Biografia de Adolf Wölfli, o mais conhecido artista de arte bruta

Adolf Wölfli nos transmite com sua obra as projeções de seu mundo por meio de um processo criativo no qual ele tentava ordenar seu caos interno. Para muitos, seu nome pode não significar grande coisa, mas entrar no mundo de Adolf Wölfli significa mergulhar em uma vida e uma obra sem precedentes. 
Biografia de Adolf Wölfli, o mais conhecido artista de arte bruta

Última atualização: 19 Junho, 2021

Os artistas sempre podem nos surpreender com seu mundo e o mundo que projetam. Às vezes eles usam máscaras e enganam nossos sentidos, mas existem artistas cuja vida pode ser lida em suas obras. A arte não apenas embeleza o mundo, ela pode criar novos mundos. Se há um artista que nos fascina e nos surpreende com suas pinturas, seus desenhos e sua biografia, é Adolf Wölfli.

Estamos falando de um dos mais famosos artistas da arte bruta ou, em outras palavras, a arte criada fora das fronteiras acadêmicas e culturais. Wölfli criou obras caracterizadas pelo horror vacui, ou pelo preenchimento de todo o espaço vazio.

Mas essa não é a única característica surpreendente de seu mundo. Através desse artigo, vamos mergulhar no seu mundo artístico e mental, nas suas projeções, e apresentar brevemente a biografia de Adolf Wölfli. Mergulhe conosco na sua arte fascinante e turbulenta.

Retrato de Adolf Wölfli

A biografia e a vida de Adolf Wölfli

Wölfli nasceu em Bowil, cantão de Berna (Suíça), em 29 de fevereiro de 1864. Ele e sua família viviam em extrema pobreza. Sua mãe era uma lavanderia e seu pai um pedreiro que tinha problemas com o álcool e o crime, tendo passado longos períodos na prisão. O pai abandonou a família quando Adolf Wölfli tinha cinco anos.

Dois de seus irmãos morreram antes de completar três anos, e os outros dois passaram algum tempo na prisão por crimes menores. A mãe de Wölfli não suportou a situação e adoeceu.

Wölfli foi separado de sua mãe pelas leis da época, que mandavam pessoas em situações semelhantes para trabalhar em fazendas.  Ele continuou trabalhando e estudando, e tirava boas notas. Contudo, era vítima de graves abusos em seu trabalho.

Ele se alistou no exército e lá foi acusado de tentativa de agressão sexual a menores, sendo condenado a dois anos de prisão. Posteriormente, Wölfli foi libertado, embora no trabalho que conseguiu as pessoas se sentissem incomodadas com ele, pois demonstrava agressividade e exaltação religiosa.

Depois de uma nova tentativa de assédio a uma menina de dois anos, ele foi internado no hospital psiquiátrico Waldau. Nesse local, ele foi diagnosticado com esquizofrenia e permaneceu no hospital até 1930, quando faleceu.

Saúde mental

Em seus primeiros anos no hospital psiquiátrico, Adolf Wölfli se mostrava agressivo e tinha alucinações. De fato, durante algum tempo, ele foi submetido a um regime de isolamento.

Em 1899, ele começou a desenhar. Ele fazia isso espontaneamente e ficava irritado quando seus colegas rasgavam seus desenhos. No entanto, desde que deu os primeiros passos no desenho, os médicos afirmavam que ele passou a se comportar mais tranquilamente.

Um psiquiatra do hospital, Walter Morgenthaler, o encorajou em seu trabalho criativo. Ele reuniu seu trabalho e publicou um volume em 1921 chamado Ein Geisteskranker als Künstler (Um paciente psiquiátrico como artista). Esse evento marcou a história porque, aparentemente, um paciente internado em um hospital psiquiátrico nunca havia sido descrito como artista.

