Com amor, Van Gogh: a história de um suicídio

fevereiro 19, 2019

Vincent Van Gogh é um dos pintores mais renomados do mundo. Sua obra, assim como a de pintores como Leonardo da Vinci e Salvador Dalí, é conhecida por milhares de pessoas. A noite estrelada e seus girassóis são reimpressos em tantos objetos que se tornaram comuns. Podemos ver suas obras na internet e também na televisão.

Sua popularidade é a razão pela qual o filme Com amor, Van Gogh teve um sucesso tão grande nas bilheterias. Lançado em 2017, Com amor, Van Gogh é um longa metragem animado sobre a vida e a misteriosa morte desse pintor.

Dirigido por Dorota Kobiela e Hugh Welchman, cada uma das fotografias do filme é uma pintura a óleo individual. Mais de 125 pintores trabalharam sem parar durante anos para tornar essa obra de arte possível.

O filme é baseado principalmente nas pesquisas feitas por historiadores da arte sobre a vida do pintor. Há muitas lacunas, mas também muitos registros sobre a sua vida. Dessa forma, hoje perguntamos: quem foi Vincent Van Gogh?

Van Gogh, um pintor pouco convencional

Vincent Van Gogh nasceu na Holanda no ano de 1853, no seio de uma família protestante. Alguns poderiam dizer que, no momento de seu nascimento, Van Gogh já nasceu junto com um mau presságio.

Vincent recebeu o mesmo nome com o qual seu irmão mais velho teria sido batizado, uma criança que nasceu morta exatamente um ano antes. Durante sua infância, Van Gogh teria sido uma criança reservada e taciturna, sendo o mais velho de seis irmãos.

Depois de abandonar seus estudos, começou a trabalhar em uma companhia de comércio de arte. Enquanto era um aprendiz na Goupil & Co., um dos comerciantes internacionais mais importantes da época, desenvolveu um grande amor pela pintura.

Noite estrelada

Apesar de gostar muito do contato diário com a arte, o trabalho de comerciante não era algo para Van Gogh. Em pouco anos, seu desinteresse fez com que ele fosse demitido. Depois de seu fracasso como comerciante, Vincent decidiu dedicar sua vida à religião.

Enquanto viajava pela Holanda e pela Bélgica pregando o evangelho, o futuro pintor desenvolveu sua visão artística. Nesse período, ele começou a pintar. Em seus primeiro esboços é possível observar temas que, posteriormente, se tornaram recorrentes.

Entre suas inquietudes artísticas encontrava-se a vida na pobreza, o campo, a natureza do outono e do inverno. Sobretudo, Van Gogh dedicou sua pintura à classe trabalhadora, à vida dedicada ao trabalho. Esses temas condizem com os valores da sua formação protestante.

Ele foi um pintor incrivelmente produtivo: ao longo de toda a sua carreira, que não foi tão longa assim, ele pintou cerca de 900 quadros. Além disso, pelo menos 1600 desenhos são atribuídos a ele.

Van Gogh pertence ao movimento artístico chamado de pós-impressionismo. Nele, o mais importante é captar o movimento e a luz. Nos quadros de Vincent podemos ver traços soltos que estão repletos de cor.

Cartas a Theo

Boa parte da informação que temos hoje sobre Van Gogh foi coletada de sua correspondência. Vincent sempre foi um escritor ávido. Theo, o irmão mais novo de Vincent, foi o destinatário da maior parte de suas cartas. Mais de 600 cartas de Van Gogh para Theo estão conservadas em perfeitas condições.

Quatro anos mais novo que Vincent, Theo foi um apoio incondicional durante toda a sua vida. Desde pequenos, Theo e Vincent desenvolveram uma relação muito próxima de amizade. Theo admirava profundamente seu irmão mais velho.

Por essa razão, quando completou 15 anos começou a trabalhar na mesma companhia como comerciante de arte. Diferentemente do irmão mais velho, Theo ficou na empresa durante toda a sua vida e teve sucesso no trabalho. Esse emprego trouxe a ele estabilidade econômica, que permitiu inclusive financiar as ideias artísticas de Vincent.

Desde muito jovem, Theo começou a enviar remessas a Van Gogh, que jamais teve independência financeira. A partir de suas cartas, foi possível observar que ele fazia pedidos ao irmão constantemente. Theo foi seu amigo e seu mecenas, de modo que sua relação com Vincent foi tão profissional quanto pessoal.

Sua amizade foi muito profunda, e ambos compartilharam um amor incondicional.

Adeus, Van Gogh

Vincent Van Gogh morreu em circunstâncias suspeitas e bem incomuns. Depois de dar um passeio pelos arredores do povoado onde morava, o pintor voltou para casa com um tiro no abdômen.

Ainda que tenha sobrevivido mais alguns dias, acabou falecendo por causa da perda de sangue e de uma possível infecção. Theo estava viajando e conseguiu chegar para ver seu irmão momentos antes de seu falecimento.

Quadro de Van Gogh

Ainda que durante décadas tenha-se defendido a teoria de que Vincent teria se suicidado, análises recentes sugerem o contrário. De acordo com o ângulo do disparo, é muito pouco provável que Van Gogh tenha disparado a arma contra si mesmo.

Ao mesmo tempo, havia dois rapazes de férias no povoado. Eram os irmãos Secrétan, muito violentos, que gostavam de matar animais no campo. É muito possível que um disparo tenha atingido o pintor, que não quis delatar os jovens posteriormente.

Após a morte do irmão, o jovem Theo caiu em uma profunda depressão. Parece que a vida de ambos era atada, profundamente interligada. Apesar de ter um filho pequeno e uma esposa, Theo não conseguiu se recuperar do golpe. Um ano depois da morte de seu irmão, Theo Van Gogh também faleceu.

Foi a esposa de Theo que se dedicou à tarefa de recompilar as cartas entre ambos, anos depois de serem trocadas. Ela também conhecia o ofício de comerciante de arte. Desse modo, ela conseguiu agrupar todas as pinturas e desenhos de Van Gogh, a maioria delas exposta hoje em um museu em Amsterdã, Holanda.