Biografia de John Forbes Nash, um matemático com uma mente prodigiosa

dezembro 26, 2019
John Forbes Nash foi um dos matemáticos mais brilhantes do nosso tempo, alguém que até hoje nos surpreende pelo seu excelente desempenho acadêmico e por ter convivido com uma esquizofrenia paranoide.

Hoje vamos expor uma breve biografia de John Forbes Nash, um dos matemáticos mais brilhantes do nosso século. Ele ganhou o Prêmio Nobel de Economia por sua teoria dos jogos e processos de negociação.

No entanto, se há um aspecto pelo qual ele é lembrado, é pela sua mente prodigiosa (e maravilhosa), capaz de lidar com a esquizofrenia paranoide ao gerenciar os pensamentos irracionais.

A jornalista e professora da Universidade de Columbia Sylvia Nasar foi quem escreveu um livro sobre a vida de Nash, que mais tarde foi levado para as telas do cinema no filme ‘Uma Mente Brilhante’.

Este trabalho descreve, acima de tudo, a época mais criativa desse gênio matemático que costumava vagar pelos corredores da Universidade de Princeton.

Fatos surpreendentes da biografia de John Forbes Nash

John Forbes Nash quando jovem

Ele foi diagnosticado com esquizofrenia por volta dos 30 anos, mas esta também foi a época em que as suas faculdades e habilidades matemáticas estavam mais despertas do que nunca.

Como o próprio Nash explicou mais tarde, ele deu a mesma veracidade aos seres sobrenaturais que a sua mente criava e às suas ideias matemáticas. Os dois mundos se sobrepunham de maneira difusa, mas por sua vez, lhe proporcionavam uma incrível harmonia criativa e teórica.

As contribuições daquela época foram imensas. Por exemplo, as suas equações não lineares em derivadas parciais tiveram um impacto decisivo em campos tão variados como a ciência, matemática, finanças, biologia de sistemas, ciências políticas, psicologia e, é claro, a economia.

Assim, a sua teoria dos jogos, por exemplo, nos fornece uma ferramenta muito valiosa para tentar prever como os diferentes fenômenos evoluirão. Além disso, não podemos ignorar que essa abordagem teórica tem um propósito nobre, pois a ideia de Nash era obter uma fórmula para criar economias e políticas mais justas.

“Mesmo quando eu estava mentalmente perturbado, tinha um imenso interesse pelos números. No entanto, foi por volta dos anos 80 que decidi que a apreciação científica dos números deveria ter mais relevância do que as minhas ideias paranoicas”.
– John Nash –

Os primeiros anos de John Forbes Nash: intuição e talento matemático

John Forbes Nash nasceu em junho de 1928 na Virginia. Como já podemos adivinhar, esse gênio da matemática foi uma criança com grandes habilidades.

Ele aprendeu a ler muito cedo e, como boa parte dos alunos superdotados, apresentou os problemas clássicos de adaptação a uma escola comum. Além disso, ele não prestava atenção nas aulas, ficava muito inquieto, tinha problemas com as suas habilidades sociais e tirava notas baixas.

Agora, a sua intuição em matemática e tudo o que tinha a ver com ciência era algo prodigioso. Na verdade, ele ainda não era adolescente quando já estava estudando o teorema clássico de Fermat por conta própria.

Ele ingressou, antes do esperado para a sua idade, no Instituto de Tecnologia Carnegie, em Pittsburgh. Mais tarde, ele quis se especializar em química e engenharia, mas fracassou. A sua área, evidentemente, era a matemática.

Em 1948, as portas do que seria o seu verdadeiro destino foram abertas: a Universidade de Princeton, a meca da matemática. Esse era o lar de outras mentes prodigiosas, como Albert Einstein e Von Neumann. Este último foi a verdadeira referência de John Forbes Nash, que introduziu a teoria dos jogos nas ciências matemáticas.

“Acredito que não teria boas ideias científicas se tivesse pensado formalmente como os outros”.
– John Forbes Nash –

A longa sombra do gênio criativo: sucesso acadêmico e doença

John Forbes Nash no dia do seu casamento

A sua carreira acadêmica foi meteórica. Nash tinha um dom. Havia nele algo fora do comum, a sua maneira de inovar em fórmulas e teoremas matemáticos, a sua técnica requintada para chegar a uma solução rápida e fácil era incrível…

Os seus professores, colegas e estudantes ficavam admirados com essa mente brilhante. No entanto, eles também estavam cientes do seu comportamento excêntrico.

