A biografia de Torcuato Luca de Tena e as linhas tortas de Deus

11 Setembro, 2020
'Los renglones torcidos de Dios' (As linhas tortas de Deus, em tradução livre) é uma leitura quase obrigatória para todo psicólogo, psiquiatra ou médico. Nele, Torcuato Luca de Tena investiga os cantos mais sombrios (e também humanos) das enfermidades mentais.
 

Jornalista, escritor, diretor do jornal ABC, acadêmico da RAE (Real Academia Española); a biografia de  Torcuato Luca de Tena mostra que ele foi uma das figuras de maior destaque da elite social e intelectual espanhola do século XX. Sua consagração na literatura aconteceu nos anos 60 com o Prêmio Planeta, mas sua obra mais especial seria vendida apenas alguns anos depois: Los renglones torcidos de Dios (1979), livro praticamente obrigatório para todo psicólogo.

Há quem diga que falar sobre o marquês Luca de Tena é o mesmo que se referir a uma época muito específica da história espanhola. Como correspondente de guerra, herdeiro de uma revista e de um jornal, ele foi reflexo de um período complexo e cheio de mudanças. Entretanto, além do seu lado político, das suas relações ou suas ideias conservadoras, um momento muito pontual de sua vida chama a atenção.

Foi em 1973, quando depois de ser expulso de seu jornal pelos acionistas, ele decidiu deixar tudo para trás e ir para o México. Abandonou seu país e todos os vínculos sociais e políticos que o prendiam na Espanha, escolhendo realizar um desejo e meta muito clara: voltar-se apenas para a literatura.

Assim, entre 1973 e 1999, Torcuato Luca de Tena escreveu dez romances, três comédias e um livro de poemas. No entanto, um de seus projetos mais especiais seria experimentar na própria pele os mundos que, naquela época, existiam dentro de hospitais psiquiátricos.

A partir dessa experiência e do que aprendeu com ela, escreveu um de seus livros mais singulares para o mundo da psicologia: Los renglones torcidos de Dios.

 

“As personalidades especialmente requintadas são mais vulneráveis ​​do que as mais rudes; assim como uma xícara é mais frágil quanto maior for a qualidade da porcelana.”
-Los renglones torcidos de Dios-

Torcuato Luca de Tena quando jovem

Biografia de Torcuato Luca de Tena: empresário, jornalista político e escritor

Filho de uma família de longa tradição jornalística, Torcuato Luca de Tena y Brunet nasceu em 9 de junho de 1923 em Madri. Seu avô, Juan Ignacio Luca de Tena, havia fundado a célebre revista Blanco y Negro, em 1891, e mais tarde faria o mesmo com o jornal ABC (1903) e o grupo editorial Prensa Española (1909).

Devido ao trabalho de seu pai, diplomata de profissão, a família passou vários anos vivendo no Chile. Foi lá que o jovem Luca de Tena estudou Direito, embora nunca tenha exercido esta profissão. Aos 14 anos, já havia fundado seu próprio jornal escolar, e aos 18 teve seu primeiro livro de poemas publicado. Sua paixão eram as Letras, não as leis. Por isso, ao voltar para a Espanha iniciou sua carreira em jornalismo.

Com a chegada da Segunda Guerra Mundial, trabalhou como correspondente de imprensa em Londres. Mais tarde, após a guerra, cobriu distintos eventos em Washington, no Antigo Oriente Próximo e no México. Em seguida, e como era esperado dele, começou a comandar o jornal ABC enquanto seus primeiros envolvimentos com a política aconteciam.

 
A biografia de Torcuato Luca de Tena

Os reconhecimentos literários presentes na biografia de Torcuato Luca de Tena

A partir de 1973, Torcuato Luca de Tena trabalhou como membro da Real Academia Española. Seus sucessos literários começaram a tecer sua história como literato de renome, quando também fez brilhantes obras no gênero infantil e juvenil, como La brújula loca, Pepa NieblaEl fabricante de sueños.

Ganhou o prêmio Planeta em 1961 pelo livro La mujer del otro, assim como outros reconhecimentos como o Prêmio Fastenrath da Real Academia Española em 1970, e o Prêmio da Sociedade Cervantina de Romance. A biografia de Torcuato Luca de Tena chega ao fim com o seu falecimento em Madri, aos 75 anos de idade, no dia 1° de junho de 1999.

