A vertigem de começar do zero

12 Setembro, 2020
Todo começo é assustador, mas lembre-se de que você não está começando do zero; na verdade, está partindo da experiência. Agora, você só precisa descobrir quais forças psicológicas deve aplicar nessa jornada de mudanças que o levará para mais perto da felicidade. Continue lendo para descobrir.
 

Começar do zero produz vertigem. Os nervos rodopiam no estômago, na mente, aceleram o coração e até o chão sob os nossos pés… Os medos são muitos, mas as necessidades nos dão infinitas novas oportunidades. Quantas vezes, em nossa existência, nos vimos nesses pontos de partida tão decisivos e angustiantes ao mesmo tempo?

A verdade é que deixar para trás grande parte do que conhecemos para iniciar uma nova etapa não é uma coisa fácil e nem todos encontram coragem para fazê-lo. No entanto, a maioria de nós já pensou nisso em algum momento. Apertar o botão de reiniciar para que tudo seja novo, para deixar para trás o que nos assombra, abrir novas portas, respirar novos ares e ser novas versões de nós mesmos.

Gostamos da ideia, ela é atraente. No entanto, esse processo exige forças psicológicas e atitudes abertas, além de algo decisivo: ter clareza sobre a nossa situação atual para não cair nos mesmos erros, para moldar uma realidade mais alinhada aos nossos valores e necessidades.

O compromisso com a mudança primeiro exige a assinatura de um acordo com nós mesmosVamos mergulhar um pouco mais fundo neste tópico.

Diferentes escolhas a fazer
 

Começar do zero: a coragem de deixar ir para recomeçar

Em mais de um momento de nossas vidas, percebemos que algo está errado. Às vezes é o nosso trabalho, que é muito exigente e exaustivo, do tipo que tira nosso ânimo na hora de levantar de manhã. Outras vezes são os nossos relacionamentos, o nosso parceiro, os amigos, a família… São dinâmicas que acabam por nos proporcionar mais sofrimento do que felicidade, e sentimos que é necessário fazer uma mudança e impor um distanciamento.

Por outro lado, também é comum que necessitemos nos ver em outro cenário, com outras paisagens, outras pessoas e outras ocupações. A necessidade de renovação do eu, da atualização pessoal, muitas vezes exige começar do zero, e isso é algo que podemos sentir várias vezes ao longo do nosso ciclo de vida.

Porém, como bem assinalamos, nem todos nós ousamos ou encontramos aquelas forças psicológicas capazes de nos impulsionar, de nos dar determinação quando as dúvidas nos fazem tremer. Vamos, portanto, detalhar quais recursos devemos começar a desenvolver nesses estágios pessoais.

Focalização: lembre por que você que fazer isso e o que espera

Focar, mobilizar nossa atenção, motivação, pensamentos e atitudes em relação ao nosso objetivo; nada mais é do que promover esse avanço para uma nova etapa. Para conseguir isso e superar a alfinetada desses medos que a dúvida traz, devemos lembrar por que desejamos fazer isso e por que queremos começar do zero.

 
  • Convém esclarecer as razões que nos impulsionam para este salto vitalquero progredir, quero deixar para trás as situações que me fizeram infeliz, espero crescer como pessoa…
  • Além disso, é bom lembrar o que a neurociência nos diz sobre essas mudanças na vida. Sabemos que ficar preso em circunstâncias estressantes ou pouco motivadoras é prejudicial para a saúde neurológica. A rotina e esses padrões repetitivos de comportamento fazem com que o sistema nervoso não crie novas vias neurais e acabe perdendo agilidade cognitiva.

Temperança: não é começar do zero, é partir da experiência

A pessoa que age com temperança lida bem com o medo. Isso não significa que você não o sinta, porque começar do zero causa insegurança e até angústia. No entanto, devemos aproveitar essa força psicológica que é a serenidade e a calma interna, porque, na verdade, a linha de partida não é o zero: partimos da nossa experiência prévia.

O que significa isso? Implica, por exemplo, que você sabe muito bem o que está disposto a alcançar e o que não vai tolerar novamente. Você sabe quais são seus limites, seu coração sabe o que deixou para trás e o que espera ter pela frente: equilíbrio, liberdade, autorrealização, calma e felicidade.

Portanto, desative esses medos, porque você não tropeçará mais na mesma pedra. Você vai pavimentar o caminho para abrir bem as suas asas.

Escolher entre dois caminhos
 

Autoconfiança: eu sei o que quero, sei o que mereço e vou conseguir

As pessoas estão sempre em busca de equilíbrio na vida. Portanto, devemos entender que, se ficarmos parados, é mais provável que acabemos caindo. Você precisa avançar com um pé na frente do outro e olhando para frente. Devemos nos mover porque a própria existência é movimento, e nós fazemos parte desse ritmo e desse fluxo eterno.

Começar do zero é para os corajosos, mas também para aquelas pessoas que sabem o que querem e vão em frente. Algo assim se consegue aliando a autoconfiança, lembrando do nosso potencial, daquelas forças que sempre nos ajudaram. É também para fortalecer a autoestima, a motivação e aquela determinação que nos sussurra a cada momento que o passado não determina o futuro.

Porque o futuro é criado por nós. E fazemos isso ao sair dessa zona de conforto em que nada cresce. Se não há estímulos, se não há amor, se o que nos rodeia não estimula a nossa mente nem faz o nosso coração bater, devemos buscar outras direções. Devemos buscar uma nova versão de nós mesmos; aquela que está pronta para dar o melhor de si e construir uma nova felicidade.