ACS: O Assassinato de Gianni Versace, os motivos de Cunanan

'ACS: O Assassinato de Gianni Versace' nos apresenta uma realidade dura e trágica. Andrew Cunanan não apenas assassinou o mítico designer italiano, mas também deixou mais cinco vítimas. A série nos aproxima, de certa forma, da figura do assassino.
ACS: O Assassinato de Gianni Versace, os motivos de Cunanan

Última atualização: 01 Abril, 2021

Das mãos de American Horror Story nasceu uma segunda antologia do crime: American Crime Story. No entanto, desta vez não nos movemos mais por cenários sobrenaturais e fictícios; as fontes são reais. Sua segunda temporada, ACS: The Assassination of Gianni Versace, deu muito o que falar. O fato é que lidar com um assunto tão complicado, como o assassinato Gianni Versace, o fundador de um dos maiores impérios da moda, é sempre controverso.

Ryan Murphy, um dos cérebros por trás da série, passou a gostar muito de antologias e também de tramas de celebridades, como vimos em FEUD: Bette and Joan. Mas nem tudo foi bajulação, e parece que a família do estilista italiano não gostou muito da série e a chamou de ficcional.

Apesar disso, a série não pretende nos aproximar de Versace, mas do seu assassino, Andrew Cunanan. Ela nos lembra constantemente que Gianni Versace não foi sua única vítima, houve outras, mas por não terem a fama do estilista, seus nomes caíram no esquecimento.

Quando vemos um “baseado em eventos reais”, devemos sublinhar a palavra “baseado”; ou seja, nem tudo é real, sempre há um componente ficcional. O que vemos na série é visualmente muito atraente, os cenários foram perfeitamente construídos e temos a sensação de voltar a ver Gianni Versace vivo.

Lembramos a moda dos anos 90, alguns dos designs italianos mais famosos são revividos e desfrutamos da cor e do luxo da marca inconfundível.

O que é realmente interessante é a própria estrutura da série, aquelas oscilações no tempo que, aos poucos, vão desvendando a complexidade de Andrew Cunanan.

ACS: O Assassinato de Gianni Versace começa in media res;  isto é, no próprio nó da trama, poucas horas antes da morte de Versace. Os assassinatos são mostrados na ordem inversa: do mais recente ao mais antigo, para finalmente ir à raiz do problema: a infância de Cunanan.

AVISO: o artigo contém spoilers.

“No passado, as pessoas nasciam ou não na realeza. Hoje, a realeza vem do que você faz. “
-Gianni Versace-

Andrew Cunanan: vítima ou carrasco?

Não vamos entrar em questões de veracidade ou fidelidade aos eventos reais. A série é baseada em investigações e acontecimentos, mas a partir daí, torna-se totalmente independente.

Nunca poderemos saber exatamente o que passou pela mente de Cunanan, mas podemos fazer conexões. Existem coisas que sabemos, outras que nunca saberemos e, consequentemente, há espaço para a imaginação.

A série nos mostra um jovem Andrew Cunanan com problemas financeiros que ele se recusa a admitir. O personagem de Cunanan é incrivelmente interessante e as informações vão sendo dadas aos poucos.

Seu passado é um mistério até perto do final da série, momento em que já o odiamos o suficiente para saber que ele não tem perdão… Ou talvez tenha?

Não questionamos sua culpa, de forma alguma, e não justificamos a atrocidade das suas ações. Mas, conhecendo seu passado, entendemos um pouco sobre seu futuro. O pai de Cunanan era um homem ambicioso, faminto por poder e dinheiro, que faria qualquer coisa para realizar seu sonho americano. Como um imigrante, ele conheceu o lado mais obscuro da humanidade e precisava mostrar ao mundo que poderia ser alguém.

Sua mãe, por outro lado, era um zero à esquerda, assim como os irmãos de Andrew. Seu pai depositou todas as suas esperanças em seu filho mais novo e o criou para se tornar um verdadeiro tubarão cruel, cuja ambição o levaria ao topo.

No entanto, ele teve que abandonar sua família inteira, incluindo seu filho, porque havia cometido um crime e o FBI estava procurando por ele. Ele fugiu para as Filipinas e o jovem Andrew não conseguia aceitar uma vida cheia de dificuldades.

Cunanan conhecia o sucesso, o dinheiro, e não estava disposto a desistir. Assim, ele se tornou um monstro totalmente sem coração que não se importava em mentir para alcançar seus objetivos.

A mentira se tornou tão grande que ele foi forçado a matar, eliminar seus rivais e esmagá-los sem se preocupar com mais nada. Drogas, prostituição e luxo se tornaram seu modo de vida.

De uma forma muito sutil, mas contundente, ACS: O Assassinato de Gianni Versace nos mostra uma cena absolutamente perturbadora em que o espectador interpreta que, talvez, Cunanan tenha sido vítima de abuso sexual por parte de seu pai.

