Educação emocional para a igualdade de gênero

O desenvolvimento da inteligência emocional desde a infância pode levar a hábitos e experiências gratificantes na idade adulta. Isso pode permitir enfrentar mudanças na vida e aumentar o nível de bem-estar psicológico.
Educação emocional para a igualdade de gênero

Última atualização: 12 Outubro, 2021

Educação é poder. É a arma mais poderosa para criar uma pessoa. É por isso que, recentemente, começamos a falar sobre a necessidade de dar aulas de inteligência emocional nas escolas. Assim, a educação emocional parece ser crucial para a formação de seres humanos livres, consistentes e justos.

A aquisição de uma educação emocional abrangente por parte de ambos os sexos parece a solução para o desenvolvimento de uma concepção de gênero construtiva que respeite a diferença e contemple a igualdade dos direitos humanos (2-5).

Além disso, a inclusão educacional é um direito universal (6). Assim, a partir dessa, preconiza-se um sistema educacional baseado na igualdade e/ou não discriminação, que apoie o crescimento máximo do indivíduo como sujeito competente a nível cognitivo e socioemocional (7).

A escola inclusiva como direito

O sistema educacional deve se adaptar às necessidades de todas as pessoas. Por isso, a inclusão da inteligência emocional na educação integral é essencial.

A inteligência emocional é definida como um conjunto de habilidades, tanto sociais quanto emocionais, que, se ensinadas em condições de igualdade de gênero, promoveriam a construção de uma personalidade resiliente e integral (8).

Educar em emoções pode nos ajudar a obter uma educação mais eficaz. A inteligência emocional favorece um caráter inclusivo na escola, cuja viabilidade está no rompimento, ou, no caso da infância, em não levantar barreiras culturais que restringem o melhor desenvolvimento adaptativo do indivíduo independentemente do gênero que possua (9).

Emojis para a educação emocional

A educação emocional como ferramenta no ambiente escolar

A inteligência emocional pode se tornar uma ótima ferramenta para ensinar valores. Por isso, alguns autores acreditam que ela pode atuar como intermediária no desenvolvimento das habilidades cognitivas e do desempenho acadêmico (10).

Alguns autores estudaram como a inteligência emocional afeta o comportamento. Dependendo da sua inteligência emocional ser alta ou baixa, seus hábitos sociais e impulsividade mudam:

  • Os alunos cuja inteligência emocional é baixa tendem a exibir comportamentos antissociais. Eles apresentam maiores taxas de impulsividade e menos hábitos sociais (11).
  • Os alunos que têm pontuações mais altas em inteligência emocional tendem a desenvolver laços interpessoais mais positivos. Também apresentam um baixo índice de confrontos com os amigos (12).

Além disso, o desenvolvimento da inteligência emocional desde a infância pode levar a hábitos e experiências gratificantes na vida adulta. Isso pode capacitá-los a enfrentar mudanças na vida e aumentar o nível de bem-estar psicológico (13-15).

Educação emocional no ensino fundamental

A infância é o período mais suscetível no que diz respeito ao desenvolvimento da personalidade. Assim, o ensino de competências emocionais deveria desempenhar um papel fundamental na Educação Básica. É o que já ocorre, por exemplo, na Espanha (16).

Ao criar relações construtivas baseadas na igualdade, pode-se evitar que tanto meninas quanto meninos adquiram um autoconceito sub e/ou supervalorizado, o que desencadeia a violência simbólica responsável pela violência de gênero (17).

Professora com alunos

Alguns modelos que atuam nas habilidades de inteligência emocional

Conclusões

A violência de gênero tem origem social e cultural. Ela vem de normas baseadas em estereótipos patriarcais de gênero a partir dos quais a mulher é subordinada ao homem, independentemente de direitos tão fundamentais como o “direito a ter direitos” (18).

Para acabar com este problema sistemático, o melhor que podemos fazer é ir à sua raiz. Assim, é na infância que começam a surgir as diferenças que mais tarde levarão à violência de gênero. É aqui que a educação desempenha o seu papel principal.

É óbvio que não só a educação deve participar desse processo de mudança. Uma intervenção eficaz focada na redefinição de um processo de socialização abrangente para homens e mulheres exigirá múltiplos envolvimentos institucionais (político, jurídico, legislativo, educacional …) (19).

