Charles Taylor e a construção da identidade na modernidade

Charles Taylor descobriu que existem grandes diferenças entre o ser humano de hoje e o ser humano do passado. Hoje vivemos sob a influência de múltiplas culturas e, ao mesmo tempo, temos dificuldade de dar sentido à vida. Por quê?
Charles Taylor e a construção da identidade na modernidade

Escrito por Edith Sánchez

Última atualização: 21 janeiro, 2023

Charles Taylor é um filósofo canadense que trabalhou a questão da identidade no mundo moderno. Mais exatamente, concentrou-se em como a moralidade foi construída ao longo do último século, pois esse processo marca uma grande ruptura com tempos anteriores.

Na era atual, a questão da identidade ganhou uma relevância enorme, que não teve no passado. O “eu” tornou-se uma questão de primeira ordem desde o século XIX. Antes disso, prevalecia uma visão coletiva do mundo e da vida. O “eu” era mais um elemento naquela constelação do grupo, não uma categoria decisiva, como ocorre hoje.

A obra mais conhecida de Charles Taylor trata justamente desse tema. Chama-se As Fontes do Self: A Construção da Identidade Moderna e já é considerado um clássico. Muitos o classificam como “comunitarista” e outros como “liberal”. O mais aceito é que seria um “liberal comunitário”. Em termos de identidade e do “self”, é alguém que reconhece o peso do indivíduo e da comunidade na construção da realidade.

Acredito que a vida humana não pode ser compreendida sem uma história. Quando olho para a situação da espiritualidade e da religião, vejo que há muitas pessoas que estão procurando algo, seja uma concepção ateísta ou religiosa. Há também muitas pessoas que lamentam a erosão do cristianismo e resistem ao seu desaparecimento. O desafio é compreender ambos os lados, crentes e não crentes, e fazê-los viver juntos ”.

-Charles Taylor-

Grupo intercultural trabalha em equipe
Para Taylor, a identidade hoje é atravessada pelo multiculturalismo.

Charles Taylor e o multiculturalismo

Um dos aspectos fundamentais na filosofia de Charles Taylor é o conceito de multiculturalismo. Ele aponta que nas sociedades atuais a identidade é atravessada por esse fator e, para explicá-lo, toma como exemplo a sociedade americana, um verdadeiro caldeirão de culturas.

Taylor aponta que, embora existam várias identidades culturais coexistindo nos Estados Unidos e em nações afins, a verdade é que não há uma aproximação fundamental. Em outras palavras, não há “interculturalismo”. Embora existam certas regras de convivência entre as culturas e estas sejam normalmente respeitadas, não há compreensão das diferentes formas de pensar. Esse mal-entendido se manifesta posteriormente como conflito social e, sobretudo, como exclusão baseada em diferenças culturais.

Charles Taylor contrasta isso com o que vem acontecendo no Canadá. Neste país houve uma integração de culturas. Deve-se, segundo Taylor, ao fato de que a ênfase não é colocada nas normas e leis de convivência, mas no reconhecimento mútuo da diferença. Nesse sentido, fala-se de um multiculturalismo “denso”, ou seja, que reconhece o forte peso e a enorme profundidade das diferenças culturais, ao mesmo tempo em que renuncia ao exercício da hegemonia por parte de um grupo minoritário.

Identidade moderna

Charles Taylor fez uma análise profunda de como o eu moderno foi configurado, desde o século XVI. Ele tomou como referência o eu europeu e norte-americano. No entanto, suas conclusões podem ser estendidas a outras sociedades. Esse eu foi construído por meio de práticas culturais concretas, como arte, formas de família, religião, valores, etc.

Taylor pergunta: quais são as fontes morais por trás dessas práticas culturais? Para responder a isso, ele se refere à ideia de “bom”, particularmente no mundo moderno. Nessa hora surge uma nova sensibilidade, que é a autoafirmação. Da mesma forma, dos diferentes “carros” que daí emergem: autocontrole, autoconfiança, autonomia, etc.

O reverso do anterior é a ideia de não estar comprometido com o mundo, mas apenas consigo mesmo. Tecnologia, racionalidade científica e secularização marcam a identidade do eu moderno. Em outras palavras, a instrumentalização e “objetificação” da natureza e da realidade.

Mulher olhando no espelho
A autodeterminação prevalece na identidade moderna.

Secularização: o aspecto chave

Um dos aspectos que marca uma ruptura histórica entre o homem moderno e seus predecessores é a secularização, na opinião de Charles Taylor. Com isso ele se refere ao fato de que os seres humanos são cada vez menos religiosos, em alguns casos, ou muito dispersos em suas crenças, em outros.

É a primeira vez na história que os seres humanos não estão ligados uns aos outros por grandes crenças religiosas compartilhadas por grupos majoritários. No Ocidente, não há mais religiões hegemônicas dominantes.

Uma das consequências de perder a fé é a confusão sobre o sentido da vida. Antes era fácil defini-lo a partir da religião, agora ficou claro que deve ser construído. Por isso, diz Charles Taylor, um dos traços essenciais da identidade contemporânea é o “desejo de sentido”. Nesse ponto estamos.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Aguilera Portales, R. E. (2006). El debate iusfilosófico contemporáneo entre comunitaristas y liberales en torno a la ciudadanía.
  • Sahuquillo, I. M. (2006). La identidad como problema social y sociológico. Arbor, 182(722), 811-824.
  • Ruiz Schneider, C. (2013). Modernidad e identidad en Charles Taylor. Revista de filosofía, 69, 227-243.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.