Terapias de choque: benefícios e riscos

· fevereiro 2, 2018

O rótulo das terapias de choque abrange diversas terapias que são muito diferentes entre si. O que elas têm em comum, como o nome anuncia, é que elas produzem um forte impacto. Nós estamos falando de um estímulo que deve ser capaz de induzir uma mudança na pessoa que foi exposta a ele.

Aparentemente, foram os gregos antigos que experimentaram pela primeira vez as terapias de choque. Sabe-se que eles aplicaram algo desse estilo no caso daqueles que apresentavam um alto grau de agitação. Há referências de que a ansiedade era tratada induzindo a asfixia. Daí o princípio questionável de que uma forte experiência emocional possa apagar outro problema anterior.

“O medo afia os sentidos. A ansiedade os paralisa.”
-Kurk Goldstein-

As terapias de choque provêm da psiquiatria. Primeiro foram as terapias de choque de insulina e com cardiazol. Aparentemente, a administração de uma superdosagem dessas substâncias causava melhorias nos sintomas de pacientes mentais. Mais tarde foram introduzidos choques elétricos, um tipo de tratamento altamente controverso que ainda é usado hoje em dia.

Ao longo do tempo, apareceram diferentes técnicas que foram chamadas de terapias de choque. Elas envolvem tudo, desde caminhar em brasas ardentes até o anúncio público de falhas individuais. Em todos os casos, o princípio é o mesmo. Ou seja, expor o paciente a uma experiência emocional muito intensa para causar mudanças em seu comportamento.

Algumas histórias sobre as terapias de choque

Não é fácil avaliar a relevância e a eficácia das terapias de choque. É claro que quando uma pessoa é submetida a uma experiência que faz fronteira com o traumático, obviamente tem que mudar. A questão é se essa alteração realmente resolve o problema que você deseja corrigir, ou se, no caso de fazê-lo, a mudança será duradoura.

Mulher confusa

Existem vários aspectos controversos na história das terapias de choque. Elas começaram a ser formalmente utilizadas para tratar doenças mentais no século 16. Os dados que sustentam sua eficácia não são muito confiáveis, uma vez que esta informação nunca foi sistematizada ou tratada de forma estritamente científica.

Mais tarde, Ugo Cerletti, um neurologista italiano, fez uma observação curiosa. Ele detectou que os porcos estavam sendo alimentados com eletricidade para torná-los mais dóceis antes de serem levados para o matadouro. Lá ele teve a ideia de que uma prática semelhante poderia ser aplicada aos seres humanos. Foi assim que os choques elétricos nasceram.

Benefícios e riscos das terapias de choque

As terapias de choque clássicas continuam a existir e também continuam a causar controvérsias. Para muitos, o que elas fazem é induzir danos cerebrais. Com isso, alguns estados de agitação psicótica desaparecem. No entanto, na maioria das vezes, se não em todas, o preço é muito alto.

Existem casos documentados em que essas terapias de choque causaram lesões permanentes ou paradas cardiorrespiratórias. Em outras palavras, elas podem levar à morte. Há também referências de pessoas que foram deixadas em estado vegetativo após esses procedimentos.

As terapias de choque ainda são usadas ​​principalmente para casos de depressão profunda. Há um bom número de pessoas no mundo que afirmam ter se beneficiado desses procedimentos. É possível que seja assim. Também é provável que um paciente assuma esses tratamentos como uma punição severa e, portanto, iniba certos comportamentos que os médicos não querem que ele apresente. Em qualquer caso, a polêmica está servida.

Terapia de choque

Terapias de choque e psicologia

Agora, há uma forma das terapias de choque que são muito mais inofensivas. Os psicólogos as usam principalmente para tratar fobias. O que está envolvido neste caso é expor o paciente, diretamente, aos seus próprios medos. Ele é pressionado a fazê-lo, mas ao mesmo tempo está acompanhado do médico.

Aqueles que foram tratados com este tipo de terapia relatam que precisaram enfrentar uma verdadeira agonia antes de se expor ao medo que os atormenta. No entanto, quando eles conseguem e não escapam, ocorre o contrário. Eles ficam cheios de bem-estar e autoconfiança. Em geral, se falamos de terapia de choque – também existe a exposição progressiva – é necessário fazê-la uma única vez para que a fobia desapareça.

Mulher fazendo terapia

Na psicologia não há nada que possa ser considerado como verdade absoluta. Cada pessoa é um mundo. O que é benéfico para alguém pode ser desastroso para outra pessoa. Portanto, nem terapias de choque nem outros tratamentos devem ser decididos sem uma avaliação minuciosa do caso que está sendo tratado.