forma de lazer, amizade e até mesmo trabalho ou estudo. Eles vivem trancados em seus quartos, isolados, jogando videogame ou passando tempo na internet. Atualmente, a ciência parece ter encontrado a origem biológica da síndrome hikikomori.

Assim foi chamado esse fenômeno, que se tornou evidente no final do século passado, por volta de 1998. Conforme expresso em alguns meios de comunicação, o hikikomori simbolizava a resistência à pressão mundial. Ao estresse laboral e acadêmico, à severidade familiar que se espera de seus filhos, que sejam os melhores, que alcancem o sucesso e sejam bons trabalhadores.

Não conseguindo se ajustar a esse critério, muitos jovens (e não tão jovens), fartos da vergonha ou da sensação de fracasso, optaram por uma válvula de escape. Para um abrigo físico e também mental. Trancar-se em seus quartos era — e ainda é — um mecanismo de defesa contra uma sociedade muito rígida da qual não gostam e na qual não podem ou não sabem sobreviver.

Esta é uma realidade que não afeta apenas o país do sol nascente. Dessa forma, se até pouco tempo atrás seus gatilhos eram desconhecidos, parece que já estamos obtendo dados cada vez mais esclarecedores.

Estima-se que por trás da síndrome de hikikomori haja mais de um transtorno psicológico subjacente, como fobia social, transtornos depressivos, personalidade passivo-agressiva, etc.

Homem triste olhando para o celular lendo sobre a origem biológica da síndrome de Hikikomori
A síndrome de Hikikomori tem vários gatilhos, tanto de personalidade, sociais e biológicos.

A origem biológica da síndrome de Hikikomori

Estima-se que cerca de 1,57% da população japonesa sofre da síndrome de Hikikomori. Embora possam ser mais. A Coreia do Sul e Hong Kong fornecem dados semelhantes. Da mesma forma, embora não tenhamos números no Ocidente, estima-se que esse fenômeno esteja se espalhando cada vez mais frequentemente entre a população mais jovem.

Foi somente em 2020 que o Dr. Takahiro A. Kato propôs critérios diagnósticos internacionais mais claros em um estudo. Aquele em que o isolamento social de casa por mais de 6 meses, acompanhado de sofrimento emocional e uma clara deterioração funcional das responsabilidades da pessoa (não comparecer às aulas, ao trabalho, etc.) deve aparecer como fatores claros.

Assim, e embora o próprio diagnóstico já tenha uma base mais rigorosa, as origens desta doença ainda não estão totalmente esclarecidas. Há trabalhos que insistem na presença de transtornos psiquiátricos. No entanto, uma conclusão recentemente alcançada, e que parece oferecer fortes evidências, é a das “assinaturas metabólicas”.

Vamos agora entender a origem biológica da síndrome de Hikikomori.

A chave pode estar em dois tipos de aminoácidos

Em 2013, o Hospital Universitário Kyushu do Japão criou a primeira clínica ambulatorial do mundo para pesquisa de hikikomori. O objetivo era entender um pouco mais essa realidade chocante. Graças a esta iniciativa, uma investigação foi finalmente publicada em Dialogues in Clinical Neuroscience.

  • Biomarcadores associados à síndrome de hikikomori foram descobertos no sangue. Especificamente, os níveis de ornitina e atividade de arginase sérica são muito maiores do que na população sem essa característica voltada ao isolamento social.
  • Estes são tipos de moléculas associadas a diferentes funções corporais. Como, por exemplo, a regulação da pressão arterial e o ciclo da ureia. Eles também estão frequentemente presentes em pessoas que lidam com depressão maior ou transtorno afetivo sazonal.
  • Por outro lado, uma pequena alteração também foi observada nas acilcarnitinas, compostos que são fundamentais no fornecimento de energia ao cérebro.

Por enquanto, o Dr. Takahiro A. Kato da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Kyushu e diretor deste trabalho insiste em algo muito específico. Essas investigações são apenas o começo da busca para entender o que orquestra a síndrome de Hikikomori. São necessários dados de mais pacientes em todo o mundo e não apenas do Japão.

Sabemos que esta síndrome aparece em 80% dos casos em homens. Compreender as raízes biológicas, sociais e psicológicas da condição nos permitirá abordar melhor esse problema crescente.

Personalidade de um homem triste sentado na sala de jantar pensando na origem biológica da síndrome de Hikikomori
Há homens que não saem do quarto há anos, limitando-se apenas a jogar videogame ou interagir virtualmente com outras pessoas.

Outras origens e gatilhos de hikikomori

Parece que a origem biológica da síndrome hikikomori é mais clara do que o gatilho psicológico. Porque, embora existam pacientes que apresentam depressão, esquizofrenia e transtorno de ansiedade social, é algo ocasional e não significativo o suficiente para estabelecer uma relação causal.

Estamos diante de um isolamento social claramente patológico. A pessoa opta por se isolar em um quarto porque não se percebe adequada em um contexto competitivo e exigente. Esse mecanismo de fuga garante proteção, mas não bem-estar real. Ou seja, esses homens (em sua maioria) não se sentem realizados ou satisfeitos naquela opção vital que escolheram.

Em seu isolamento, eles escapam por meio de videogames ou pelo uso da Internet, redes sociais, etc. Isso leva, em muitos casos, ao vício em internet e ao desenvolvimento de mais fobias, como o medo de espaços abertos (agorafobia). Hoje existem “hikikomoris” que estão trancados em um quarto na casa da família há anos.

Os mecanismos terapêuticos que estão sendo desenvolvidos para atender essas pessoas estão cada vez mais sofisticados. Uma empresa japonesa projetou um robô para estimular o contato social dessas pessoas. Além disso, existem universidades que criaram programas online para estimular o desenvolvimento de pontos fortes para melhorar sua autoestima.

Seja como for, parece que avançamos cada vez mais na compreensão de uma síndrome que não é mais exclusiva do país asiático.

Pode interessar a você...
Prós e contras do trabalho à distância: liberdade ou isolamento?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Prós e contras do trabalho à distância: liberdade ou isolamento?

O trabalho à distância oferece muitos benefícios relevantes. Entretanto, também pode trazer alguns problemas. Saiba mais sobre o tema neste artigo.



  • Daiki Setoyama, Toshio Matsushima, Kohei Hayakawa, Tomohiro Nakao, Shigenobu Kanba, Dongchon Kang & Takahiro A. Kato (2021) Blood metabolic signatures of hikikomori, pathological social withdrawal, Dialogues in Clinical Neuroscience, 23:1, 14-28, DOI: 10.1080/19585969.2022.2046978
  • Katsuki, R., Inoue, A., Indias, S., Kurahara, K., Kuwano, N., Funatsu, F., Kubo, H., Kanba, S., & Kato, T. A. (2019). Clarifying Deeper Psychological Characteristics of Hikikomori Using the Rorschach Comprehensive System: A Pilot Case-Control Study. Frontiers in psychiatry10, 412. https://doi.org/10.3389/fpsyt.2019.00412