Biografia de Eugen Bleuler: um pioneiro no estudo da esquizofrenia

janeiro 15, 2020
Eugen Bleuler foi um psiquiatra de muita importância que cunhou o termo esquizofrenia. Graças a ele, foi possível avançar um pouco mais nos estudos desta doença. Quais foram as suas contribuições?

Eugen Bleuler nasceu em 1857 em Zurique, e como podemos ver na sua biografia, fez inúmeras contribuições relevantes para o campo da psicologia ao longo da sua trajetória profissional. Por esta razão, e por outras que veremos a seguir, consideramos que é importante saber mais sobre a vida desse psiquiatra e algumas de suas obras e pesquisas de maior destaque.

Antes de começar esta biografia, não podemos deixar de mencionar a importante influência que Freud teve em Eugen Bleuler. Toda a obra do pai da psicanálise o cativou até o ponto de se transformar na sua maior referência. Veremos, mais adiante, como esta influência repercutiu em seus estudos.

Rosto de Freud

O início da biografia de Eugen Bleuler

Conforme indica o artigo Paul Eugen Bleuler e a origem do termo esquizofrenia, este psiquiatra iniciou seus estudos em Medicina em sua cidade natal, Zurique. Depois de trabalhar como médico psiquiatra, se mudou para Paris, Londres e, posteriormente, Munique, com o objetivo de continuar as pesquisas que havia começado nesse campo.

Em Munique, trabalhou em um laboratório até que, em 1885, se tornou médico assistente em Burghölzli.  No ano seguinte, foi nomeado diretor do Hospital Psiquiátrico Rheinau com apenas 29 anos.

Após este excelente início da sua trajetória profissional, foi nomeado professor titular de Psiquiatria da Universidade de Zurique exatamente 12 anos depois.

A histeria de Sigmund Freud

Um dos aspectos que mais interessou Eugen Bleuler sobre os estudos realizados por Freud foram seus artigos relacionados à histeria. Por alguma razão, Bleuler tinha um interesse especial pela hipnose e a introspecção, o que fez com que mergulhasse em todos os conhecimentos e avanços que Freud havia alcançado.

No entanto, apesar da fixação que pode parecer que Eugen Bleuler tinha com Freud, ele sempre foi muito cauteloso. Como bem indica o artigo que já mencionamos, ele não concordava com alguns dos conceitos estabelecidos por Freud, como, por exemplo, a libido.

“A transposição cumprida da libido de objeto em libido narcisista leva a uma resignação das metas sexuais, uma dessexualização e, portanto, um tipo de sublimação”.
-Sigmund Freud-

Por isso, apesar de ter sido uma grande referência para ele e de ter utilizado os conceitos da psicanálise para poder chegar a algumas de suas grandes descobertas, é imprescindível dizer que, embora estivesse de acordo com Freud, também divergia em muitos aspectos.

O nascimento do termo esquizofrenia

Segundo o artigo publicado pela Revista Americana de Psiquiatria, Paul Eugen Bleuler e o nascimento da esquizofrenia (1908), vemos que Eugen Bleuler cunhou o termo esquizofrenia pela primeira vez em abril de 1908.

Além de ter usado alguns dos conceitos de Sigmund Freud, também utilizou o conceito de demência e suas formas que havia sido definido por Kraepelin. No entanto, Eugen Bleuler se deu conta de que este termo fazia referência a um sintoma da esquizofrenia.

Dados seus estudos profundos sobre o tema, chegou à conclusão de que as pessoas afetadas pela doença sofriam uma divisão em seu processo de pensamento. Por isso, apoiando-se na língua grega, o nome esquizofrenia nasceu de «esquizo» (divisão) e «frenia» (mente).

Subtipos da esquizofrenia

Uma vez cunhado o termo, Eugen Bleuler não parou de pesquisar esta doença. Apoiando-se nas pesquisas que Kraepelin havia realizado sobre a demência, chegou à conclusão de que havia subtipos diferentes de esquizofrenia.

Os três subtipos eram: paranoide, catatônica e emocional ou hebefrênica. Todos eles já haviam sido analisados por Kraepelin, mas Eugen Bleuler não seguiu todas as suas teorias.

A demência que Kraepelin definia não contemplava o fato de que nem sempre ocorria uma deterioração progressiva, nem aparecia de forma precoce, e muito menos que os subtipos eram excludentes.

Por tudo isso, Eugen Bleuler fez suas próprias pesquisas para definir um novo conceito, mais de acordo com a realidade que ele mesmo pôde analisar. Assim, atualmente, o utilizamos tendo claro o que significa graças a todo o trabalho realizado por este psiquiatra.

Jovem com esquizofrenia

A esterilização eugênica

Antes de terminar, é importante destacar o conceito de esterilização eugênica. Trata-se de uma prática que consistia em esterilizar as pessoas que sofriam de esquizofrenia com o objetivo de evitar que a doença pudesse ser herdada pelos seus filhos.

Atualmente, sabemos que a esquizofrenia não é uma doença que pode ser considerada hereditária, pois o fato de que alguém da família já a tenha desenvolvido não significa que outros membros irão sofrer com ela. No entanto, na época de Eugen Bleuler havia poucos estudos sobre a esquizofrenia, e o conhecimento sobre o tema estava dando seus primeiros passos.

Apesar disso, Eugen Bleuler permitiu investigar uma doença que, atualmente, afeta mais de 21 milhões de pessoas, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Mesmo considerando que, na época, havia muitos aspectos a descobrir, este psiquiatra conseguiu avanços importantes que sempre serão lembrados.

  • del Río Diéguez, M. (2006). Creación artística y enfermedad mental. Universidad Complutense de Madrid, Facultad de Bellas Artes.
  • Garrabé, Jean. (2009). La psiquiatría de la persona. Salud mental32(5), 359-363. Recuperado en 21 de octubre de 2019, de http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0185-33252009000500001&lng=es&tlng=es.