6 chaves para educar melhor

novembro 30, 2019
Educar é uma experiência muito bonita, mas que envolve momentos de dificuldade. Atualmente, apesar de termos acesso a um grande número de informações sobre como educar, parece que às vezes ainda ficamos perdidos. Neste artigo, o psicólogo Miguel Ángel Rizaldos fala sobre como educar melhor.

Hoje em dia, existe acesso a vários guias e métodos de educação, mas a verdade é que os pais parecem cada vez mais perdidos em relação a como educar seus filhos. Por quê?

Considero, pela minha experiência como psicólogo há mais de 28 anos, que a superproteção que mantemos em relação aos nossos filhos nos impede de colocar em prática as informações sobre educação a que temos acesso.

Os pais, as mães, e os educadores podem chegar a ser como helicópteros: estão sobre as crianças o dia todo. Isso não permite um desenvolvimento saudável, pois as crianças precisam descobrir e experimentar por si mesmas. Estar continuamente sob a supervisão de seus pais não facilita isso.

Além disso, não podemos esquecer que os pais, as mães, e os educadores também transmitem seus medos e fraquezas. Nossos filhos são um verdadeiro reflexo de nós.

A educação na atualidade

A educação na atualidade

É verdade que a realidade hoje é um pouco mais complexa, embora o essencial permaneça o mesmo, mas com mais tecnologia.

Creio que há pouca naturalidade e bom senso. Por um lado, não queremos cometer erros e queremos fazer tudo perfeito em relação à educação de nossos filhos e filhas. Por outro, também queremos que eles sejam perfeitos. No entanto, isso é contraproducente e apenas favorece o contrário.

É verdade que é preciso educar da melhor maneira possível, mas não podemos esquecer que às vezes erraremos e nossos filhos também. Às vezes você ganha, às vezes você aprende… 

Talvez tudo isso tenha a ver com o impulso de querer ter tudo sob controle para que as coisas saiam como gostaríamos. No entanto, a vida é incerta na maioria das vezes. E muitas coisas estão fora do nosso controle.

Chaves para educar melhor

Os elementos fundamentais e básicos para uma educação saudável seriam:

  • Reconhecer e valorizar os comportamentos apropriados ou que se aproximam deles. Criticar e apontar os comportamentos inadequados de maneira constante não ajuda e também não é útil. Ficar continuamente zangado não educa.
  • Demonstrar empatia, colocar-nos no lugar dos nossos filhos. Nós também fomos crianças. Portanto, tentar lembrar a perspectiva que um dia tivemos pode nos ajudar a entendê-las.
  • Coerência entre o que dizemos e o que fazemos. É melhor não dizer aquilo que não vamos fazer.
  • Escutar com atenção o que nossos filhos dizem e sentem. Isso facilitará nossa comunicação com eles.
  • Expressar o que sentimos. Acreditamos que não é apropriado expressar as emoções negativas na frente dos nossos filhos. No entanto, é positivo que eles também o façam e aprendam a canalizá-las.
  • Cuidar de nós mesmo. Quando temos filhos, se esquecermos nossas necessidades e interesses, não cuidaremos de nós mesmos e acabaremos queimados. A questão é que, se não fizermos isso com nós mesmos, também não cuidaremos bem deles. E o mais importante, transmitiremos a nossos filhos que o autocuidado não é importante.

Dar o exemplo é essencial

Como pais, mães, e educadores, transmitimos nosso estilo e educação em valores na convivência diária com nossos filhos.

Embora saibamos que não seremos a única influência em seu comportamento futuro, devemos ter em mente que, com a nossa educação, os encaminharemos para a vida.

Dizemos mais com o que fazemos do que com o que dizemos que precisa ser feito. Portanto, devemos ser mais consistentes com o que expressamos a nível verbal e o que finalmente fazemos. Eu falo sobre isso no meu livro, Guia para pais e mães com problemas.

É preciso se cuidar para educar melhor

Como psicólogo, posso afirmar que “a maçã nunca cai longe da árvore”. Portanto, é importante garantir que você esteja dando um bom exemplo para seus filhos e cuidando de si mesmo.

Quando negligenciamos a nós mesmos e não nos cuidamos, o que geralmente acontece é que acabamos experimentando a síndrome de burnout. A preocupação constante em cuidar de nossos filhos acaba se tornando um fardo pesado.

O que acontece é que, como dissemos anteriormente, se não cuidarmos de nós mesmos, não cuidaremos bem deles. E o pior de tudo, transmitiremos aos nossos filhos a mensagem de que cuidar de si mesmo não é importante. Assim, quando adultos, eles replicarão esse mesmo comportamento e, portanto, não se cuidarão.

Transmitir valores para educar melhor

Transmitir valores para educar melhor

Nosso comportamento deve refletir os valores que queremos transmitir. Caso contrário, não transmitiremos nada, tudo permanecerá em palavras. Portanto, é essencial estarmos motivados e cientes da nossa responsabilidade pelo bem-estar futuro dos nossos filhos.

  • Somos a base principal de um desenvolvimento saudável dos nossos queridos filhos.
  • Somos o exemplo e modelo principal de seu comportamento.
  • Seu desenvolvimento e aprendizado começam por nós.

Ser pai e mãe é bonito, mas não é fácil. Cuidemos de nós mesmos para que possamos nos sentir bem e transmitir as chaves que os ajudam a ter um maior bem-estar. Não devemos nos esquecer de que a palavra convence, mas o exemplo arrasta…