Los renglones torcidos de Dios: um romance sobre a antipsiquiatria

Torcuato Luca de Tena presenteou o campo da psicologia com um romance quase imprescindível. Porém, é importante dizer que esta não é uma obra fácil de ler. No entanto, a qualidade literária, somada ao fiel retrato que descreve o submundo contido nos hospitais psiquiátricos da época, fazem desta obra uma referência absoluta para todo leitor curioso, bem como para todo amante deste gênero.

 

É importante dizer que a obra tem o prólogo escrito pelo psiquiatra Juan Antonio Vallejo-Nágera. Além disso, o livro é dedicado a médicos, enfermeiros, cuidadores, técnicos de segurança e demais profissionais que atendem as pessoas mentalmente enfermas destes centros.

“Este palácio foi reservado para a mais alta aristocracia da loucura, o sangue azul dos perturbados, as grandes linhagens das demências”.
-Los renglones torcidos de Dios-

Argumento

Los renglones torcidos de Dios conta a história de uma mulher, Alice Gould. Ela é uma jovem que afirma ser detetive e que, longe de sofrer algum transtorno psicológico, interna-se no hospital psiquiátrico voluntariamente. Seu objetivo é investigar um assassinato, um crime cujo autor se encontra entre os residentes do hospital.

Pouco a pouco, a protagonista vai estabelecendo relações com toda a complexa “fauna” humana que vive no centro psiquiátrico. Ela vai se aprofundando em suas condições médicas, em seus transtornos e na complexa e obscura anatomia que estas instituições possuem. A trama, como vemos, nos conduz ao enigma de tentar descobrir se Alice está dizendo a verdade ou se ela mesma é uma paciente do hospital.

As linhas tortas da natureza humana

Torcuato Luca de Tena viveu durante 18 dias em um hospital psiquiátrico no México com o objetivo de contextualizar melhor a sua história. Era o Hospital Nuestra Señora de la Fuentecilla, onde viviam cerca de 800 pacientes. Ele quis usar a metáfora de tortas ou “erros de ortografia” para se referir ao enfermo mental, à pessoa que, por sua condição, parece, à primeira vista, um “erro” cometido por Deus no momento da criação.

 

Dizemos “parece” porque Luca de Tena escreveu este livro com um objetivo muito concreto: dar dignidade aos enfermos. A intenção era fazer o mundo ver que a doença mental não é um erro ortográfico, mas sim uma parte complexa da nossa sociedade que merece mais atenção, melhores tratamentos, mais respeito e, acima de tudo, ser vista com um olhar mais justo.

Sala de hospital psiquiátrico

Los renglones torcidos de Dios é um livro que segue o enfoque da antipsiquiatria. Graças ao olhar de Alice Gould, podemos ter uma maior proximidade com pessoas cujo senso de humanidade foi arrancado pela instituição e que foram transformadas em seres aprisionados e hipermedicados.

Um raio-x requintado da doença mental

Torcuato Luca de Tena faz uso de uma linguagem muito polida na qual não faltam momentos de humor. Isso lhe permite delinear cada personagem perfeitamente, permitindo que eles oscilem entre a loucura e a lucidez, a fragilidade e a grandeza, o humano e o trágico.

No livro, conhecemos personagens tão sublimes quanto La mujer cíclope, os gêmeos Rômulo e Remo, Charito López ou Ignacio Urquieta. Todos eles representam um perfil psicológico, uma enfermidade mental. Entretanto, cabe dizer que é o retrato de uma época, mais especificamente do final dos anos 70, quando ainda era possível encontrar termos obsoletos (e pejorativos) como a oligofrenia.

 

Não importa que já tenham se passado quase quarenta anos desde a sua publicação. Este livro intenso e original delimita a fronteira entre a nossa sociedade e as sombras do universo dos transtornos psicológicos. É sempre um bom momento para conhecer boas obras, especialmente aquelas que oferecem uma mensagem sobre a qual devemos refletir.

  • Luca de Tena, Torcuato (2005) Los reglones torcidos de Dios. Austral