De acordo com a ciência, as cores estão associadas a padrões emocionais

Por que a cor vermelha é sempre tão marcante e emocionante para nós? Segundo a ciência, as cores têm o poder de despertar emoções muito específicas.
De acordo com a ciência, as cores estão associadas a padrões emocionais

Última atualização: 28 Setembro, 2021

Que emoção a cor azul evoca em você? Quais sensações um quarto pintado de amarelo geraria em você? Durante anos, a ciência afirmou que as cores estão associadas a padrões emocionais. No entanto, tentar entender como nossa consciência interpreta esse tipo de estímulo continua sendo um desafio para os neurocientistas.

Por exemplo, todo especialista em design de interiores sabe que os tons de azul estão associados à calma e que uma sala pintada de amarelo está relacionada à positividade ou ao dinamismo. No entanto, um tom muito intenso de amarelo provoca ansiedade.

A cor é uma ferramenta de comunicação capaz de induzir processos emocionais e até fisiológicos. O fato de que isso aconteça ainda é fascinante. A cor nada mais é do que uma percepção visual. É a resposta dos fotorreceptores da retina ao discriminar os diferentes comprimentos de onda do espectro eletromagnético.

Então, o que acontece no cérebro a partir do momento em que essas ondas eletromagnéticas fazem contato com o olho para evocar uma emoção específica?

“Cada pessoa tem sua própria cor, uma tonalidade cuja luz se filtra apenas ao longo dos contornos do corpo. Uma espécie de halo, como nas figuras vistas contra a luz.”
-Haruki Murakami-

Mulher com fios azuis

Por que as cores estão associadas a padrões emocionais?

Como disse Goethe, há cores que atraem pela graça e outras que são rejeitadas com raiva. Existe algo em nossa “bagagem” psicobiológica que nos faz reagir de uma forma ou de outra a certos tons de cor. No entanto, dada a relevância que este tema tem no campo da publicidade, arte e até bem-estar, há algo interessante que deve ser destacado.

Os médicos Andrew J. Elliot e Markus Maier, da University of Rochester (Estados Unidos), destacaram em seu trabalho de 2015 que grande parte das pesquisas realizadas até poucos anos atrás tinha pouco rigor científico. Toda a literatura sobre a cor e o seu funcionamento psicológico ainda está em seus estágios iniciais. Assim, os próprios autores destacam que o impacto que a cor tem sobre nós decorre da aprendizagem social e também de aspectos biológicos.

Este último aspecto é o que mais desperta interesse e polêmica. Estamos “programados” para reagir a uma cor de maneira diferente da outra? Por que razão? Esse tipo de pergunta ainda não tem uma resposta consensual. No entanto, sabemos que as cores estão associadas a padrões emocionais.

Cones, as células fotossensíveis da nossa retina

Os cones são células fotossensíveis encontradas na retina. Todos os vertebrados os possuem. Agora, algo que foi descoberto na década de 60 é que existem três modalidades desse tipo de célula. Cada um deles é especializado em gerar uma série de sensações ao entrar em contato com as cores vermelho, verde e azul.

Ou seja, existem células fotossensíveis que reagem induzindo sensações únicas a três tipos de cores primárias. Uma dessas células, conhecida como “tipo L”, é ativada pela onda de luz que gera o vermelho.

O cérebro associa a cor vermelha a eventos importantes, como a tonalidade de feridas e sangue. Diante desse tipo de estímulo, o ser humano sempre teve que reagir.

o verde e o azul estão ligados à natureza, a cenários que sempre nos foram próximos e familiares. Isso explica por que esses tons são tão básicos e nos fazem reagir da maneira como reagimos.

As cores estão associadas a padrões emocionais devido às nossas experiências

Na verdade, nossas experiências anteriores e até mesmo nossa própria cultura influenciam a maneira como percebemos as cores. Em muitos países, a cor branca está associada à pureza e inocência. No entanto, em certas áreas do Oriente, como China ou Japão, essa cor é usada em rituais fúnebres ou durante o luto pela morte de alguém.

A maneira como a sociedade nos faz ver uma determinada cor está arraigada em nosso registro emocional, assim como certas experiências. Podemos não gostar do azul porque era o tom do nosso uniforme na escola ou talvez porque fosse a cor do quarto do hospital onde ficamos internados.

As cores estão associadas a padrões emocionais que o cérebro organiza de acordo com nossas experiências e influências socioculturais. Ou seja, não é apenas o aspecto psicobiológico que nos determina.

Mulher com uma luz na mente e os olhos fechados

Cor e consciência

É um fato inegável que as cores e as sensações que elas despertam em nós não existiriam sem a nossa consciência. A forma como percebemos a realidade, a reconhecemos e a interpretamos sempre faz parte dessa entidade tão difícil de compreender e à qual William James dedicou tantos trabalhos.

A consciência não tem nada a ver com ética ou moral. É um processo pelo qual construímos conscientemente a nossa própria realidade das coisas, do mundo e da nossa relação com tudo o que nos rodeia. As cores estão associadas a padrões emocionais porque influenciam essa arquitetura interna.

A luz e seus diferentes tons não existem até que nossa consciência faça contato com eles para reconhecê-los e interpretá-los. Em essência, somos o resultado da nossa evolução, uma rede neural complexa que reage a cada estímulo com base em nossas experiências acumuladas como espécie.

No entanto, somos também o que pensamos e interpretamos, e as cores são essa dimensão familiar que nos envolve constantemente a ponto de modificar o que sentimos.

Pode interessar a você...
Cores e personalidade: como se relacionam?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Cores e personalidade: como se relacionam?

Cores e personalidade são duas preferências ou tendências que estão relacionadas. Aprenda sobre esse interessante vínculo na psicologia humana.



  • Azeemi ST, Raza SM. A critical analysis of chromotherapy and its scientific evolution. Evid Based Complement Alternat Med. 2005;2(4):481-8. doi:10.1093/ecam/neh137
  • Elliot AJ, Maier MA, Moller AC, Friedman R, Meinhardt J. Color and psychological functioning: the effect of red on performance attainment. J Exp Psychol Gen. 2007;136(1):154-68. doi:10.1037/0096-3445.136.1.154
  • Elliot AJ. Color and psychological functioning: a review of theoretical and empirical work. Front Psychol. 2015;6:368. doi:10.3389/fpsyg.2015.00368
  • Jonauskaite D, Abu-Akel A, Dael N, Schrag Y, Sultanova A, Uusküla M, Vainio S, Wąsowicz G, Zdravković S, Zhang M, Mohr C. Universal Patterns in Color-Emotion Associations Are Further Shaped by Linguistic and Geographic Proximity. Psychol Sci. 2020 Oct;31(10):1245-1260. doi: 10.1177/0956797620948810. Epub 2020 Sep 8. PMID: 32900287.