Sandor Radó, especialista em vícios

20 Janeiro, 2021
Depois de ser uma das figuras mais importantes do movimento psicanalítico, Sandor Radó começou a desenvolver sua própria teoria, centrada no ego e nos processos biológicos do indivíduo, e não nos processos inconscientes.

Na biografia de Sandor Radó, ele é lembrado como um dos pioneiros da psicanálise, mas também como um dos seus reformadores. Ele sempre foi caracterizado como um excelente debatedor. Era intelectualmente brilhante e isso, junto com a sua capacidade de argumentar, lhe rendeu grande notoriedade dentro e fora do movimento psicanalítico.

Outros aspectos não tão notáveis ​​da sua personalidade também se tornaram bem conhecidos. Ele era um amante da boa comida e um sedutor irremediável, apaixonado e ávido por conquistar as mulheres que cruzavam o seu caminho. Junto com suas teses exageradas sobre o falocentrismo, esses aspectos fizeram dele um misógino. Talvez seja algo exagerado, mas em última análise, o feminismo não era bem a sua praia.

Sandor Radó agora carrega nas costas, além dos seus 75 anos, um oceano infinito de tristezas no coração; de tristeza e decepção… ”.
-Pastor Petit-

Por tudo isso, Sandor Radó teve uma longa e intensa polêmica com a psicanalista Karen Horney. E, embora a princípio fosse um dos seguidores mais fanáticos de Freud, tomou um novo caminho muito distante da psicanálise clássica.

A biografia de Sandor Radó, um aluno notável

Sandor Radó nasceu na Hungria em 1890. No início, ele se inclinou a estudar direito e, em 1911, se formou em ciências políticas. Mais tarde, contra a vontade do pai, decidiu estudar medicina. Esta foi a sua grande paixão, pois desde muito jovem foi um grande adepto das ciências naturais. Ele obteve seu doutorado em 1915.

A essa altura, ele já havia entrado em contato com a doutrina psicanalítica. Aos 19 anos, se deparou com um texto de Sandor Ferenczi que o deslumbrou. Desde então, ele se interessou pelas ideias de Sigmund Freud. Na verdade, ele foi pessoalmente a Viena para ouvir uma palestra do pai da psicanálise e ficou fascinado. Desde então, uma amizade se estabeleceu entre ele e Freud, que durou mais de 15 anos.

Na Hungria, fundou a Sociedade Húngara de Psicanálise com Ferenczi. Em seguida, foi analisado por Erzsebet Revesz, que por sua vez havia sido psicanalisado por Freud. Na época, Sandor Radó já era casado, mas no decorrer do processo se apaixonou pela sua analista. Ele se divorciou da sua primeira esposa e se casou com a amante.

Sandor Radó, um aluno notável

O movimento psicanalítico

Em 1922, Sandor Radó se mudou para Berlim e lá fez uma segunda psicanálise, desta vez com Karl Abraham. Ele logo foi convidado a ingressar no Instituto Psicanalítico de Berlim. Em 1924, foi convidado pelo próprio Sigmund Freud para ser o editor da Revista Internacional de Psicanálise, International Zeitschrift Fûr Psicoloanalyse. Três anos depois, ele também foi editor da famosa revista Imago.

Durante sua estada em Berlim, ele também se tornou o formador de novos psicanalistas. Figuras importantes como Wilhelm Reich, Otto Fenichel e Heinz Hartmann fizeram psicanálise didática com ele. Naquela época, ele vivia uma situação familiar muito complexa. Sua esposa, que estava grávida de 6 meses, contraiu uma anemia perniciosa. Ela decidiu fazer uma cesariana e isso a levou à morte em dois dias. O bebê morreu uma semana depois.

Depois desse difícil acontecimento, Sandor Radó teve uma relação tempestuosa e fugaz com a psicanalista Helene Deutsch. Então, ele se apaixonou e se casou com uma de suas pacientes, chamada Emmy. Por isso, Radó é apontado como um dos casos mais singulares de transgressão da psicanálise, já que se casou com a própria analista e com uma paciente.

Um caminho divergente na biografia de Sandor Radó

Em 1931, Sandor Radó se estabeleceu nos Estados Unidos. Foi convidado por Abraham Arden Brill para que os dois criassem o Instituto da Sociedade Psicanalítica de Nova York, à imagem e semelhança do instituto que funcionava em Berlim. Quando os nazistas chegaram ao poder, Radó foi um dos mais cooperativos, ajudando seus colegas a emigrarem para o novo continente.

Um caminho divergente

Nessa fase, ele começou a se distanciar da psicanálise clássica. Ele era a favor de uma integração muito estreita entre medicina e psicanálise. Ele começou a dar muito mais importância aos fenômenos biológicos do que às experiências do inconsciente. Estava inclinado a estudar vícios, e logo se tornou uma das grandes autoridades nessas questões.

Ele acabou adotando princípios comportamentais, com a reeducação emocional como centro de tratamento. Em 1942 criou a Associação de Medicina Psicanalítica. Mais tarde, fundou a Escola de Psiquiatria de Nova York, instituição que praticamente nada tinha a ver com a psicanálise. Radó morreu em 1972, após ter se tornado um dos psiquiatras mais famosos dos Estados Unidos.

Alexander, F. (1968). Sandor Rado, la teoría adaptativa. Historia del psicoanálisis.