Por que o conceito de andaime é tão importante na educação?

Você sabia que o andaime está muito mais presente na educação do que você imagina? É uma ferramenta que permite ao aluno atingir seu desenvolvimento potencial para progredir na aprendizagem.
Por que o conceito de andaime é tão importante na educação?

Última atualização: 16 Janeiro, 2021

Apesar do termo andaime causar um pouco de confusão, a verdade é que ele é mais utilizado na educação do que pensamos. Na verdade, ele é extremamente útil para promover a aprendizagem, além do desenvolvimento de habilidades. No entanto, não é destinado apenas a crianças da educação infantil ou primária. Também pode ser utilizado com alunos do ensino médio ou até mesmo na universidade.

Como podemos definir o conceito de andaime? Se levarmos em consideração alguns estudos, podemos dizer que “o andaime se refere aos diferentes níveis de ajuda que o adulto oferece à criança em uma situação familiar, a fim de facilitar ao aprendiz a realização de uma tarefa que ele não soube resolver por conta própria”No entanto, essa definição tem algumas nuances, uma vez que, como apontamos, o andaime também pode ser utilizado por estudantes universitários.

Vygotsky e o andaime

O termo andaime é baseado na visão construtivista de Vygotsky sobre o desenvolvimento efetivo do aluno. Este psicólogo introduziu um conceito fundamental conhecido como zona de desenvolvimento proximal. Este termo se referia àquela faixa em que, pela sua dificuldade, estavam aqueles desafios que eram capazes de colocar à prova as competências do aprendiz, um lugar que deixa de lado as tarefas que lhe são impossíveis – com e sem uma determinada orientação – e aquelas que são muito fáceis.

O desenvolvimento psíquico seria tudo o que uma pessoa pode fazer por si mesma. Já o desenvolvimento potencial é o que você pode alcançar quando um professor ou adulto treinado oferece ajuda ou age como um guia. Na distância existente entre estes dois desenvolvimentos estaria o termo andaime. Com essa ferramenta, um indivíduo pode atingir uma meta que não poderia alcançar sozinho. Alguns exemplos são realizar um trabalho, terminar um exercício ou organizar um projeto.

Não há atalhos no andaime. Não se trata de dar tudo mastigado para os alunos, independentemente do nível de escolaridade que estejam cursando. Essa ferramenta permite que uma pessoa treinada, como um professor ou um pai/mãe, forneça os recursos de que o aluno precisa para concluir um desafio, mas sem assumir o a competência de concluir a tarefa; isso sempre caberá ao aprendiz.

“O professor deve assumir o papel de facilitador, não de provedor de conteúdo”.
-Lev Vygotsky-

Dicas para usar o andaime de forma eficaz na educação

Para que o andaime seja executado de forma eficaz e se torne realmente um suporte no desenvolvimento dos processos psicológicos, uma série de regras devem ser levadas em consideração. Se alguma delas não estiver presente, é possível que o andaime não apresente os resultados esperados.

  • O aluno deve se envolver na atividade: isso significa que é essencial que ele faça contribuições pessoais. Para isso, a atividade deve se adequar ao seu nível.
  • A importância da adaptação e do desafio: embora a atividade deva ser adequada ao nível do aluno, ela também deve fornecer um ponto de desafio para permitir que ele progrida, não ficando estagnado.
  • Desenvolvimento de aprendizagem estruturada: as atividades ou tarefas devem ser organizadas de forma a proporcionar um desenvolvimento e progresso natural.
  • Intervenção do guia: quem guia o andaime deve agir como um colaborador, orientando o aluno. Isso deve ser feito por meio de uma interação em que a comunicação seja fluida.

“Aprender é como uma torre; é preciso construí-la passo a passo”.
-Lev Vygotsky-

A transferência de controle

Quando o andaime for realizado de forma adequada e o aluno puder atingir o desenvolvimento de suas potencialidades, surgirá o que podemos chamar de “transferência de controle”. O aluno confia em suas novas habilidades e aptidões, o que permitirá que se sinta mais no controle da situação à sua frente. Assim, será possível manter a sensação de responsabilidade sobre a tarefa que precisa realizar.

Professora com aluno

O que se alcança é que o aluno aprenda um comportamento ativo e comprometido com algo tão simples quanto um exercício. Porém, o que parece trivial terá importância no dia a dia da criança; o andaime ajuda a construir estruturas de conhecimento muito mais elaboradas, reforçando o aprendiz com a sua própria conquista: ele foi o protagonista.

Embora já tenhamos feito isso em diversas ocasiões sem usar um nome específico, o andaime é uma ferramenta muito utilizada na educação para permitir o desenvolvimento adequado de cada aluno.

Infelizmente, há professores que não colocam esta ferramenta em prática, apesar de ser realmente fantástica para o aluno aprender a conviver com a frustração, a assumir a responsabilidade pela parte que pode controlar e a desenvolver habilidades e conhecimentos.

Pode interessar a você...
Um professor trabalha para a eternidade
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Um professor trabalha para a eternidade

Para um professor, não basta transmitir conhecimento. É preciso ser a ponte entre o conhecimento e o aluno e promover valores.



  • Applebee, A.N. (1986) Problems in Process Approaches: Towards a Reconceptualization of Process Instruction. En A.R. Petrosky y D. Bartholomae (Eds.) The Teaching of Writing Chicago: University of Chicago Press.
  • Díaz, E. S. M., Díaz, N., & Rodríguez, D. E. (2011). El andamiaje asistido en procesos de comprensión lectora en universitarios. Educación y Educadores14(3), 9.
  • López Vargas, Omar, Hederich Martínez, Christian, & Camargo Uribe, Ángela. (2012). Logro de aprendizaje en ambientes hipermediales: andamiaje autorregulador y estilo cognitivo. Revista Latinoamericana de Psicología44(2), 13-26. Retrieved February 14, 2019, from http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0120-05342012000200002&lng=en&tlng=es.
  • Vargas, O. L., & Martinez, C. H. (2010). Efecto de un andamiaje para facilitar el aprendizaje autorregulado en ambientes hipermedia. Revista Colombiana de Educación, (58), 14-39.
  • Vygotsky, L. S. (1978). Mind in Society: The Development of Higher Psychological Processes. Cambridge, MA: Harvard University Press. Retrieved from http://books.google.com/books?hl=en&lr=&id=Irq913lEZ1QC&pgis=1