Ele terminou o doutorado com 21 anos, graças a uma tese de cerca de 27 páginas sobre jogos não cooperativos, recebendo o reconhecimento de toda a comunidade acadêmica. Mais tarde, ele começou a trabalhar para a Força Aérea dos Estados Unidos na área de pesquisas estratégicas.

Em 1957, John Forbes Nash se casou com uma ex-aluna, Alicia Lardé López-Harrison. Esta jovem seria o seu melhor apoio ao longo de sua vida.

Foi precisamente um ano após o casamento que tudo começou a explodir. Nash começou a manifestar comportamentos paranoicos. Ele estava convencido de que os cripto-comunistas o perseguiam e de que todas as pessoas que usavam uma gravata vermelha o espionavam e conspiravam contra ele. Ele enviou cartas às embaixadas de Washington, alertando e informando sobre tramas políticas complexas…

Uma mente que aprendeu a controlar o seu transtorno

Após ser internado no hospital McLean, ele foi diagnosticado com esquizofrenia paranoide. A sua vida resultou em uma jornada inteira de entradas, permanências de quase um ano em hospitais psiquiátricos, tratamentos antipsicóticos e terapias de choque com insulina.

Enquanto lutava nesse universo clínico, entre recaídas e delírios, o seu trabalho acadêmico recebia maior admiração e respeito da comunidade acadêmica.

Nos anos 70, John Forbes Nash tomou uma decisão: não deixaria que os seus pensamentos irracionais e ideias paranoicas controlassem a sua vida. Ele decidiu erguer um muro, conter esse universo sobrenatural e melhorar os seus hábitos de vida.

Graças ao apoio de sua esposa Alicia, ele conseguiu cuidar de sua dieta, viver um dia a dia mais tranquilo e, assim, reduzir essas vozes internas.

No entanto, o seu comportamento permanecia irregular e desconcertante em alguns momentos. Na Universidade, se acostumaram com essas alterações e, por isso, Nash conseguiu continuar o seu trabalho, tendo um controle mais adequado de sua doença, sem recorrer aos medicamentos.

O Prêmio Nobel, reconhecimento e um final inesperado

Biografia de John Forbes Nash

Em 1994, John Forbes Nash recebeu o Prêmio Nobel de Economia. O seu mérito foi adicionar o conceito de equilíbrio na teoria dos jogos. Por isso, deu a toda ciência e disciplina uma maneira mais confiável de prever o comportamento das pessoas.

As aplicações do seu trabalho podem ser incluídas em praticamente qualquer área. No entanto, o mundo da economia, e especificamente a microeconomia, tem nessa teoria a sua melhor base.

Após o Nobel, a jornalista do New York Times Sylvia Nasar chegou à vida de Nash e sua esposa Alicia. Ela queria contar a sua história, queria mostrar ao mundo como ele enfrentava a sua esquizofrenia e como desenvolveu a sua teoria do equilíbrio. Após a publicação do romance, foi rodado o filme ‘Uma Mente Brilhante’, vencedor de vários Oscars.

De repente, todo mundo conhecia John Forbes Nash. Aquele professor que seguia pelos corredores de Princeton de maneira discreta, excêntrica e sempre concentrada. Agora, a sua mente já não tinha o mesmo brilho de antes. Com o retorno à racionalidade e ao controle de sua doença, a sua intuição matemática não era mais a mesma.

Infelizmente, Nash e Alicia morreram juntos em 23 de maio de 2015, em Oslo, em um acidente de trânsito, depois de receber das mãos do rei Harald V um prêmio pelo seu trabalho. Ele tinha 86 anos de idade.

  • Del Carmen Orfila, D. (2007). Teoría de los Juegos–Los Aportes de John Forbes Nash (h). Contribuciones a la Economía, (2007-09).
  • García, H. M. (2016). John Forbes Nash, Jr.(1928–2015). Economía Informa397, 139-145.
  • Nasar, Sylvia, Una mente prodigiosa, Penguin Random House Grupo Editorial España