A herança de Chernobyl: o primeiro estudo genético

Hoje falaremos sobre o primeiro estudo genético realizado nos filhos dos sobreviventes do desastre ocorrido em Chernobyl na madrugada do dia 26 de abril de 1986. Aproveitaremos essa publicação para viajar no tempo e retornar ao lugar onde tudo aconteceu.
A herança de Chernobyl: o primeiro estudo genético

Última atualização: 02 Agosto, 2021

O maior acidente da história nuclear ocorreu na cidade de Chernobyl em 1986, chocando o mundo completamente. Muitas perguntas ainda permanecem sem resposta, mas uma das maiores questões que surgiram parece ter sido respondida 35 anos após a catástrofe. Hoje, já entendemos melhor a herança deixada pelo ocorrido em Chernobyl.

Recentemente, foi publicado o primeiro estudo genético realizado em descendentes de pessoas afetadas pelo terrível acidente nuclear, e as conclusões têm sido muito animadoras.

As consequências da catástrofe em Chernobyl

As consequências de uma catástrofe

25 e 26 de abril de 1986 marcaram um antes e um depois na história mundial. Naquela época, o pior acidente nuclear da história aconteceu na cidade de Chernobyl (Ucrânia).

No dia 25 teve início a manutenção de rotina do quarto reator da usina nuclear Vladimir Ilyich Lenin. No entanto, durante este teste, os trabalhadores violaram os protocolos de segurança, o que aumentou subitamente a potência central. As tentativas de desligar o reator foram infrutíferas e o aumento da potência desencadeou uma reação em cadeia de explosões no seu interior.

O pior veio depois. O núcleo do reator foi exposto e expeliu material radioativo para a atmosfera. Duas pessoas foram mortas diretamente pelas explosões e várias delas foram hospitalizadas. No entanto, o grande perigo permaneceu flutuando no ar.

Ações tardias e consequências evitáveis

A negligência continuou a ocorrer. Os arredores da fábrica não foram evacuados até horas após as explosões. A verdade é que até 30% das 190 toneladas métricas de urânio de Chernobyl estavam na atmosfera.

Inicialmente, 28 pessoas morreram em consequência do acidente e mais de 100 ficaram feridas. Posteriormente, o Comitê Científico das Nações Unidas para o Estudo dos Efeitos da Radiação Atômica relatou que mais de cinco mil crianças e adolescentes desenvolveram câncer de tireoide como resultado da exposição, embora vários especialistas tenham questionado esses números.

Pesquisas internacionais previram que milhares de pessoas expostas a altos níveis de radiação poderiam desenvolver cânceres em consequência do acidente.

O futuro de Chernobyl

O desastre que se seguiu foi envolto em segredos e marcou um momento decisivo na Guerra Fria e na história da energia nuclear. As perguntas em torno do acidente que ainda não haviam sido respondidas eram muitas.

Os cientistas estimam que a área ao redor da antiga usina não será habitável por mais 20.000 anos.

Você pode se perguntar, o que aconteceu com aquele quarto reator? Os restos dele permanecem dentro de uma enorme estrutura de contenção de aço que foi desenvolvida no final de 2016. Todos os esforços de contenção e monitoramento continuam, e o trabalho deve durar pelo menos até 2065.

A verdade é que as consequências finais do acidente, os impactos na saúde física e mental das pessoas presentes naquele momento e das gerações subsequentes, continuam a ser um foco de interesse e um tema de estudo. Mas agora, pela primeira vez, conhecemos os resultados do primeiro estudo genético realizado em gerações subsequentes de pessoas que sobreviveram à catástrofe nuclear.

Resultados do primeiro estudo genético para entender a herança de Chernobyl

Uma das grandes questões parece ter sido respondida 35 anos depois. Desde a terrível catástrofe, muitos dos sobreviventes lutaram contra doenças relacionadas à radiação. Além disso, viveram todo esse tempo com a incerteza do que poderia acontecer com seus filhos: são os chamados “filhos de Chernobyl”.

O estudo foi publicado na revista Science e já dura oito anos. Foi o resultado do trabalho conjunto do geneticista Stephen Chanock, diretor da área de Epidemiologia e Genética do Instituto Nacional de Cancer (NCI) dos Estados Unidos, e de Dimitry Bazyka, diretor geral do Centro Nacional de Investigação de Medicina Radiológica de Kiev.

Resultados do primeiro estudo genético sobre Chernobyl

Participantes do estudo

Os participantes, que haviam sido concebidos após o acidente, foram divididos em vários grupos. A nível técnico, o procedimento consistia no sequenciamento dos genomas de 105 pais e 130 crianças nascidas entre 1987 e 2002 .

O estudo levou em consideração filhos de trabalhadores que se alistaram para ajudar na limpeza da área considerada altamente poluída no entorno da usina nuclear. Esses trabalhadores eram conhecidos como “liquidadores”, pois ajudavam nas operações de limpeza após o desastre.

Os descendentes de pessoas evacuadas da cidade vizinha, Pripyat, onde viviam mais de 50 mil pessoas, também foram estudados. E, finalmente, pessoas de outros assentamentos em um raio de 70 km ao redor do reator que explodiu.

Resultados obtidos

O estudo não encontrou danos adicionais no DNA de crianças nascidas de pais expostos à radiação antes de serem concebidas. Assim como explicou o professor Gerry Thomas, do Imperial College de Londres: “Mesmo os filhos daqueles que foram mais expostos à radiação não parecem apresentar vestígios dela a nível genético.”

Os resultados surpreenderam muita gente. Este estudo foi o primeiro a fornecer evidências para apoiar a hipótese de que não há dano genético hereditário após a exposição à radiação.

Conclusões do estudo sobre a herança de Chernobyl

Stephen Chanock, um dos principais pesquisadores desta pesquisa, também do NCI, explicou que a equipe de pesquisa recrutou famílias inteiras para que a equipe científica pudesse comparar o DNA da mãe, pai, filha ou filho para avaliar o impacto da herança de Chernobyl em seus organismos.

A conclusão foi clara: o efeito da radiação no corpo dos pais não tem impacto sobre os filhos que eles conceberão no futuro, ou seja, os filhos dos sobreviventes do maior desastre nuclear da história não herdaram as mutações dos seus pais.

Pode interessar a você...
Neurocriminologia: uma disciplina cada vez mais necessária
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Neurocriminologia: uma disciplina cada vez mais necessária

O avanço da neurocriminologia como disciplina também cria um certo desafio ético-legal. Saiba mais sobre o assunto neste artigo.



  • L.M. Morton et al., “Radiation-related genomic profile of papillary thyroid cancer after the Chernobyl accident,” Science, doi:10.1126/science.abg2538, 2021.
  • M. Yeager et al., “Lack of transgenerational effects of ionizing radiation exposure in cleanup workers and evacuees of the Chernobyl accident,” Science, doi:10.1126/science.abg2365, 2021.