Como saber se você é um trabalhador queimado

O assédio no local de trabalho, a insatisfação pessoal e os objetivos para os quais o trabalhador não pode mostrar preferência são algumas das condições de risco para a síndrome de burnout. Se você quiser saber se você é um trabalhador queimado, te convidamos a continuar lendo.
Como saber se você é um trabalhador queimado

Última atualização: 30 janeiro, 2022

As exigências do trabalho, mesmo as do teletrabalho, sem equilíbrio mental e físico podem esgotar-nos sem nos darmos conta. Também podem causar fadiga crônica, embora estejamos com boa saúde, pois as gotas que não param de cair acabam erodindo a pedra.

Para saber se você é um trabalhador queimado, lembre-se dos sintomas da síndrome de burnout , que são mais comuns do que você pode imaginar.

Síndrome de burnout ou síndrome do trabalhador queimado

Durante décadas, a síndrome de burnout tem causado estragos no ambiente de trabalho: gera estados de ânimo doentes, alterados pelo estresse no trabalho ou fadiga crônica. Em outras palavras, é a resposta extrema ao estresse crônico que se origina no contexto de trabalho, com consequências no nível individual que afetam diretamente os interesses organizacionais e sociais.

O termo burnout começou a ser usado em 1977, ano em que Christina Maslach, psicóloga americana, especialista e pesquisadora em síndrome de burnout, o apresentou em uma convenção perante a American Psychological Association.

Maslach e sua colega Susan Jackson definem essa síndrome como a reação comportamental ao estresse no trabalho, caracterizada por exaustão emocional, descuido ou desinteresse em lidar com clientes e usuários e dificuldade de realização pessoal.

Mulher estressada no trabalho

Como saber se você é um trabalhador queimado

Hoje em dia, em muitas profissões ou ofícios encontramos a chamada síndrome de burnout que nem sempre é decorrente da sobrecarga de trabalho, pois o excesso de trabalho não causa burnout, mas sim o causa um trabalho desmotivador a nível cognitivo e emocional.

Em outras palavras, o estresse está relacionado a vários fatores do cotidiano, e o burnout é uma das formas de progressão do estresse laboral crônico. Para identificar a síndrome é necessário estar atento aos seguintes sintomas:

Exaustão física

  • Enxaqueca.
  • Fadiga crônica.
  • Aumento de peso.
  • Perda de apetite.
  • Dores musculares.
  • Problemas gastrointestinais.
  • Desregulação do ciclo menstrual.

Esgotamento mental

  • Estresse.
  • Tristeza.
  • Insônia.
  • Ansiedade.
  • Depressão.
  • Irritabilidade.
  • Falta de energia.
  • Exaustão emocional.
  • Sentimentos de incompetência.
  • Atitudes de rejeição em relação ao trabalho.
  • Deterioração do autoconceito profissional.
  • Distância e cinismo em relação aos clientes.

Causas da síndrome do trabalhador esgotado

Para descobrir se você é um trabalhador esgotado, pergunte-se como sua interpretação de sua realidade de trabalho influencia quando se trata de atingir ou cumprir metas, e como esses fatores influenciam seu estado de espírito.

Não perca de vista que as causas dependem também do tipo de estrutura organizacional e institucional em que trabalha, pois se não se sentir apoiado nas suas tarefas e houver pouca comunicação dos seus pares ou superiores, pode ficar exposto ao exaustão emocional e conflitos interpessoais.

Se você considera que o trabalho o deixa irritado, agressivo, que alimenta sua frustração e hostilidade por sentir que exerce grande pressão sobre você, deve parar e pensar em fazer mudanças que evitem que a situação se torne crônica. Além de regular e prevenir doenças físicas e emocionais, produtos da síndrome de burnout.

Consequências da síndrome do trabalhador esgotado

Se você sofre de síndrome de burnout, segundo a psicóloga Anabella Martínez Pérez, as consequências comportamentais se manifestam na perda da pró-atividade, hábitos prejudiciais à saúde, como a busca de soluções no aumento de estimulantes e abuso de substâncias. Em relação aos distúrbios fisiológicos, ocorrem as seguintes consequências :

  • Úlceras.
  • Dores de cabeça.
  • Doença.
  • Hipertensão.
  • Dores de dente.
  • Dores musculares.
  • Disfunções sexuais
  • Perda transitória de voz.

As consequências não são só para o trabalhador, mas também para a organização, pois gera baixo desempenho laboral, absenteísmo, aumento do risco de acidentes e consideráveis perdas econômicas.

Homem com estresse no trabalho

Intervenção no trabalhador queimado

Se você for diagnosticado com síndrome de burnout, é importante que implemente estratégias de enfrentamento, como desabafar com as pessoas certas, fazer novas atividades no seu tempo livre, ter clareza sobre a situação estressante e ficar longe dela até conseguir a administrar de maneira saudável.

A autoconsciência é essencial para enfrentar o estresse no trabalho e regular as emoções; caso sofra, não fuja do problema, aproxime-se com calma. Esta é a diretriz para conseguir desativá-lo e processá-lo sem sobressaltos.

No nível organizacional, é fundamental identificar o burnout para prevenir seus efeitos, por meio da informação e do ensino de estratégias de enfrentamento. Identifique as causas que levam à síndrome, como assédio no local de trabalho, má gestão do clima organizacional, ambiente de trabalho tóxico, etc.

Você também pode procurar ajuda psicológica para diagnosticar, prevenir ou processar a síndrome, se tiver. A saúde emocional é essencial para que nossas vidas estejam controladas e livres de todas as cargas emocionais.

Pode interessar a você...
Burnout em profissionais da área da saúde
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Burnout em profissionais da área da saúde

Os profissionais da área da saúde são muito suscetíveis ao burnout. Trabalhar cuidando da saúde dos demais pode gerar um alto estresse ocupacional.



  • Martínez, A. (2010). el síndrome de burnout. evolución conceptual y estado actual de la cuestión. Vivat Academia, (112), 42-80. https://acortar.link/9jFx0v
  • Monte, P. & Peiró, J. (1997). Desgaste psíquico en el trabajo: el síndrome de quemarse. Editorial Síntesis.
  • Peiro, J. & Rodríguez, I. (2008). Estrés laboral, liderazgo y salud organizacional. Papeles del Psicólogo, 29(1), 68-82. https://acortar.link/sIeY5L