É verdade que a realidade não existe até que seja observada?

17 Março, 2021
A física quântica afirma que a realidade como a percebemos nada mais é do que uma construção da nossa própria mente. Vamos descobrir mais sobre essa hipótese interessante.

Até pouco tempo atrás, a noção de que a consciência pode surgir da confluência de componentes da realidade física estava associada mais à magia medieval do que à ciência séria. No entanto, com seus experimentos, a física quântica diz que a realidade que percebemos não existe, mas emerge através da medição que exercemos sobre ela.

Tal suposição parece questionar a natureza da realidade em que acreditamos nos mover e sugere que a consciência afeta a matéria, que a própria consciência determina os elementos físicos da nossa realidade e não o contrário, como era pensado anteriormente.

Uma das questões mais estranhas e fascinantes que a física quântica pode despertar é a possibilidade de que o mundo que vivenciamos esteja sendo gerado pela percepção que temos dele, dos atributos externos a nós que o constituem. Em outras palavras, é possível que a realidade não exista se não estiver sendo observada.

Portanto, pode-se afirmar que o observador afeta o que é observado. Quando você mede o comportamento de uma partícula por meio da observação, está influenciando o seu estado natural, e a medição pode não ser precisa.

Assim, se observarmos o comportamento da luz, comprovaremos que ela atuará como uma partícula física ou fóton. No entanto, se deixarmos de observá-la, ela se comportará como uma onda que se move no espaço. Essa dualidade onda-partícula constitui uma das bases do nosso conhecimento quântico.

Os saltos quânticos, as mudanças bruscas do estado físico de um sistema quase que instantaneamente, podem ser encontrados em seu bar favorito e no supermercado local.

Homem pensativo e preocupado

A realidade não existe? Ela é gerada pela nossa percepção?

A possibilidade de que o mundo que vivenciamos esteja sendo gerado pela percepção que temos dele é, para muitos, um debate tão complicado quanto interessante. São muitas crenças e postulados científicos clássicos que estão em jogo.

Há uma filosofia notável por trás dessas observações científicas, que sugere que os fenômenos físicos se manifestam de uma forma ou de outra, dependendo do ato de medição através do qual são observados. E até que esses fenômenos não sejam medidos, até que um olhar repouse sobre eles, eles parecem permanecer em uma espécie de estado de indefinição que desafia a lógica da forma como os seres humanos tendem a entendê-la.

Nesse estado de indefinição quântica, os fenômenos físicos estão e não estão, estão vivos e mortos, são ondas e partículas. Ou seja: eles não existem e são tudo ao mesmo tempo.

Essa noção tão própria da física quântica foi demonstrada experimentalmente em mais de uma ocasião. O princípio inovador da concepção de realidade indicaria, em outras palavras, que de alguma forma a realidade não existe até que a mensuremos. Pelo menos não a realidade em escala quântica que, embora minúscula, é o nível mínimo a que se reduz a matéria que constitui todas as coisas do universo.

Onda ou partícula?

O que se fez conceitualmente em nível experimental é provar que, quando a nossa mente percebe um objeto, ele pode se comportar como uma onda ou como uma partícula, independentemente de como seja medido e, além disso, simultaneamente.

No entanto, como aparece em experimentos publicados, a física quântica prevê que essa percepção não parece influenciar a matéria se ela se comporta como uma onda ou corpuscularmente. Tudo vai depender de como foi realizada, no ato perceptivo final, a mensuração ou o registro da realidade a ser percebida.

A hipotética experiência do Gato de Schrödinger, na qual um gato, no papel de cobaia, está vivo e morto ao mesmo tempo, é uma dos mais conhecidas e polêmicas da física quântica.

A consciência é uma propriedade constitutiva do universo?

A estranha natureza da realidade, que muda conceitualmente com o avanço da ciência, pode nos fazer questionar muitas das nossas crenças a respeito de como o universo funciona. Explicar este funcionamento é extremamente complexo e, no momento, parece ser altamente especulativo.

No entanto, uma das explicações que mais geram polêmica é a possibilidade de a consciência ser uma propriedade constitutiva do universo. Isso quer dizer que a consciência existe por si mesma no universo e que existe pelo simples fato de que o próprio universo existe.

Este postulado implicaria que a consciência também existe no nível quântico. Isso, por sua vez, daria suporte à narrativa de que é a mente que gera o efeito sobre a matéria no nível perceptivo, e não o contrário. No entanto, a noção de que a consciência pode estar relacionada à formação da realidade física tem sido associada mais às ideias da nova era, que recebem menos credibilidade do que a ciência.

Como os experimentos que examinam essas questões são difíceis de encontrar no campo acadêmico da física, pode parecer que, para a carreira de um cientista, é melhor evitar lidar com assuntos de estudo aparentemente tão duvidosos.

É verdade que a realidade não existe até que seja observada?

Conclusão

O tabu em torno desse tema é tão grande que até recentemente se estendia a todos os tratados sobre os fundamentos da teoria quântica. Na verdade, por mais de 50 anos, esse tipo de experimento foi considerado impróprio para um pesquisador “sério”.

Apesar de tudo, parece que a física quântica, apoiada pela comprovação e validação das suas hipóteses em laboratório, está finalmente abrindo uma porta para uma nova forma de compreender a nossa consciência, a realidade e o mundo. Pelo menos, e por enquanto, a ciência já desmantelou o preconceito de uma realidade objetiva pré-existente.

E se você pensa que é como qualquer ser, como qualquer coisa, você é todos seres, todas as coisas. Você é o universo…

“Neste mundo traiçoeiro

nada é verdade nem é mentira,

tudo está de acordo com a cor

do vidro com o qual se olha”.

– Ramón de Campoamor –