O ciclo da resposta sexual humana

· dezembro 1, 2018

Um dos aspectos mais importantes da vida da maioria das pessoas é o sexo. No entanto, muitos de nós não entendem como funcionamos em um nível sexual. Para isso, é importante conhecer as características mais importantes do processo da resposta sexual humana.

Masters e Johnson foram os pioneiros no estudo da resposta sexual humana. Apesar das controvérsias que tiveram na época, atualmente são de grande relevância. Uma das suas descobertas mais importantes foi o ciclo da resposta sexual. Graças a ele, conhecemos as diferentes fases que o nosso corpo atravessa durante o ato sexual.

Agora, é importante saber que cada pessoa mostra a sua resposta sexual de forma diferente. Algumas pessoas ficam ofegantes enquanto outras não emitem praticamente nenhum ruído. Algumas pessoas se movimentam intensamente enquanto outras apresentam movimentos leves. No entanto, apesar das diferenças, a resposta do organismo à excitação sexual a nível fisiológico é idêntica.

As quatro fases da resposta sexual humana

A teoria do ciclo sexual nos mostra que as pessoas passam por 4 fases distintas durante a resposta sexual: (a) excitação, (b) platô, (c) orgasmo e (d) resolução. Essas fases sempre ocorrem nesta ordem, começando com a excitação e terminando com o período de resolução.

Casal abraçado na cama

1- Fase de excitação sexual

É o começo das mudanças fisiológicas que sinalizam a resposta do organismo diante da estimulação sexual. Esses estímulos podem ser tanto físicos quanto psicológicos. A principal função desta fase é a preparação do corpo para o ato sexual.

As mudanças fisiológicas que encontramos nas mulheres são múltiplas. A lubrificação vaginal aumenta rapidamente graças ao controle do sistema parassimpático. Encontramos também a dilatação da parte superior da vagina para favorecer a entrada do pênis, além do aumento do tamanho do clitóris e dos seios devido à congestão vascular.

No homem, também encontramos diferentes mudanças fisiológicas. Devido à ação do sistema simpático e a congestão vascular, acontece a ereção do pênis juntamente com um aumento na tensão do escroto e a elevação dos testículos. Além disso, ocorrem contrações regulares no reto.

Da mesma forma, uma série de mudanças comuns aparecem em ambos os sexos. Por exemplo, o rubor sexual, o aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial.

2- Fase de platô

A fase de platô é uma manutenção do estado de excitação e ocupa a parte central e mais extensa da resposta sexual. Nesta fase, as atividades sexuais são realizadas. Há um aumento significativo da tensão sexual com altos níveis de contração muscular e vasocongestão. A função desta fase é manter o estado de excitação sexual até a chegada do clímax ou orgasmo.

As alterações fisiológicas que encontramos nas mulheres durante essa fase são: contração das paredes vaginais, clitóris retraído para dentro, aumento do útero e escurecimento dos pequenos lábios. Essas mudanças são chamadas de formação da plataforma orgástica. Da mesma forma, ocorrem contrações involuntárias no reto, assim como nos homens durante a excitação.

Nos homens, o pênis atinge seu nível máximo de ereção, os testículos aumentam de tamanho e sobem ao máximo. O fluido pré-seminal aparece na glande, com a função de limpar os dutos residuais seminais. As contrações no reto continuam a ocorrer.

Além disso, o rubor continua a aparecer em ambos os sexos e a frequência cardíaca, a pressão arterial e a frequência respiratória aumentam.

Casal se beijando de forma sensual

3- Fase orgástica ou clímax

A fase orgástica ou clímax consiste em uma descarga explosiva da tensão neuromuscular altamente gratificante. Ocorre de forma involuntária e repentinamente, quando a estimulação atinge a sua intensidade máxima. Supõe o fim do ato sexual e, do ponto de vista psicológico, a experiência prazerosa serve como um reforço do comportamento.

No caso das mulheres, a plataforma orgástica se contrai em intervalos de 0,8 segundos entre 5 a 12 vezes. Além disso, ocorrem contrações do esfíncter anal e outros grupos musculares.

No homem, as contrações da uretra e dos músculos pélvicos fazem com que o pênis experimente a ejaculação do líquido seminal. Essa ejaculação é controlada pelo sistema nervoso simpático.

Em ambos os sexos, os aumentos dos vários parâmetros iniciados nas fases anteriores continuam. Ou seja, o ritmo cardíaco, a pressão arterial e a frequência respiratória continuam a aumentar.

4- Fase de resolução

Envolve a perda progressiva da tensão sexual e o retorno gradual do organismo ao estado normal, antes da fase de excitação. A reversão dos processos anteriores geralmente dura entre 15 e 30 minutos.

Os homens entram num período refratário durante o qual é muito difícil conseguir uma nova ereção e ter outro orgasmo. A duração desse período é variável, oscilando entre minutos e horas, e aumenta com a idade.

As mulheres não apresentam esse período refratário. Portanto, elas são capazes de experimentar orgasmos múltiplos ou repetidos em um curto período de tempo. Outra diferença em relação aos homens é que, enquanto eles mostram ciclos semelhantes no tempo e na ativação, as mulheres mostram uma maior variabilidade entre elas: enquanto algumas chegam rapidamente ao orgasmo, outras chegam de forma lenta e progressiva.