Boadiceia, a rainha rebelde

abril 28, 2019
Seu nome significa 'vitoriosa', e ela liderou a maior força que os romanos tiveram que enfrentar nas ilhas britânicas. Conheça a história de Boadiceia, uma rainha lutadora, corajosa e com personalidade.

Ano 61 depois de Cristo, ilhas britânicas, em algum ponto da atual Watling Street, a grande estrada construída pelo Império Romano para comunicar Gales com o resto da ilha. Boadiceia, uma mulher alta (para os padrões da época), com longos cabelos vermelhos e estrutura forte, ingere rapidamente um veneno mortal, talvez fornecido por suas filhas. É assim que Tácito conta o ponto final de uma das grandes tragédias antigas.

Esta mulher não é outra senão a lendária rainha guerreira dos icenos celtas, Boadiceia, Boudica em sua língua nativa. Lembrada por unir sob um mesmo comando as tribos rebeldes britânicas contra a invasão romana, ganhou o direito de entrar na lista dos grandes rivais de Roma, junto a Viriato, Aníbal, Arminio, Espartaco ou o líder gaulês já mencionado. Sua lenda é confundida com as histórias que seus inimigos nos deixaram.

Roma, um império em expansão

Após a famosa conquista da Gália realizada por Júlio César, a República Romana buscava novas terras e conquistas para empregar seus legionários e alcançar as ambições de seus generais. O lendário general planejou a invasão das Ilhas Britânicas, provavelmente interessado em dominar a terra da qual vieram os grandes druidas celtas. No entanto, o sinal de partida para a inevitável conquista veio da mão do imperador Calígula.

Shakespeare nos deixou sua obra Cymbeline, ambientada nessas primeiras batalhas. Mais tarde o também imperador Cláudio continuaria as campanhas. Nestes tempos, algumas tribos se uniram à proteção de Roma, enquanto alguns caudilhos, como Caradawc, fizeram revoltas mais ou menos vitoriosas. Nestes tempos, os conquistadores fundaram Londinium, atual Londres, nas margens do rio Tâmisa.

A guerrilha na floresta obteve vitórias contínuas, mas pouco relevantes: a sorte parecia estar lançada.

Escultura de Boadiceia em Londres

Boadiceia, rainha viúva

Um dos reis que se aliou com os latinos foi Prasugatos, do Iceni. Em troca da proteção e apoio do imperador Nero, este monarca prometeu deixar em herança seu título e terra após a morte de suas filhas. Não sabemos como chegou o fim dos seus dias, mas este foi o gatilho do conflito. O direito romano não reconhecia a herança feminina, portanto, para eles não havia herdeiros legítimos do rei.

Talvez o fim mais provável fosse que o Império cometesse seus abusos sem dificuldade, mas a história quis que a esposa de Prasugato não se curvasse. Neste momento, recebemos as primeiras notícias de Boadiceia, que como viúva reivindica seus direitos de acordo com a tradição de seu povo. A resistência da rainha é respondida pelos generais com açoites, abusos de suas filhas e morte de seus tenentes. Enquanto isso, os supostos aliados romanos capturam terras e atacam as tradições locais.

O pavio da rebelião estava aceso: Boudica não se esquivará do conflito, ceder não é uma opção.

A rebelião Boudicana

Seu nome, ou talvez o apelido pelo qual é conhecida, significa ‘a vitoriosa’, e montada em seu carro de guerra guiará seu povo, impulsionada pelas humilhações sofridas. Conseguindo que várias tribos e muitos outros guerreiros se unam a ela, liderará a maior força que os romanos enfrentarão nas ilhas. Certamente seus cabelos soltos e suas pinturas de guerra, montada em seu carro como na estátua que hoje está em Londres em sua memória, gerariam uma imagem aterrorizante em seus inimigos.

Com suas tropas, ela invadiu e pilhou Londinium e outras cidades no sul da ilha, muito romanizadas naquele momento. Os historiadores romanos asseguram que não deu margem a qualquer piedade, certamente como os soldados do Mediterrâneo. Derrotou sem hesitação a poderosa Legião Hispânica, em um marco difícil de ser imitado.

Suas vitórias aumentaram o número de seus seguidores, mas depois de quase um ano de guerrilha, o general romano Suetônio conseguiu reagir.

Escultura diante do Big Ben

O trágico fim de Boadiceia

Em um estreito vale pedregoso, com uma grande desigualdade de equipamento, disciplina e forças em relação aos romanos, ocorreu a grande batalha final. A incapacidade de romper a formação romana acabou com as esperanças dos celtas, que logo fugiram desordenados. Foi uma derrota absoluta, com cerca de cem mortes dos rebeldes para cada uma de Roma e seus aliados.

Diante do inevitável fim, Boadiceia preferiu a morte ao cativeiro mais uma vez, ciente do que aconteceria se a capturassem viva. Suetônio não poderia exibir a rainha derrotada, mas a Grã-Bretanha nunca mais teria um líder como ela. Uma vida de traição, humilhação e vingança chegava ao fim.

Muitas guerreiras lutaram com Boadiceia, e embora nunca tenham formado a maior parte dos exércitos celtas, elas também lutaram por sua vida, suas terras e sua liberdade.

  • Manuel Velasco (2005) Breve historia de los celtas
  • Tácito (cf. 115-117) Anales
  • Vanesa Collingridge (2006) Boudica: The Life and Legends of Britain’s Warrior Queen