Assim, desde o ensino fundamental, pode-se atingir uma educação inclusiva cujo objetivo é eliminar as limitações pessoais até atingir seu pleno desenvolvimento como indivíduo e sem rótulos de gênero (20). É aqui que a educação emocional desempenha um papel importante.

Pode interessar a você...
Memórias felizes de infância, o segredo para a saúde psicológica
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Memórias felizes de infância, o segredo para a saúde psicológica

As memórias felizes de infância nos preenchem com força emocional. Esse dado pode parecer um tanto poético para nós, mas contém um fator comprovado...



  • Fernández de la Cruz, M., Blázquez Alonso, M., Moreno Manso, J. M., García-Baamonde Sánchez, M. E., Guerreo Barona, E., & Pozueco Romero, J. M. (2016). La educación emocional como recurso para la prevención de la violencia de género en niños/as de educación de primaria. In Mujeres e investigación. Aportaciones interdisciplinares: VI Congreso Universitario Internacional Investigación y Género (2016), p 189-206. SIEMUS (Seminario Interdisciplinar de Estudios de las Mujeres de la Universidad de Sevilla).
  • Blázquez, M., Moreno, J. M. y García-Baamonde, M. E. (2009): “Inteligencia emocional como alternativa para la prevención del maltrato psicológico en la pareja”. Anales de Psicología, 25 (2), (250-260)
  • Gairín , J. (1994): “Los conflictos”. Cuadernos de Pedagogía, 222, 22- 25.
  • Grewal, D., & Salovey, P. (2005): “Feeling Smart: The Science of Emotional Intelligence”. American Scientist, 93, (330-339)
  • Mayer, J. D., & Salovey, P. (1997). What is emotional intelligence. Emotional development and emotional intelligence: Educational implications, 3, 31.
  • Fernández Rodicio, C. I. (2011). La inteligencia emocional como estrategia educativa inclusiva.
  • Arnáiz, P. (2003): Educación inclusiva: Una escuela para todo. Málaga, Aljibe.
  • Kobasa, S. C., Maddi, S. R., & Puccetti, M. C. (1982). Personality and exercise as buffers in the stress-illness relationship. Journal of behavioral medicine, 5(4), 391-404.
  • Cassà, È. L. (2007). Educación emocional: Programa para 3-6 años. WK Educación.
  • Petrides, K. V., Frederickson, N. & Furnham, A. (2004): “The role of trait emotione intelligence in academic performance and deviant behaviour at school”. Personality and Indvidual Differences, 36, 2, (277-293)
  • Mestre, J.M., Guil, R., Lopes, P., Salovey P. & Gil-Olarte, P. (2006): “Emotional Intelligence and social and academia adaptation to school.” Psicothema, 18, (112-117)
  • Ciarrochi, J., Chan, A. & Bajgar, J. (2001): “Measuring emotional intelligence in adolescents”. Personality and Individual Differences, 31 (7), (1105-1119)
  • Alzina, R. B. (2008). Educación emocional para la convivencia: las competencias emocionales. In Educación emocional y convivencia en el aula (pp. 143-162). Subdirección General de Información y Publicaciones.
  • Berrocal, P. F., & Aranda, D. R. (2008). La educación de la inteligencia emocional desde el modelo de Mayer y Salovey. In Educación emocional y convivencia en el aula (pp. 163-178). Subdirección General de Información y Publicaciones.
  • Humphrey, N., Curran, A., Morris, E., Farrell, P., & Woods, K. (2007). Emotional intelligence and education: A critical review. Educational Psychology, 27(2), 235-254.
  • Repetto, E. (2003). La competencia emocional e intervenciones para su desarrollo. Modelos de orientación e intervención psicopedagógica, 2, 453-482.
  • Barr, J. J., & Higgins-D’Alessandro, A. (2007). Adolescent empathy and prosocial behavior in the multidimensional context of school culture. The Journal of Genetic Psychology, 168(3), 231-250.
  • Amorós, C. (1990). Violencia contra las mujeres y pactos patriarcales.
  • Hernando Gómez, Á. (2007). La prevención de la violencia de género en adolescentes: una experiencia en el ámbito educativo.
  • Echeita Sarrionandia, G., & Ainscow, M. (2011). La educación inclusiva como derecho: marco de referencia y pautas de acción para el desarrollo de una revolución pendiente. Tejuelo: Revista de Didáctica de la Lengua y la Literatura.