Andrew cresceu acreditando que era especial, diferente dos outros, e invejava qualquer um que estivesse acima ou que duvidasse das suas “verdades”. Desse modo, ele acabou com as vidas de Jeffrey Trail, David J. Madson, Lee Miglin, William Reese e Gianni Versace.

Com frieza absoluta, de forma premeditada e atroz, matou cinco pessoas. Trail, Madson e Miglin conheciam Cunanan. Ele assassinou Reese apenas para roubar seu carro, e finalmente, Versace foi o ícone gay por excelência e triunfante dos anos 1990. O ódio, a inveja e a sua busca incessante pelos holofotes transformaram Cunanan em um assassino implacável.

Frieza absoluta

O Assassinato de Gianni Versace: homossexualidade e poder

Cunanan era homossexual, mas parecia odiar – ou invejar – todo homossexual de sucesso. A diferença entre esses homens e Cunanan não reside apenas na fama, mas no trabalho e no sacrifício. Ao longo da série, todos os personagens de sucesso dizem a Cunanan que as suas realizações vêm do esforço, algo em que Andrew não estava interessado.

ACS: O assassinato de Gianni Versace retrata muito bem a vida de um homossexual nos anos 1990. Os anos 90 parecem próximos de nós, mas a verdade é que o mundo mudou muito desde então.

O casamento entre pessoas do mesmo sexo era proibido na maioria dos países e, atualmente, embora continue sendo em vários cantos do mundo, avançamos bastante neste tipo de política.

A homofobia ainda é um problema, mas é cada vez mais criticada e julgada. Nos anos 90, se você não fosse um homem poderoso como Versace, sua vida seria muito difícil. Isso se reflete na série, principalmente durante o interrogatório de um dos últimos homens que encontrou com Cunanan.

No interrogatório, revela-se a invisibilidade do coletivo LGTBI: “Imaginávamos como seria ter tanto dinheiro e poder a ponto do fato de ser gay não ser importante”, “Os outros policiais não procuraram direito, certo? Por que será? Por que ele havia matado uns gays que não eram importantes?”

Cunanan foi um dos homens mais procurados pelo FBI por muito tempo, mas não foi até o assassinato de Versace que seu nome se espalhou como um incêndio em toda a mídia. Cunanan, finalmente, havia conquistado o que mais ansiava: fama, embora não da maneira esperada.

A morte do estilista italiano chocou o mundo da moda e a opinião pública, mas os outros assassinatos de Andrew Cunanan não ressoaram tanto.

A morte do estilista italiano chocou o mundo da moda

ACS: O Assassinato de Gianni Versace mergulha no mundo sombrio da homossexualidade, aquele mundo que foi excluído pela sociedade e, consequentemente, foi enquadrado em ambientes bastante obscuros.

Não há dúvida de que Versace foi um verdadeiro revolucionário no mundo da moda e um dos primeiros a reconhecer e viver abertamente sua homossexualidade. Infelizmente, até não muitos anos atrás, ser gay era um rótulo que impedia de levar uma vida normal, a menos que você tivesse poder.

Essa queixa fica clara na série que, além de abordar a figura do assassinojustifica aquelas outras mortes, igualmente dolorosas, mas tristemente silenciadas. Não importa se a vítima é rica ou pobre, não importa se ela é famosa ou não, porém, as desigualdades também se manifestam na morte.

ACS: O Assassinato de Gianni Versace se encerra com uma imagem de Donatella em frente ao luxuoso túmulo de seu irmão. Simultaneamente, vemos a sóbria e fria imagem do túmulo de Cunanan.

Não vemos os túmulos das outras vítimas, mas certamente não serão como nenhum dos que vimos em cena. Não serão friamente lembrados como assassinos, mas tampouco com o luxo de Versace.

A série ganhou recentemente dois Globos de Ouro: Melhor Minissérie e Melhor Ator Coadjuvante para Darren Criss (Andrew Cunanan). Como recomendação pessoal, acho que você tem que assistir à série em seu áudio original; caso contrário, não será possível ver uma magnífica Penélope Cruz capaz de transformar sua voz e as suas interpretações, que perderiam nuances com a dublagem.

ACS: O Assassinato de Gianni Versace deveria ter outro nome, pois além da morte do designer, nos mostra a realidade trágica de cinco mortes e, consequentemente, cinco famílias destruídas.

“Decida o que você é, o que deseja expressar com a maneira como se veste e como vive.”
-Gianni Versace-

It might interest you...
‘O que terá acontecido a Baby Jane’: quando o ódio se transforma em arte
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
‘O que terá acontecido a Baby Jane’: quando o ódio se transforma em arte

'O que terá acontecido a Baby Jane' conta a história de duas irmãs que tiveram seus anos de glória e caíram no esquecimento.