Como lidar com um aluno desafiador?

· abril 30, 2019
Quando um aluno nos desafia, é importante não perder o controle e muito menos nos colocarmos à sua altura. Isso só vai piorar a situação.

Como professores, quando nos deparamos com um aluno desafiador, podemos nos sentir confusos em relação a como reagir. Tendemos a perder os nervos e a administrar a situação de forma inadequada. Isso pode provocar risos e piadas por parte de outros alunos, assim como a incapacidade de resolver o problema. Por este motivo, neste artigo daremos alguns conselhos para lidar com este tipo de circunstância que ocorre com mais frequência do que gostaríamos.

Existem alguns estudos e depoimentos em que o aluno é definido como um adversário. No entanto, isso não é verdade. Pensar desta maneira apenas encoraja os professores a se comportarem de uma forma que pode não ser a melhor: punir aquele aluno desafiador com silêncio, indiferença ou valendo-se de sua posição de poder.

Algo interessante que utilizaremos do estudo mencionado para abordar o tema do aluno desafiador são os depoimentos dos diferentes professores. Graças a eles, poderemos ver as boas ou as más práticas que são utilizadas em sala de aula e como transformá-las para possibilitar o controle da situação.

O aluno desafiador e a força do grupo

Quando nos deparamos com um aluno que nos desafia, temos que identificar muito bem se isso acontece em um contexto específico. Por exemplo, quando está cercado por seus amigos. A força do grupo é algo que encoraja e faz com que os mais jovens (também acontece com os adultos em suas vidas diárias) realizem certos atos que não fariam se estivessem sozinhos.

Uma estratégia que geralmente funciona para lidar com o aluno desafiador é detectar quem são os líderes do grupo e “fazer amizade” ou estabelecer uma relação de confiança com eles. Para isso, é necessário conversar individualmente com cada membro do grupo, como uma professora fez:

“Era um grupo bem violento, mas se você se aproximasse de alguns, percebia que separadamente tudo era diferente. Consegui fazer amizade com os líderes e isso foi o suficiente para tranquilizar todo o grupo”.

Um aluno pode nos colocar à prova

Luta de poderes

Um aluno também pode nos desafiar para identificar nossos pontos fracos. Essa atitude pode ser especialmente intensa nas primeiras horas de ensino que temos com ele. Com sua disposição, ele tenta determinar se pode fazer brincadeiras pesadas, nos dar nos nervos ou, pelo contrário, se colocar em seu lugar de aluno e nos respeitar.

Neste ponto, é extremamente importante administrar bem as emoções. Não devemos, sob qualquer circunstância, discutir com o aluno ou nos colocarmos à sua altura. É importante nos colocarmos em nosso lugar, fazendo-nos respeitar pela posição de adulto e não entrar no jogo. É por isso que, apesar de ficarmos incomodados com a forma como o aluno está nos desafiando, devemos saber quando ignorar e como responder de forma adequada e inteligente. Vejamos algumas situações específicas.

O aluno desafiador que contradiz o professor

Considera que tem razão, mesmo que esteja errado. Recusa-se a aceitar a explicação e a resolução de um problema conforme instruído pelo professor. Nestes casos, não perca a calma. Continuaremos argumentando e mostrando provas de que a resolução do exercício que mostramos está correta usando muitos exemplos.

Se a situação se tornar insustentável, deixaremos claro que se ele quiser fazer como considera certo, será de sua responsabilidade. Igualmente, podemos pedir a um aluno (cujo exercício já tenha sido corrigido) que o resolva no quadro. Ao ver que os companheiros conseguem resolvê-lo, a pressão do grupo fará com que o aluno pare de fazer o contrário de maneira equivocada.

O aluno que não suporta os erros do professor

Este é outro tipo de aluno desafiador; não suporta que o professor cometa um erro, demore a ajudá-lo a resolver um exercício ou tenha que pensar muito para encontrar uma solução de maneira autônoma. Esses alunos geralmente pulam para outro exercício, enquanto tentamos resolver o anterior. Eles pensam: por que se esforçar em um problema que será resolvido por outros?

Quando nos deparamos com um aluno que nos desafia

Nestas situações, é importante trabalhar com a resolução de problemas por parte do aluno. Como professores, atuaremos como um suporte, ajudando os alunos a resolver as dificuldades que encontram. Não somos os que têm as respostas, mas sim aqueles que as encontram com eles.

Estes são alguns dos cenários que podemos encontrar. Nesse sentido, muitas das atitudes que descrevemos não passam de um reflexo dos problemas que cada aluno pode ter em sua própria casa. No entanto, diante de qualquer desafio que nos aflige, é importante manter o controle da situação. Isso, às vezes, envolve priorizar a defesa das regras de comunicação e aprendizagem sobre nosso próprio conhecimento. Pensemos que, se a comunicação for prejudicada, o caminho será muito mais difícil.

  • García-Rangel, E. G., García Rangel, A. K., & Reyes Angulo, J. A. (2014). Relación maestro alumno y sus implicaciones en el aprendizaje. Ra Ximhai10(5).
  • Lara Barragán Gómez, Antonio, Aguiar Barrera, Martha Elena, Cerpa Cortés, Guillermo, & Núñez Trejo, Héctor. (2009). Relaciones docente-alumno y rendimiento académico: Un caso del Centro Universitario de Ciencias Exactas e Ingenierías de la Universidad de Guadalajara. Sinéctica, (33), 01-15. Recuperado en 15 de febrero de 2019, de http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&;pid=S1665-109X2009000200006&lng=es&tlng=es.
  • Sánchez, A. (2005). La relación maestro-alumno: ejercicio del poder y saber en el aula universitaria. Revista de educación y desarrollo4, 21-27.