Como ser assertivo e não agressivo?

O respeito por si mesmo também cria respeito pelos demais. O primeiro permite que você seja assertivo e o segundo evita que você caia na agressividade. Como conseguir esse equilíbrio? Descubra a seguir.
Como ser assertivo e não agressivo?

Última atualização: 05 Julho, 2021

O termo ‘ser assertivo’ nem sempre é bem compreendido e pode ser confundido. A assertividade é uma habilidade social que permite às pessoas comunicarem suas ideias e desejos e defenderem seus direitos de forma adequada.

Assim, o assertivo é aquele que sabe dizer “não” quando é exatamente isso que quer dizer. Ou aquele que expressa um desacordo mesmo que seja politicamente incorreto. Também é aquele que sabe formular uma exigência ou um pedido aos outros de forma franca e clara.

Em suma, assertivo é alguém que sabe pedir, recusar e trocar ou negociar com os outros, de acordo com o que deseja. Corresponde ao que conhecemos como alguém sincero e direto. É importante não confundir isso com o sincericídio ou com a agressividade.

“O maior elogio que já me fizeram foi quando me perguntaram o que eu pensava e a minha resposta foi ouvida”.
-Henry David Thoreau-

A assertividade na comunicação

A assertividade, a passividade e a agressividade

É comum que o assertivo se localize como um dos vértices de um triângulo. Nos outros dois extremos estão o passivo e o agressivo. Na extremidade passiva estão as pessoas que evitam dizer o que pensam ou se sentem inibidas ao reivindicar seus direitos. Também possuem dificuldades para pedir, porque existe a ideia de que fazer isso sempre incomoda os demais.

O agressivo se refere ao extremo oposto. Ali estão aqueles comportamentos em que a pessoa não pede ou solicita, mas exige. Não expressa o que sente ou pensa, só grita e censura. Não há consideração pelo outro, pois a pessoa está convencida de que seu maior direito é dizer o que é bom para si mesma.

O assertivo não é um ponto médio entre esses dois extremos, mas sim outra forma de abordar a comunicação. Há respeito suficiente por si mesmo para não se calar sobre o que não deve ser calado, mas também há respeito suficiente pelo outro para levar em consideração seus pensamentos e emoções.

Ser assertivo e não agressivo

Expressar o que se pensa, sente ou deseja pode causar um choque nos outros, o que às vezes é inevitável. Ninguém gosta que um convite seja recusado, por exemplo. Também é comum que nas relações hierárquicas haja algum desconforto quando um subordinado não concorda com alguma diretriz e expressa a sua discordância.

Amigos conversando sem assertividade

O que não precisa acontecer é que essa oposição seja agressiva ou cause um conflito. Como evitar isso? Existem algumas diretrizes que podem ajudar, como as seguintes:

  • Veja as coisas em termos coletivos. Ao lidar com uma situação, é melhor analisar sua própria perspectiva, mas também a dos outros. Em particular, quando há um problema, a pergunta é: “Como VAMOS solucioná-lo?”
  • Leve em consideração a possível reação dos outros. Se você vai dizer algo que pode ofender ou aborrecer outra pessoa, antecipe sua possível reação. Isso não deve ser abordado superficialmente, mas entendendo que cada pessoa é diferente e o que se diz também tem um impacto variável.
  • Vá aos fatos e aos dados. Uma apreciação ou ideia deve ser defendida citando fatos concretos ou dados específicos, sem especulação. Isso não apenas é o mais razoável, mas também é uma fonte de credibilidade.
  • Expresse o que você sente. Isso é muito melhor do que adivinhar o que os outros estão sentindo ou suas intenções ou motivações. Dizer como uma determinada atitude ou situação faz você se sentir esclarece as coisas e limpa a comunicação.
  • Seja cortês com quem tem opiniões diferentes. O mais inteligente é entender que quem pensa diferente tem um ponto de vista que pode ampliar o nosso. Portanto, vale a pena ouvir ao invés de desafiar ou ficar na defensiva.
  • Autoavaliar as motivações. Ao dizer algo que colide com outras pessoas, ou ao defender um direito, é importante refletir sobre a validade das motivações para fazê-lo. Desta forma, você não cairá em uma automação reativa, nem haverá necessidade de atacar ninguém.
  • Recorra à persuasão. Se as coisas forem analisadas e for possível chegar a uma firme convicção, por mais razoável que seja, de nada serve se não for possível comunicar com precisão e clareza. Ser assertivo não significa ser impositivo.

Ser assertivo requer prática e amor próprio. Este último é o que evita o desrespeito ou a agressão aos outros ou a si mesmo. A prática, por sua vez, torna cada vez mais fácil o alcance da coerência pessoal que, ao mesmo tempo, é gentil com os outros.

Pode interessar a você...
7 características das pessoas assertivas
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
7 características das pessoas assertivas

As pessoas assertivas não são apenas nascidas, mas também feitas. Temos que trabalhar formas de ser e de agir que sejam mais precisas e construtiva...



  • González, L. G., & Kasparane, A. G. (2009). Asertividad: un análisis teórico-empírico. Enseñanza e investigación en psicología, 14(2), 403-425.