Arrependimento em uma relação: por que me apaixonei por você?

Costuma-se dizer que você sempre aprende algo com relacionamentos ruins. Agora, o que acontece quando o que resta é sofrimento e, principalmente, o arrependimento por ter tido uma relação tão negativa?
Arrependimento em uma relação: por que me apaixonei por você?

Última atualização: 12 Maio, 2021

O arrependimento em uma relação é uma experiência bastante comum. Muitos são os que abrigam em sua história afetiva acontecimentos que preferem esquecer e pessoas de quem guardam lembranças desagradáveis. “Como eu posso ter me apaixonado por ele ou ela?. Como pude não perceber antes quem ele realmente era? Por que fiz tantas coisas por alguém que não merecia nada?”

Essas e outras questões são as que muitas vezes navegam em nossas mentes, alimentando o desconforto, a frustração e o pavio de memórias ruins. Como se costuma dizer, “das boas relações ficam as boas memórias, e das ruins, o aprendizado”. No entanto, este último nem sempre é verdade.

São muitos os que permanecem com a ferida, com a dor crônica de tudo o que vivenciaram. É difícil aprender algo quando o que se sente é um sofrimento traumático, e ainda mais quando temos uma visão negativa de nós mesmos por termos vivido um vínculo não enriquecedor por tanto tempo…

O que podemos fazer nessas situações?

Homem chateado

Dicas para lidar com o arrependimento em uma relação

O arrependimento em uma relação é uma realidade que a ciência vem estudando há anos. Estudos como os realizados na Universidade de Illinois, por exemplo, mostram que esse fenômeno é mais comum do que pensamos. A maioria de nós costuma refletir sobre coisas que deveríamos ter feito e não fizemos, e também sobre os vínculos estabelecidos e que deveríamos ter evitado desde o início.

Esse tipo de reflexão foi chamado, neste estudo, de pensamentos contrafactuais. Da mesma forma, é interessante saber que tanto homens quanto mulheres sofrem com o sentimento de arrependimento por terem iniciado certas relações. Além disso, se o campo psicológico está interessado nesta série de experiências, é por um fato muito específico e importante.

O arrependimento e o pensamento contrafactual têm um grande impacto no bem-estar emocional, na tomada de decisões, na regulação do comportamento e na saúde mentalPortanto, é inútil dizer a alguém: “Não se preocupe, você sempre aprende algo com os relacionamentos ruins”. No entanto, ninguém consegue dar o passo para estabelecer certos aprendizados quando o que eles experimentam é um alto sofrimento.

Como lidar com esse tipo de experiência? Vamos analisar.

Esclareça em detalhes do que você se arrepende

O arrependimento em uma relação não vem apenas de sentir frustração por ter investido tempo e emoções em alguém que simplesmente não os merecia. É algo mais profundo e complexo. Você pode se sentir mal por ter desistido dos seus sonhos por aquele ex-parceiro. Também por não ter percebido antes que estava sendo enganado.

A pessoa pode até se arrepender por não ter lutado o suficiente por aquele relacionamento, por negligenciar o outro ou ter cometido erros. O arrependimento tem muitas formas e linguagens. Portanto, é fundamental esclarecer o que realmente nos machuca e quais são as dimensões específicas que nos causam sofrimento.

Aprenda a processar todas as emoções

Você realmente sabe do que é “feita” a emoção do arrependimento? Há quem diga que é uma realidade psicológica inútil porque nos bloqueia, porque nada surge dela. No entanto, entenda que isso está errado. Para começar, essa construção emocional esconde o peso da tristeza, que deve nos encorajar a refletir sobre o que vivemos e o que aconteceu.

Também integra uma pincelada de raiva ou ira, emoções que nos impelem a reagir, a enfrentar o que nos magoa ou incomoda. Da mesma forma, o arrependimento em um relacionamento contém a marca da decepção.

Liberte-se da culpa: você não sabia o que ia acontecer

A relação vivida e deixada para trás não lhe trouxe felicidade, é verdade. Você sente arrependimento e até raiva por ter tido grandes esperanças em algo que não deu em nada. Agora, a última coisa a alimentar nessas situações é a culpa ou a vergonha. Você não sabia o que ia acontecer, você não tem uma bola de cristal que revele tudo o que vai acontecer no futuro próximo.

Apaixonar-se e se comprometer com um relacionamento é algo que fazemos de coração. Fazer o indizível por alguém é a norma em todo relacionamento, porque amar é lutar, é trabalhar pelo que você deseja. Não podemos lamentar isso, porque cada uma dessas dimensões nos torna valiosos e nobres. O que aconteceria a seguir é algo que não poderíamos prever.

Liberte-se da culpa

O arrependimento em uma relação é mais uma fase do luto

O arrependimento em uma relação é outra parte do luto depois do término. Quando encerramos o vínculo afetivo com alguém, é comum que apareça a dor do arrependimento. Porém, a última coisa que devemos fazer é “congelar” o luto nessa fase, ficar com a dor que não progride, com o desconforto que não se resolve.

Aceitar o que aconteceu, libertar-se da culpa e poder confiar em nós menos e no futuro é essencial. Se mais tarde pudermos obter um aprendizado de tudo o que vivemos, melhor ainda. Porém, existem experiências que só precisam ser vividas, aceitas e superadas.

Pode interessar a você...
Como controlar a ansiedade antecipatória?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Como controlar a ansiedade antecipatória?

Como podemos controlar a ansiedade antecipatória? Todos nós já experimentamos a sensação de que, no final, tudo vai dar errado.



  • Coats, S., Harrington, J.T., Beaubouef, M.E., & Locke, H.S. (2012). Sex Differences in Relationship Regret: The Role of Perceived Mate Characteristics. Evolutionary Psychology, 10.
  • Roese, N. J., Pennington, G. L., Coleman, J., Janicki, M., Li, N. P., & Kenrick, D. T. (2006). Sex differences in regret: all for love or some for lust?. Personality & social psychology bulletin32(6), 770–780. https://doi.org/10.1177/0146167206286709