Assexualidade: eu gosto de você, mas você não me atrai sexualmente

· janeiro 14, 2017

Nós estamos descobrindo novas orientações sexuais que estão longe da heterossexualidade normativa que tem sido imposta em muitas sociedades há séculos. Atualmente falamos sobre a homossexualidade, a bissexualidade ou a pansexualidade com naturalidade, especialmente nas gerações mais jovens. Aos poucos, está começando a ser difundida a ideia de que diversidade é liberdade e enriquecimento, algo que incentiva que cada um defina a sua forma particular de orientação sexual.

A orientação sexual engloba a atração sexual, erótica, emocional ou romântica para um determinado grupo de pessoas, definidas pelo seu sexo. Se ficarmos exclusivamente com a parte da atração, encontraremos um grupo de pessoas que estão começando a se identificar como grupo. Falamos sobre a assexualidade, ou de pessoas que não sentem atração sexual por ninguém, o que não significa que não possam gostar de outra pessoa ou até mesmo se apaixonar.

“Imagine como pode se sentir um adolescente que não sente atração sexual por ninguém e, ao mesmo tempo, acredita que tem que se encaixar em qualquer uma das orientações sexuais conhecidas”.
 -Lúcia, autora do “Diário de uma assexual” –

homem-com-gato-preto

A assexualidade não é uma consequência

Se entendermos essa falta total de atração como uma anormalidade, vamos tentar responder a uma pergunta: por que isto aconteceu? Podemos pensar que, talvez, tenham vivido uma experiência ruim: um condicionamento tão forte que qualquer ideia relacionada com o sexo gera rejeição.

Depois destas experiências, a pessoa, na sua necessidade de se proteger, não tem mais desejo sexual em relação aos outros. Mas isto não é a assexualidade. Justificar esta realidade desta forma significa desvirtuar e não entender o que realmente está acontecendo. Lembre-se de que a assexualidade reflete uma falta de interesse em sexo, não medo ou aversão. Parece simplesmente que é uma atividade que não atrai a atenção deles, assim como muitas outras atividades não atraem a sua atenção.

Eles não se sentem motivados por manter relações sexuais de qualquer tipo com ninguém. Será que isso tem algo a ver com a religião? Com uma cultura em particular? Mais uma vez, reiteramos a nossa negativa. É simplesmente uma forma de viver e de entender os relacionamentos diferente da maioria das pessoas.

Eu me torturei durante muitos anos tentando encontrar alguém que me despertasse esse desejo e não me importava se era homem ou mulher. Depois de anos e de muitas experiências fracassadas, decidi me aceitar como eu sou. Pouco depois, descobri a assexualidade na Internet e justamente nesse dia, acabaram os meus conflitos.”
 -Lúcia, autora do “Diário de um assexual” –

Se você quiser saber um pouco mais sobre a assexualidade, existem muitos vídeos e textos interessantes na Internet que refletem como as pessoas vivem em uma sociedade onde o sexo desempenha um papel tão importante. Quantas pessoas são assexuadas? Como muitos não sabem disso? Como elas vivem os seus relacionamentos íntimos?

Os relacionamentos de casal

É importante que falemos um pouco sobre o tão conhecido mundo do relacionamento de casal. Quando falamos de uma pessoa que é assexuada, que não sente esse impulso erótico pelos outros, será que elas têm dificuldades para encontrar um companheiro? A verdade é que não existe nenhum problema.

As pessoas assexuais podem se apaixonar. Elas vivem o amor romântico, gostam dos abraços, dos beijos. Querem sentir essa conexão com a outra pessoa, mas não têm nenhum desejo carnal. Elas podem viver como um casal sem nenhum problema, embora seja necessário mencionar que há também pessoas assexuais que não são românticas.

Normalmente as pessoas assexuais buscam parceiros assexuais. Ainda assim, o que acontecerá se se apaixonarem por alguém diferente delas? Não tem problema. Os assexuais não rejeitam o sexo, simplesmente não se sentem atraídos pelas pessoas nesse sentido. É o mesmo caso da pessoa que não gosta de maçã, mas acaba comendo para agradar o outro que insiste que será bom para ela.

Mencionamos que os assexuais não sentem qualquer interesse sexual pelos demais, mas isso não significa que eles não tenham sexualidade ou não desfrutem dela. Os assexuais podem inclusive se masturbar. Uma coisa é o desejo sexual e outra a atração por alguém. No entanto, eles não desfrutam o sexo como as pessoas que não se enquadram na assexualidade. Para eles, um orgasmo está longe de ser a melhor coisa do mundo.

“A ideia de que você pode encontrar ou conhecer alguém e se sentir sexualmente atraído por ele é algo que muitas pessoas experimentam e está tudo bem, mas isto não acontece comigo”.
 -Evie, poliamorosa e assexual-

É preciso dar visibilidade a esta “não orientação sexual” com a qual algumas pessoas podem se identificar. Porque o amor e o sexo não têm que estar sempre de mãos dadas, e este é apenas mais um exemplo disso.

Imagens cortesia de Eloïse Heritier, Jeremy Combot.