Obras de Adolf Wölfli

Adolf Wölfli tinha uma compulsão por escrever e desenhar. Dos seus trabalhos antes de conhecer Morgenthaler, apenas cinquenta peças foram preservadas.  São trabalhos realizados a lápis caracterizados pela busca da simetria. É interessante ver como sua organização se assemelha à das mandalas.

Graciela García Muñoz, diretora de criação e doutora Cum Laude em arte para a integração social, sugeriu em sua tese de doutorado, Procesos creativos en artistas outsider (Processos criativos em artistas outsiders), que os principais ornamentos que Wölfli mostra em suas obras são o pássaro, a cobra e a face triangular.

Além disso, em suas obras prevalecem as formas dos sinos, as letras B, E, H, I, N, Z, suas iniciais e as séries 2, 4, 8, 16, 32. Quanto às figuras, destacam-se as cruzes, os triângulos, os círculos, os quadrados, as espirais e as ovais. Além disso, entre os temas predominantes, destacam-se a transformação e o renascimento.

Embora para o espectador o trabalho de Wöfli geralmente seja identificado como desenho, o próprio autor não os identifica dessa forma. Ele afirmava que eram obras sonoras e as assinou como compositor.

Outra obra de Adolf Wölfli

Na biografia de Adolf Wölfli, vemos que ele também escrevia. Costumava trabalhar em folhas que dobrava ao meio. Escreveu livros nos quais contava a história de Doufi – seu alter ego infantil – e contava as aventuras de um menino ao redor do mundo. Esses textos possuem mapas que servem para contextualizar a aventura.

Escreveu sete livros dedicados à origem da criação de quem ele chamou de gigante Santo Adolf. Esses livros estavam em sintonia com a história de Doufi e mostravam a fundação de edifícios criados pelo personagem.  Os outros livros falam das viagens do jovem e de seus amigos pelo cosmos sob a direção do Deus Pai.

Além disso, escreveu livros repletos de música e rimas onde praticava a colagem. Sua obra final foi a que mais contribuiu para o seu processo criativo, embora tenha ficado inacabada com a morte do artista.

Wölfli teve um valor musical em suas obras e incorporava composições a elas. Alguns músicos foram inspirados por essas partituras específicas e puderam comprovar os conhecimentos do artista sobre teoria musical.

Quanto à relação de sua obra com a sua saúde mental, dizem que o processo criativo foi o que apaziguou sua agressividade. Frequentemente, afirma-se que sua grande produtividade artística se deve à sua compulsão. Uma evidência da sua psicose podem ser as ideias messiânicas que podemos ver em suas criações. Além disso, cada um de seus traumas de infância estão refletidos em suas obras.

Suas criações mostram angústia e preocupação e, ao mesmo tempo, nos levam a querer mergulhar um pouco mais no particular mundo de Adolf Wölfli. Possivelmente, a estrutura simétrica e a geometria semelhantes às mandalas, assim como o resto de seu processo criativo, eram uma forma de trazer ordem ao caos de seu mundo interno, uma forma de conter suas angústias.

Seu legado pode ser resumido em um total de 25 000 páginas escritas e desenhadas sob seu selo. A arte cumpriu uma função terapêutica em sua vida; sua obra nos mostra a evolução do artista acompanhada por sua doença.  Caos, impulsos, horror vacui, batalhas, agressões, drama, decimais infinitos, música, angústia, vida em espiral, transformação, um universo sagrado, microuniversos e um forte impulso de ordem são as características da obra de Wölfli, um artista que, ainda hoje, continua a nos perturbar com suas obras.

Pode interessar a você...
O efeito da arte no nosso cérebro
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
O efeito da arte no nosso cérebro

O efeito da arte no nosso cérebro é semelhante ao que acontece quando olhamos para a pessoa amada: o fluxo sanguíneo para o cérebro aumenta em até ...



  • García Muñoz, G. (2010). Procesos creativos en artistas outsider. Tesis doctoral, Universidad Complutense de Madrid.