5 benefícios de aprender idiomas para o cérebro

dezembro 26, 2019
É cada vez mais comum ver alunos com mais de 30 anos nas escolas de idiomas. A demanda por cursos de língua estrangeira cresceu não só pela necessidade de ter um segundo idioma no currículo, mas também pelos benefício cerebrais que falar uma segunda língua traz.

É claro que são muitos os benefícios de aprender idiomas diferentes da língua nativa, mas a questão virou quase uma necessidade nos últimos anos, principalmente no que diz respeito ao contexto profissional.

Além de ser uma habilidade que nos destaca e adiciona à nossa formação para alguns tipos determinados de trabalho, hoje em dia esta é praticamente uma necessidade pessoal e social.

A sociedade globalizada na qual vivemos hoje nos empurra para nos relacionarmos de forma cotidiana com pessoas de todo o mundo. Essa é uma característica que, até poucos anos atrás, era reservada ao mundo dos negócios de mais alto nível, mas hoje é tão natural quanto abrir qualquer rede social e interagir com o resto do mundo.

Por outro lado, a drástica redução que os preços dos transportes de longa distância sofreram nos últimos anos, especialmente no que diz respeito às empresas aéreas denominadas low-cost, mudou o nosso conceito de o que é uma viagem internacional, que passou de ser algo muito exclusivo para ser até mesmo mais econômico que algumas viagens locais.

Cada vez mais pessoas dominam pelo menos um segundo idioma, além do seu idioma nativo. As crianças começam a se instruir em uma segunda língua desde quando começam a frequentar o maternal para adquirir uma boa base para uma futura preparação acadêmica.

Elas adquirem destreza com a língua, e acostumam o ouvido a um novo idioma e sons através de brincadeiras, de forma que aumentam a sua capacidade criativa e a competência para resolução de problemas.

Dicionários de várias línguas

No que diz respeito aos adultos, é cada vez mais comum ver alunos com mais de 30 anos nas escolas de idiomas. A demanda por cursos de língua estrangeira cresceu não só pela necessidade de fazer constar o conhecimento de um segundo idioma no currículo, mas também pelos benefício cerebrais que a aprendizagem do mesmo traz.

Outra faixa etária cada vez mais numerosa que também entrou no mundo de estudo de novos idiomas são os idosos. Aprender uma segunda língua na terceira idade é uma forma perfeita de colocar em prática novas habilidades e manter as capacidades cognitivas durante o maior tempo possível.

Os idosos podem integrar novos conhecimentos com sua ampla experiência de aprendizagem adquirida ao longo da vida. Uma vez alcançada a maturidade, sabemos que as capacidades para a aquisição de novos conhecimentos não são mais as mesmas que nas idades mais jovens.

No entanto, a maturidade também faz com que sejamos mais eficientes na hora de estudar uma segunda língua, já que já temos mais técnicas de aprendizado que sabemos que funcionam melhor com o nosso estilo de aprender.

Em conclusão, enquanto as crianças se adaptam naturalmente durante a aquisição de novos conhecimentos, os adultos tiram proveito da sua experiência de vida para aprender. Dessa forma, estudar um idioma não é necessariamente mais difícil com a idade, é simplesmente diferente.

Aprender idiomas: 5 benefícios para o cérebro

Favorece a concentração

A concentração é a capacidade de usar todas as nossas faculdades mentais ou físicas em uma atividade específica. Estar concentrado significa poder escutar, observar e absorver tudo aquilo pelo que temos interesse.

Para memorizar o vocabulário, a gramática, as conjugações, ou seja, para aprender um idioma, é necessário se mostrar receptivo e prestar atenção.

Estudar uma língua estrangeira nos proporciona um alto nível de concentração em tudo aquilo que ouvimos, traduzimos ou comunicamos. Portanto, com essa destreza adquirida, assim como acontece com qualquer outra capacidade cognitiva, quanto mais trabalhamos com ela maior será o benefício para o nosso cérebro.

Melhora as capacidades cognitivas

O cérebro pode se manter ativo por mais tempo se trabalharmos de forma conveniente todas as diferentes capacidades cognitivas. Os neurocientistas concordam que quanto mais fazemos uso das competências cerebrais, menos frequentes são as falhas de suas funções.

Aprender idiomas traz benefícios porque é um dos exercícios cognitivos mais completos: ativa-se a memória e são criadas novas conexões neuronais ao mudar entre uma língua e outra.

Dessa forma, funções como a linguagem, a capacidade de raciocínio, a abstração e a capacidade de cálculo são potencializadas com o aprendizado de outra língua.

Podemos conservar a agilidade mental por mais tempo

Pesquisas recentes mostram que as pessoas que aprendem idiomas mantêm a agilidade mental, atrasando o processo de envelhecimento em determinadas áreas cognitivas.

Além disso, os indivíduos que falam ao menos dois idiomas têm um cérebro mais flexível, mais capaz de se adaptar a diferentes situações e mudar de uma atividade para a outra mais rapidamente.

Professora dando aula de inglês

Ajuda no desenvolvimento cerebral

Pesquisadores da Universidade de Lund, na Suécia, realizaram um estudo para investigar se a estrutura cerebral de um grupo de sujeitos sofria alguma modificação após três meses de aprendizado de um idioma.

Eles compararam um grupo de estudantes universitários qualquer a um outro grupo de pessoas que aprenderam a falar um novo idioma com fluência.

Antes de começar o processo de aprendizagem do grupo de estudo, os dois grupos foram submetidos a um exame de ressonância magnética nuclear (RMN, técnica não invasiva para obter informações sobre a estrutura cerebral).

Após três meses de estudo do novo idioma, ao repetir o mesmo exame de ressonância magnética, descobriram que, enquanto a estrutura cerebral dos universitários permanecia a mesma, sem mudanças, determinadas partes do cérebro dos estudantes que haviam aprendido um novo idioma haviam crescido.

As zonas que mostraram mudanças foram o hipocampo, relacionado diretamente com a aprendizagem de idiomas, uma região do lobo temporal relacionada com a orientação espacial, e três áreas do córtex cerebral relacionadas com as habilidades linguísticas.

Melhora a memória

Entre os benefícios de aprender idiomas encontra-se a capacidade de melhorar a memória. Adquirir fluência em uma segunda língua obriga o cérebro a usar outras regiões que, habitualmente, não são empregadas pelos monolíngues.

Além disso, falar dois ou mais idiomas favorece a criação de novas rotas de associação para a informação, o que cria rotas novas e alternativas para chegar a uma lembrança.

Dessa forma, tanto a memória de curto prazo quanto a memória de longo prazo são reforçadas com as habilidades que devem ser empregadas e desenvolvidas na hora de aprender um novo idioma.

Finalmente, cabe destacar que os idiomas têm um valor enorme no campo de trabalho. Afinal, além de todos esses benefícios, eles também são uma porta de entrada para outras culturas.