O que é a aceitação radical e como praticá-la?

Às vezes vivemos situações difíceis de assumir. A aceitação radical nos propõe reduzir a dor por meio da sua prática e sua forma de entender a vida.
O que é a aceitação radical e como praticá-la?

Última atualização: 01 Novembro, 2021

Para explicar o que é a aceitação radical, vamos começar com um exemplo. Imagine que há anos você se prepara para entrar na empresa dos seus sonhos. Um belo dia você sente que chegou a hora e consegue uma entrevista. Tudo está indo bem, ainda melhor do que você esperava. Depois de alguns dias, eles dizem que o cargo é seu e que vão te ligar mais tarde para assinar o contrato.

Sua alegria é imensa, você finalmente alcançou algo pelo qual luta há tanto tempo. No entanto, essa chamada não ocorre e a sua felicidade vai enfraquecendo com o passar dos dias. Você acaba entrando em contato com eles e eles dizem que, no final, a vaga foi dada a alguém mais qualificado e com mais experiência do que você. Como você se sente?

Você provavelmente sentirá que a situação é absolutamente injusta e experimentará emoções desconfortáveis e desagradáveis: raiva, frustração, tristeza, uma sensação de derrota, desmotivação e um vazio difícil de preencher. Você não precisa senti-los todos de uma vez, mas é possível que esses e muitos outros sentimentos surjam nos primeiros dias após a notícia inesperada.

A questão é: como você administra o que sente? Como você lida com a situação? Talvez você fique navegando entre as suas emoções, ancorado ao sofrimento sem saber muito bem como agir, ou talvez ignore a realidade e continue com a sua vida como se nada tivesse acontecido.

Tanto numa situação quanto na outra, você não enfrenta o que aconteceu de forma saudável. Por isso, queremos falar sobre a abordagem da aceitação radical. Uma perspectiva diferente para viver o que acontece com você.

O que é a aceitação radical?

Ao longo da sua vida, você certamente passou por situações que foram muito difíceis de aceitar. A rejeição da pessoa por quem você estava apaixonado, uma demissão, dificuldades financeiras ou a morte de um ente querido. Mesmo situações mais superficiais podem gerar uma grande frustração e sofrimento.

Todos nós conhecemos pessoas que não conseguem aceitar que foram reprovadas em um exame, repreendidas no trabalho, ou mesmo que alguém furou furtivamente a fila do supermercado. A base do sofrimento em todos esses exemplos é a mesma: a não aceitação da realidade.

A aceitação radical nada mais é do que a vontade de viver a vida como ela é, com seus prós e contras. Esse conceito faz parte da terapia comportamental dialética (TCD) desenvolvida pela psicóloga Marcha M. Linehan. É baseado em conceitos da psicologia cognitivo-comportamental e também nas práticas Zen orientais. No entanto, para fins práticos, foi Tara Brach, uma psicóloga especializada em meditação e budismo, que mais popularizou essa técnica.

Mulher preocupada

Como colocar a aceitação radical em prática?

O primeiro passo é reconhecer a realidade, seja ela qual for, e parar de lutar contra ela. Na verdade, sofremos mais quando não aceitamos o que acontece, resistimos e, como resultado, sentimos uma dor profunda.

Isso não significa que devemos nos resignar. A renúncia é uma opção derrotista, não dá solução. Em vez disso, a aceitação radical nos permite encarar pelo menos duas soluções para o conflito.

Desde o início, isso nos incentiva a parar de investir energia na luta contra a realidade e a gerenciar as emoções desconfortáveis. Então, quando não aguentamos mais, fica mais fácil assumir o controle da situação e nos concentrar em administrá-la. Ou seja, isso nos permite ser proativos diante do problema.

Passos a seguir para melhorar aplicar a aceitação radical

Cada processo de vida que nos causa dor será diferente dos outros pelas suas peculiaridades. No entanto, a maioria deles seguirá uma estrutura comum relacionada ao sofrimento.

Por esse motivo, você pode aplicar alguns princípios básicos de aceitação radical que o ajudarão a canalizar melhor a sua dor. São os seguintes:

  • Encontre um lugar tranquilo onde possa se sentar por alguns minutos em uma posição confortável.
  • Concentre-se na sua respiração.
  • Concentre-se nos pensamentos que aparecem relacionados à situação que lhe causam desconforto.
  • Não se apegue a esses pensamentos, olhe para eles como se fossem nuvens passageiras. Você não é esses pensamentos, embora se identifique com eles.
  • Analise quais emoções eles geram em você.
  • Abrace essas emoções e deixe-as se manifestar. Elas têm a função de canalizar a sua frustração e a sua dor.
  • Repita dentro de você um mantra que lhe permita aceitar melhor a situação. Pode ser uma frase típica: “É o que é”, “É mais uma experiência na minha vida e eu a aceito” ou “Estou em paz com o que está acontecendo comigo”. É importante que a frase ressoe em você; caso contrário, será muito difícil internalizá-la.
  • A dor provavelmente não irá embora imediatamente, mas você pode repetir esse mantra para si mesmo com a frequência necessária quando os pensamentos e emoções que lhe causam desconforto reaparecerem.
Mulher relaxada com olhos fechados

O que pode acontecer se não aceitarmos as nossas circunstâncias?

Rejeitar a realidade não elimina a nossa dor, pelo contrário: a aumenta e a transforma em sofrimento. Vamos pensar no exemplo clássico da pessoa que não aceita uma separação, mesmo que meses ou anos tenham se passado. Sua vida se transforma em uma espiral descendente que pode até levar à depressão se ela não lidar com isso da maneira adequada.

Isso não significa que aceitar situações difíceis seja fácil. Na verdade, é tudo, menos fácil. Passar por circunstâncias adversas é muito doloroso. Além disso, nossos instintos podem nos levar a negar o que aconteceu ou a não aceitar, porque no início isso parece doer menos.

O problema é que resistir inevitavelmente aumenta a dor. Por esse motivo, a aceitação radical pode ser uma ferramenta muito útil.

No final, o que essa abordagem propõe é assumir que a vida humana é cheia de experiências, algumas agradáveis, outras neutras e outras dolorosas. Mais cedo ou mais tarde, iremos vivenciar todas elas. Aceitar que a vida é assim pode nos trazer um grande alívio e uma grande sensação de paz em nossas vidas.

Pode interessar a você...
Aceitação e resignação: dois conceitos muito diferentes
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Aceitação e resignação: dois conceitos muito diferentes

Aceitação e resignação podem parecer dois conceitos semelhantes, mas não são. Na verdade, seus significados têm conotações muito diferentes.



  • Brach, T. (2003) Aceptación radical: Abrazando tu vida con el corazón de un Buda. Madrid: Gaia Ediciones.
  • Dimeff, L. & Linehan, M. (2001). Dialectical Behavior Therapy in a Nutshell. The California Psychologist, 34, 10-13. Recuperado de https://acortar.link/7IYa9y
  • Linehan, M. (1993) Cognitive-Behavioral Therapy of Borderline Personality Disorder. Nueva York: The Guilford Press.