Biografia de Walt Whitman: o poeta do entusiasmo pela vida

janeiro 31, 2020
Walt Whitman sofreu censura e críticas duras pelo seu livro "Folhas de Relva". A sexualidade aberta que ele mostrou naqueles versos não foi bem aceita na época.

Conheça a biografia de Walt Whitman, um dos escritores norte-americanos mais influentes, também conhecido como o pai do verso livre.

Ensaísta, jornalista, enfermeiro, os seus poemas transmitiam paixão, euforia e alegria, falavam sobre o amor, a sexualidade, a natureza e o entusiasmo pela vida. Ele era, acima de tudo, um humanista, alguém que acreditava na liberdade e que inspirou várias gerações com o seu legado.

Conhecido por poemas como Folhas de Relva (Leaves of Grass), Whitman foi um exemplo claro daquelas pessoas capazes de enfrentar a adversidade para alcançar os seus sonhos. Além disso, ele deu apoio espiritual aos soldados durante a Guerra Civil e, pouco depois, sofreu um ataque e ficou com uma deficiência.

Nada disso afetou o seu caráter e o seu esforço para dar forma a uma obra que sempre foi duramente criticada. Ele admirava Keats, Shakespeare e Emerson, mas, no entanto, tentou encontrar novas formas expressivas.

Também trabalhou por muitos anos como um jornalista comprometido com a abolição da pena de morte, o fim da escravidão e a igualdade entre as pessoas.

Ele era um homem corajoso e moderno. Alguém que exaltava o verso livre, um estilo às vezes selvagem e sem rigor, o que, sem dúvida, estava de acordo com a sua personalidade.

Assim, e apesar de suas ideias colidirem com a sociedade puritana que o cercava e ainda estava ligada às convenções sociais mais estritas, ele foi capaz de nos dar uma obra única e excepcional que marcou a história da literatura.

“Eu celebro e canto,
E o que eu assumo, você também deve assumir,
Porque cada átomo do meu corpo que me pertence,
também pertence a você”.
-Canto para mim mesmo-

Walt Whitman jovem

Biografia de Walt Whitman, o jornalista que se tornou poeta

Walt Whitman nasceu em 1819 em West Hills, Nova York. Ele era o segundo filho de nove irmãos do casamento formado por Walter e Loisa Van Velsor. Uma família de quakers que enfrentou a dureza da escassez e problemas econômicos ao longo de suas vidas.

No entanto, no meio dessa escassez, o pequeno Whitman conseguiu se erguer como um autodidata habilidoso. Ele se familiarizou cedo com os clássicos, leu Dante, Shakespeare e Homero e rapidamente ficou cativado pela literatura e pela poesia.

Com 12 anos, começou a trabalhar em uma gráfica, um ambiente ideal que lhe permitiu ajudar a sua família e se formar mais tarde, como professor, aos 17 anos. Depois de terminar o seu curso e trabalhar por um tempo em várias escolas rurais de Long Island, Walt Whitman começou uma etapa decisiva em sua vida: o jornalismo.

Um poeta comprometido com os direitos sociais e a liberdade

Depois de deixar o emprego de professor, Whitman retornou a Nova York para fundar o seu próprio jornal: The Long Islander. Ele mesmo cumpria as tarefas de editor, jornalista e entregador.

Nessas publicações, já se via os traços que marcaram o seu estilo, como os whitmanismos (uso de palavras inventadas) que, mais tarde, apareceriam em todas as suas histórias, versos e cartas, como as que ele trocava com o seu parceiro, Peter Doyle.

Além disso, vale destacar uma das características mais importantes de Whitman: o seu compromisso social. Ele falava sobre a necessidade de abolir a escravidão, acabar com a pena de morte, melhorar os salários e os direitos sociais. Essa tiragem semanal foi notavelmente bem-sucedida, por isso não demorou muito para que ele editasse novos jornais, até fundar o mais conhecido de todos, o Brooklyn Freeman.

Esses ganhos lhe permitiram publicar, em 1855, a primeira edição de Leaves of Grass. Um conjunto de 12 poemas que mais tarde seriam elogiados por Ralph Waldo Emerson. No entanto, os críticos e os leitores só viram um estilo descuidado, apaixonado e até libertino por exaltar, entre outras questões, aspectos como a homossexualidade e a bissexualidade.

Por isso, a publicação do livro trouxe grandes problemas. Com a chegada da Guerra Civil, Walt Whitman se dedicou a cuidar dos feridos. Ele se formou como enfermeiro e continuou com esse trabalho depois que a guerra terminou. O Departamento do Interior agradeceu a sua dedicação, mas depois que descobriu que era o autor de Folhas de Relva, ele foi demitido.

Walt Whitman na velhice

Época de carência, época de criação

Walt Whitman lutou pela subsistência nos anos seguintes. Ele cuidou de seus irmãos e de sua mãe doente. Conseguia empregos temporários e recebia ajuda de escritores e amigos de outros estados e da Inglaterra. As suas últimas décadas foram complicadas, mas ele nunca perdeu o entusiasmo, a paixão por escrever e defender as suas ideias.

Ele continuou escrevendo e revisando muitos dos seus trabalhos e poemas. Em 1870, Whitman se estabeleceu em Camden, Nova Jersey, onde sofreu um derrame cerebral, ficando parcialmente paralisado. Isso também não venceu o seu bom humor, pois o seu livro Folhas de Relva continuou a ser publicado com a ajuda dos seus amigos em 1876, 1881 e 1889.

A sua última publicação foi Adeus minha fantasia em 1891. Morreu em 26 de março de 1892, por causa de uma pneumonia. Ele tinha 72 anos.

Walt Whitman: um estilo avançado para a sua época

“Eu canto para mim mesmo, / e o que eu aceito, você aceitará, / pois cada átomo meu também faz parte de você”.

Assim começa o poema Folhas de Relva. Walt Whitman, juntamente com Emily Dickinson, foi um dos poetas mais importantes dos Estados Unidos. No entanto, o seu trabalho foi completamente desprezado em sua época e muito pouco compreendido. Naqueles anos, era um escândalo um poeta não cuidar da rima, utilizar um estilo narrativo e um verso livre.

Além disso, o mais impressionante e censurado foi o fato de ele falar sobre sexo de maneira aberta, exaltando, por exemplo, a beleza de amar homens e mulheres igualmente. O mundo ainda não estava preparado para figuras como ele. Não era o momento para sintonizar com a sua humanidade e com essa expressão da natureza tão intensa, livre, alegre e cheia de vida.

Walt Whitman criou uma nova poesia para um novo povo e poucos o entenderam. Os seus versos refletiam, em palavras puras e transparentes, o que alguém sente ao amar, abraçar, estar ciente da companhia do outro, da grandeza de amar a nós mesmos, de criar realidades mais justas.

Garota no campo

Conclusão

Por tudo isso, ler as suas obras, retornar ao universo único de seus poemas, é lhe fazer uma homenagem. É celebrar com ele todas as mensagens que nos deixou em seus versos livres, é nos reencontrarmos com a sua arte como se ele estivesse falando conosco face a face, coração com coração.

“Se você não me encontrar no início, não desanime, / se você me perder em algum lugar, busque em outro, / vou parar em algum lugar para esperar por você”.

  • Loving, Jerome (1999) Walt Whitman: The Song of Himself. University of California Press
  • Reynolds, David S (1995) Walt Whitman’s America: A Cultural Biography. New York: Vintage Books