Como ter conversas que nos façam sentir melhor?

Há palavras que curam e diálogos que amenizam os medos, curam feridas e criam uma valiosa confiança entre as pessoas. Se você quiser saber o segredo destas conversas nutritivas, continue lendo esse artigo.
Como ter conversas que nos façam sentir melhor?
Valeria Sabater

Escrito e verificado por a psicóloga Valeria Sabater.

Última atualização: 22 fevereiro, 2023

Você costuma ter aquelas conversas que o recompõem completamente depois de um dia ruim? Existem pessoas com habilidades únicas na arte do diálogo e da empatia. São figuras capazes de proporcionar serenidade quando nosso mundo está confuso e quase de cabeça para baixo. É uma troca de ideias, emoções e pensamentos em que a escuta, o respeito e a harmonia fluem entre duas mentes.

Saber falar é a pedra angular em qualquer tipo de relacionamento, seja familiar, afetivo ou profissional. Graças a essa competência social, chegamos a acordos, fortalecemos nossos laços e deixamos uma marca enriquecedora nos outros. Nada é tão decisivo para os laços entre os seres humanos quanto ser bom em se comunicar.

Agora, existe um tipo de conversa que transcende qualquer outra. É aquele que busca curar, aliviar, reparar ou confortar. Não é necessário ser um terapeuta formado e registrado para saber realizar esse tipo de conversa. Todos devemos falar e ouvir em termos mais significativos e com o propósito claro de ajudar os outros -e vice-versa-.

Vamos ver como conseguir isso.

Vamos tentar ter conversas menos superficiais e conversas mais curativas.

Mentes conectadas durante conversas de cura
As conversas que curam começam a partir da conexão emocional entre duas pessoas.

As chaves para  ter conversas que curam

Uma conversa que cura é um diálogo profundo que tem por objetivo restabelecer a relação entre duas pessoas, ou conferir suporte emocional mútuo entre seus interlocutores. Para realizar tal ofício psicológico, devemos entender que não é uma mera troca de mensagens. É essencial dominar os componentes que compõem esta ferramenta.

Existem pessoas com excelentes habilidades de diálogo que acabam sendo péssimos conversadores curativos, por exemplo. E isso porque nessa modalidade de interlocução não vale ser espirituoso, brilhante ou alguém com grande oratória. Uma conversa que repara é aquela que parte da compaixão, é respeitosa e usa a escuta ativa.

Como disse o psicoterapeuta Carl Rogers, um bom diálogo é aquele que consegue mudar as pessoas para melhor. Gerar essa variação enriquecedora no outro requer trabalhar primeiro em nós mesmos. Estas são as chaves que nos permitirão realizá-la.

1. Ouça e seja humilde.

Michael Lehmann, professor da Universidade Hebraica de Jerusalém, publicou um estudo no Journal of Positive Psychology no qual destacou algo muito interessante. A humildade pode ser ativada no ser humano quando ele aprende a ouvir os outros.

A escuta ativa exige um coração e uma mente que saiba se conectar com as vulnerabilidades e complexidades de quem está diante de si, porque também reconhece as suas. Curar-se e reparar-se exige que o façamos livres de egoísmo, sabendo ouvir-nos de forma ativa e comprometida.

Lembremo-nos sempre: um inimigo voraz da comunicação e da compaixão é a arrogância. A humildade é um valor interpessoal que nos permitirá conectar uns com os outros para curar.

Um diálogo de cura não deve fazer uso de monólogos. É necessário aplicar uma reciprocidade adequada baseada no respeito, conexão emocional, fluxo de pensamentos e reflexões.

2. Seja um lugar “seguro” para a outra pessoa

O que é ser um lugar “seguro” para alguém? Esta é uma dimensão que todos devemos melhorar. Ser um espaço seguro para uma pessoa é cuidar de nossas palavras, expressões e atitudes para validar sua realidade emocional. É fazê-la ver que não vamos julgá-la ou criticá-la. É para mostrar a ela que nos comunicamos com sinceridade e que cada palavra que ela nos dirige será apreciada.

Podemos melhorar essa competência atendendo às seguintes chaves:

  • Escolha e cuide bem das suas palavras, tendo sempre em mente que tudo o que você expressa tem impacto.
  • Não tenha pressa em responder, deixe alguns segundos de silêncio e priorize o que a outra pessoa quer dizer.
  • Durante as conversas de cura, não faça julgamentos de valor ou perguntas. Valide o que seu interlocutor expressa.

3. Perguntas para despertar a consciência emocional

“Como se sente? Como você vivenciou esta situação?…». Perguntas que buscam despertar a consciência emocional facilitam a conexão da outra pessoa consigo mesma para desabafar. Muitas vezes caminhamos pela vida com infinitos nós e resistências interiores.

Por isso, conversar com um amigo e  que ele nos pergunte como estamos nos sentindo ou que emoções estamos sentindo naquele momento pode mudar tudo. Não estamos tentando fazer um interrogatório. Queremos que ele libere a tensão, que coloque em palavras o que está dentro dele.

4. Sem medo de se mostrar vulnerável

As conversas que curam são recíprocas e jogam em ambos os lados. Porque, embora o nosso desejo seja confortar o outro, também nos sentiremos curados e enriquecidos por este tipo de comunicação. Por isso, não devemos hesitar em mostrar nossa própria vulnerabilidade, em nos emocionar, em compartilhar os sentimentos um do outro e até mesmo em consolar um ao outro.

Somente quando nos permitimos ser vulneráveis, maximizamos comportamentos compassivos e curativos.

Mãe conversando com sua filha adolescente sobre as palestras de cura
Uma conversa cura e corrige quando ambas as pessoas se permitem ser vulneráveis.

5. Profundidade e reflexão

A comunicação superficial e insignificante, longe de fortalecer os laços, alimenta-os de insegurança. Não há conexão mental ou emocional naqueles que não se esforçam para aprofundar, naqueles que preferem terminar rapidamente e direcionar o diálogo para aspectos de pouca importância.

Por isso, as conversas curativas buscam profundidade, despertam a reflexão, abrem a mente, enxergam novos pontos de vista e até novos significados vitais. É filosofar, brincar com novas ideias, enriquecer uns aos outros com nossas perspectivas.

6. Encerramento e acordos

«O que podemos fazer a partir de agora para que tudo corra melhor? O que você precisa de mim nessas circunstâncias? Como posso te ajudar? Que objetivos você tem? Gostaria de voltar a falar mais tarde…?».

Os bons diálogos e, principalmente, os que curam e confortam, não hesitem em recapitular e fechar bem aquela conversa. Desta forma, reforçamos muito mais a interação e lembramos a outra pessoa que, se ela precisar de nós, estaremos lá.

Toda conversa saudável e curativa é um exercício de dar e receber perfeitamente equilibrado. Colocar em prática essa forma de comunicação de vez em quando com as pessoas que amamos será tão útil quanto gratificante. Vamos tentar?


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Gaelick, Lisa & Bodenhausen, Galen & Wyer, Jr. (1985). Emotional Communication in Close Relationships. Journal of personality and social psychology. 49. 1246-65. 10.1037//0022-3514.49.5.1246.
  • Landis, M. H., & Burtt, H. E. (1924). A Study of Conversations. Journal of Comparative Psychology, 4(1), 81–89. https://doi.org/10.1037/h0071502
  • Käsermann, ML., Altorfer, A., Foppa, K. et al. The study of emotional processes in communication: I. Measuring emotionalization in everyday face-to-face communicative interaction. Behavior Research Methods, Instruments, & Computers 32, 33–46 (2000). https://doi.org/10.3758/BF03200786

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.