Como agir quando uma criança está com raiva?

Existem pais que não sabem como agir quando um filho está com raiva. O primeiro passo é aprender a administrar essa emoção sozinho para depois ensinar como fazê-lo.
Como agir quando uma criança está com raiva?

Última atualização: 26 agosto, 2021

A raiva é uma das emoções mais difíceis de controlar, tanto em nós mesmos quanto nos outros. Isso faz com que, por exemplo, muitos adultos não saibam como agir quando uma criança está com raiva. Geralmente eles respondem com mais raiva ou vão ao outro extremo e se sentem intimidados demais para fazer algo.

Nenhum dos extremos representa uma maneira apropriada de agir quando uma criança está com raiva. O objetivo central não deve ser apaziguar o sentimento ou suprimi-lo, mas ensinar à criança a melhor forma de administrar essa emoção, para que ela não prejudique os outros ou a si mesma.

Embora isso seja mais difícil com crianças mais novas, também é verdade que quanto mais cedo essa educação emocional começar, mais saudável será o desenvolvimento psicológico da criança. Desta forma, as explosões e acessos de raiva serão cada vez menores. Então, como devemos agir quando uma criança está com raiva? Vamos ver.

“A raiva é como o fogo; Não pode ser extinto, exceto na primeira faísca. Depois é tarde ”.
-Giovanni Papini-

Pai gritando com seu filho

A idade das crianças: um fator decisivo

Não é a mesma coisa lidar com a raiva de uma criança de 2 anos e com a de uma de 7 ou 14 anos. Em teoria, embora nem sempre na prática, quanto menor ela for, menos controle terá sobre as suas emoções. Isso ocorre porque, desde cedo, as crianças não identificam bem as emoções, nem as compreendem totalmente. Apesar disso, também é verdade que quanto maiores elas são, mais enraizada pode estar a raiva.

O ideal é que a criança aprenda a lidar com a sua raiva desde muito jovem. Esse objetivo não será alcançado de um momento para o outro, mas se uma base sólida for construída, a criança desenvolverá as ferramentas necessárias para administrar o que sente da forma mais construtiva possível. Isso, é claro, não significa que ela sempre terá sucesso, mas vai ajudá-la na maioria das vezes.

Com os adolescentes, que são muito propensos à irritabilidade, a atitude deve ser um pouco mais passiva. Esta é uma idade que merece flexibilidade e amplitude, desde que não sejam ultrapassados os limites da razoabilidade. Os limites do respeito devem ser claramente definidos com os adultos.

Como NÃO agir quando uma criança está com raiva

Vamos começar identificando o que NÃO fazer quando uma criança está com raiva. Independentemente da idade, não é apropriado responder com a mesma raiva ou com uma raiva maior. Isso quebra os limites da autoridade do pai e transforma um conflito filial em um problema entre iguais. A autoridade é obtida com o exemplo, não com a força.

Independentemente da idade, também não é bom adotar uma atitude de pena. Em nossa frente temos uma pessoa invadida por um sentimento destrutivo, então mimá-la não é a resposta mais adequada, pois equivale praticamente a um prêmio. O objetivo é trazer a situação para o reino da razão.

Finalmente, não se deve apressar a resposta, independentemente da forma de expressão da raiva. Começar a opinar, julgar ou tentar explicar o que está acontecendo não é bom em primeira instância. Isso pode até ser considerado uma ofensa e é possível que o seja, na medida em que falamos de uma subjetividade alheia.

O que deve ser feito?

Pai e filho falando sobre raiva

Em todos os casos, a maneira de agir quando uma criança está com raiva começa por nos tranquilizarmos. Isso também é aprendido e, aos poucos, fica mais fácil apertar o botão e se segurar antes de agir. Se você sente que também vai explodir naquele momento, é melhor pedir um tempo: “Filho, neste momento não estou em condições de falar com você”.

Em todo caso, no início é importante não agir, não falar e ouvir o que a criança tem a dizer. Esse silêncio e falta de ação o ajudarão a se acalmar. Mesmo que a criança grite ou ofenda, a calma do pai ou da mãe manda um recado: eles não são vulneráveis à situação e não vão conseguir nada por meio da agressividade.

Quando estiver mais calmo, é hora de fazer perguntas estratégicas: “O que está te incomodando?”, “Por que não me explica em detalhes o que você quer para que eu possa te ajudar?” Se a criança não se acalmar, diga-lhe que nessas circunstâncias é impossível falar e que ela pode retomar o assunto quando se sentir melhor.

Não se esqueça de que as emoções são educadas e de que boa parte da parentalidade consiste exatamente nisso. Para que uma criança aprenda a controlar a raiva, devemos ajudá-la a encontrar maneiras de se acalmar e tentar entender o que está sentindo. Este é um dos grandes presentes que podemos dar aos nossos filhos.

Pode interessar a você...
4 atitudes que podem criar uma criança tirana em casa
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
4 atitudes que podem criar uma criança tirana em casa

Por criança tirana entendemos aquele que impõe sua lei, que domina os pais para fazerem sua vontade, e cujos acessos de raiva esgotam qualquer um.



  • Alzina, R. B., & Escoda, N. P. (2012). Educación emocional: estrategias para su puesta en práctica. Avances en supervisión educativa, (16).