Anorexia: quando a magreza excessiva é a ponta de um iceberg

Anorexia: quando a magreza excessiva é a ponta de um iceberg

julho 30, 2017 em Psicologia 200 Compartilhados
Anorexia: quando a magreza excessiva é a ponta de um iceberg

Se pensamos que a anorexia se reduz a um simples capricho para ficar magro, na verdade estamos olhando apenas para a ponta de um iceberg. É uma doença complicada, e uma das com maior índice de mortalidade. Por esse motivo, nunca deveríamos confundir a doença com apenas esse um sintoma.

Não somos conscientes de que essa necessidade de estar magro é uma forma de autodestruição. Muitas das pessoas partem de um problema que não podem controlar, para um controle a ferro e fogo de sua alimentação, como uma forma de se proteger de seus medos e inseguranças. Assim, aparece a necessidade de encontrar um reforço positivo em sua imagem corporal, uma necessidade que está acima inclusive do amor próprio pela vida, o amor pela sobrevivência.
Anorexia é pensar na alimentação durante todos os segundos de um dia.
Compartilhar

Mas por que isso ocorre? É uma questão mental ou há outros fatores que escapam de nosso controle e que afetam nosso cérebro? Hoje daremos algumas respostas a essas perguntas e descobriremos como essa obsessão pela magreza é só uma pequena parte do que realmente significa a anorexia.

O que passa pela cabeça de uma pessoa com anorexia?

As pessoas com anorexia tratam de diminuir conscientemente o consumo de alimentos e inclusive chegam a um grau de disciplina em que alguns conseguem até mesmo evitar quase por completo qualquer alimentação. Quanto menos ingerirem de comida, melhor.

Poderíamos falar então de um transtorno mental? A verdade é que esse termo pode levar a uma certa confusão. Por isso, o que podemos falar seguramente é que o transtorno é produzido como efeito de um comportamento compulsivo no qual há uma grande preocupação pelas consequências que possui a ação de comer.

Isso mostra que o cérebro das pessoas com anorexia não funciona igual ao de uma pessoa saudável. Todos nós temos um sistema de resposta perante o prazer e a recompensa que tem muita importância para nossa sobrevivência. No caso das pessoas com anorexia, esse sistema é alterado.

Anorexia

Por exemplo, cada vez que uma pessoa saudável sente fome e come, seu cérebro produzirá uma resposta positiva. Desse modo, sua relação com a comida é saudável. Não ocorre o mesmo em uma pessoa que sofre de anorexia, pois esta não será capaz de diferenciar o estímulo negativo do positivo.

Aguentar a fome nunca deveria ser uma vitória.
Compartilhar
Nossos hormônios também possuem uma parte de culpa nessa situação toda. Em pessoas com anorexia muitos dos hormônios que estimulam o apetite e o peso apresentam níveis baixos, o que causa um grande desarranjo na relação com a comida.

Os pensamentos quando “quero” a magreza

Até o momento pudemos ver que a anorexia produz alterações cerebrais que são reflexo de um sistema de recompensas alterado. Mas como isso ocorre?

O que se sabe é que as pessoas que sofrem desse transtorno apresentam alguns traços psicológicos similares. Alguns deles podem ser mais acentuados em algumas pessoas do que em outras e, em alguns casos, não aparecem todos juntos.

  • Um nível baixo de autoestima, ao qual foi associada sua imagem corporal e não guarda mais relação com outros reforços.
  • Necessidade de controlar tudo, por isso exercem esse controle sobre seu corpo e na relação com a comida. É a única coisa que podem controlar.
  • Busca de uma identidade, que possui geralmente uma ansiedade alta.
  • Contínuas mudanças de humor, que podem passar desde uma euforia até um estado totalmente depressivo.

Transtorno de anorexia

Essas são algumas das características que as pessoas com anorexia podem possuir, ainda que haja muitas mais que possam se manifestar. Como podemos ver, o componente da autoestima é muito importante. Isso, unido a outros problemas subjacentes, provoca o sintoma da pessoa desejar deixar de comer.

A anorexia começa evitando uma comida e continua com cem mil desculpas.
Compartilhar

A essa altura, o que estamos seguros em afirmar é que a anorexia não é um capricho. Por isso, enfrentar e doença sozinho e sem a intervenção de especialistas, querendo apenas obrigar-se a comer como única estratégia, sem trabalhar os outros aspectos, como o dos reforços do cérebro e da autoestima, apenas fará com que a pessoa consiga melhorar suas habilidades de dissimulação e engano alheio.

Pense que é como algo para chamar a atenção, mas que sugere um problema muito mais profundo. Não é só uma questão de aparência, de comer ou não comer. Por trás da anorexia há uma pessoa ferida, com problemas profundos em seu mundo interior, que devem também ser tratados de forma paralela. Obviamente, a falta de nutrientes pode fazer com que alguém finalmente morra, mas isso não significa que devemos tratar apenas esse sintoma, esquecendo a dor e tudo o que isso causa e o que o gerou.

Anorexia

A anorexia não significa estar magro para se ver melhor, a anorexia implica problemas, insegurança, dor e tristeza. Não comer é somente uma forma que não leva nem a se sentir bem, mas apenas evita sentir-se mais mal. O reforço da conduta vem pela evitação do sofrimento, por afastar-se o máximo possível da sensação de que sua vontade é fraca e de que você não serve para nada.

Desse modo, a pessoa anoréxica acaba temendo a comida como quem teme um leão ou uma cobra, porque os vê como a pior inimiga para o mundo controlável que estão tentando construir. O mundo em que, para eles, a única esperança é achar um dia cinza no meio de tantos dias obscuros.

Recomendados para você