Você conhece os níveis de consciência e suas cores?

A teoria integral da consciência de Ken Wilber defende que os seres humanos têm diferentes níveis de consciência e que cada um deles é de uma determinada cor.
Você conhece os níveis de consciência e suas cores?

Última atualização: 21 Abril, 2021

Ken Wilber é um autor norte-americano que concentrou seu trabalho e estudos em filosofia, misticismo, ecologia e evolução espiritual. O resultado de seus anos de trabalho deu origem ao que ele chama de teoria integral da consciência. Uma teoria que defende que os seres humanos têm diferentes níveis de consciência que se diferenciam com base nas cores.

A ideia básica, na terminologia de Wilber, seria de que os seres humanos não se diferenciam pela raça ou cor da pele, mas pelo estado de consciência em que se encontram. De acordo com suas teorias, a consciência não é algo estático. Ao contrário, seria na verdade uma espiral dinâmica que muda constantemente dependendo das experiências vividas.

O modelo integrativo de Wilber é uma espiral que diferencia dois blocos: pensamento de primeiro grau ou níveis de subsistência e pensamento de segundo grau ou níveis de ser e consciência integral. Os níveis de consciência de subsistência seriam seis e a consciência de ser mais dois. Cada um teria sua própria cor e características particulares. Vamos revisar os primeiros 6 níveis de subsistência de Wilber.

A consciência humana

Cor bege: estado arcaico-institutivo

É o estado básico de sobrevivência, dominado pela impulsividade biológica. É um estado onde os sentidos prevalecem. Nele, o ser é definido pelas necessidades básicas que deve cumprir.

A existência dessas pessoas é baseada no automatismo e seu pensamento é direcionado instintivamente. Ocorre nas primeiras sociedades humanas. Também em recém-nascidos e idosos que sofrem de algum tipo de doença degenerativa.

Cor roxa: estado mágico-animista

Nesse nível existe um mundo mágico que enche o indivíduo de segurança e harmonia. Já existe uma distinção entre o bem e o mal. É um estado de segurança em que você está protegido do ambiente ameaçador.

Poderes e espíritos ambiciosos são combatidos com rituais, e laços de parentesco, magia, crenças e superstições são importantes. Seria o nível de consciência de muitas tribos étnicas.

Cor vermelha: estado de deuses de poder

O mundo neste estado é apresentado como uma selva onde apenas os fortes, os dominadores, triunfam. Nesse nível, os fracos estão a serviço dos fortes. A conquista, o poder e a submissão são promovidos.

Essa volta da espiral surge da anterior e o faz por meio de um “eu” diferente do grupo. Uma personalidade poderosa, impulsiva, egocêntrica e heróica. No estado da cor vermelha, ainda se acredita na magia, mas os poderes místicos estão associados aos líderes.

Cor azul: estado de ordem mística

É um estado em que a ordem e a estabilidade reinariam. A realidade neste estado seria controlada por uma autoridade superior que recompensaria as boas obras e puniria o mal.

A submissão e a aceitação das normas são contempladas, padronizadas. A explicação do mundo vem das mãos de uma entidade todo-poderosa que controla tudo. É um estado característico da China confucionista e das ordens de cavaleiros.

Cor laranja: estado de realização científica

Um estado de espírito pragmático que requer a obtenção de resultados e o progresso na vida. O “eu” escapa do resto e decide buscar a verdade por conta própria. A partir desse estado, o mundo é uma máquina perfeitamente ajustada que funciona com base em leis de comportamento.

Seria o estado de consciência da classe média emergente, do materialismo e da busca pelo triunfo da matéria.

Cor verde: estado do “eu” sensível

Nesse novo estado, a humanidade convive em sociedade e tem propósitos comuns. O consenso e a consciência social são buscados. Esta realidade está baseada na comunidade e na relação de todos os seres humanos.

Dogma, ganância e divisão foram extintos. É um estado baseado na harmonia e no desenvolvimento do potencial humano. As hierarquias foram superadas e ele se concentra no espiritual. Encontramos isso refletido no pós-modernismo.

Ondas cerebrais

Os níveis de ser e consciência integral

Seguindo no desenvolvimento deste pensamento de Wilber, é possível atualizar ainda mais o estado do eu sensível, o de cor verde. Isso daria o salto para o pensamento de Segundo Grau. Nos níveis de subsistência, existe a característica de serem independentes uns dos outros e não integrados.

Os estados de pensamento do Segundo Grau seriam integrados e não exclusivos. Esses dois níveis são conhecidos como consciência integral. O primeiro é amarelo e o segundo é turquesa.

  • Cor amarela. Estado integrativo. Neste estado ocorre a integração dos processos. Caos, mudança e incerteza são considerados estados aceitáveis. A vida gira em torno de flexibilidade, espontaneidade e funcionalidade. O igualitarismo é possível pela aceitação e compreensão dos graus de ordenação.
  • Cor turquesa. Estado holístico. Este é o estado de pensamento que usa todos os níveis anteriores da espiral para alcançar a unidade. É um estado holístico que equilibra as forças entrelaçadas.

Teoria integral e níveis de consciência

A teoria integral de Wilber busca uma compreensão mais ampla do ser humano. Refere-se a uma consciência que integra diferentes perspectivas. Seria algo como um mapa de perspectiva que organiza crenças e valores.

Ken Wilber, por meio desse modelo integrador, acredita que seria possível evitar o desastre cultural catastrófico que a visão materialista do mundo está assumindo ao ignorar o potencial humano e suas realizações.

Pode interessar a você...
Ken Wilber: o criador da psicologia integral
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Ken Wilber: o criador da psicologia integral

Por sua formação e suas contribuições, Ken Wilber se transformou em um dos principais pilares da psicologia transpessoal e integral.



  • Donkers, Harry (2016) Integral Dynamics, A new integration of Wilber’s Integral Theory and Spiral Dynamics. International Journal of Humanities and Social Science Vol. 6, No. 6
  • Landrum, Nancy E. (2005) Using integral theory to effect strategic change. Journal of Organizational Change Management 18(3):247-258