Por que a vulnerabilidade melhora os relacionamentos amorosos?

Vulnerabilidade não é sinônimo de fraqueza. A abertura emocional é um exercício diário que forma a base dos relacionamentos mais saudáveis e autênticos. Expressar o que sentimos e precisamos é um sinal de coragem.
Por que a vulnerabilidade melhora os relacionamentos amorosos?

Última atualização: 23 março, 2022

A vulnerabilidade melhora os relacionamentos amorosos porque nos permite criar um vínculo mais profundo e autêntico. No entanto, nem todos são capazes de atingir esse ponto máximo de intimidade com o outro, de abertura interna para se revelar ao amado como realmente é. Porém, é essa nudez emocional que permite que nos conheçamos melhor para construir laços felizes e duradouros.

Por outro lado, é fato que muitas pessoas enxergam a vulnerabilidade como um tipo de ameaça que seria melhor evitar. Isso ocorre porque há a crença de que o vulnerável revela uma forma de fraqueza e, portanto, é defeituoso. Além disso, outra preocupação associada a essa competência emocional é pressupor que mostrar nossas necessidades e realidades internas dá ao outro a oportunidade de nos machucar.

Assim, é como se quem abre o coração permitisse que o outro entrasse nesse espaço para bagunçá-lo e destruí-lo, se assim quisesse. Porém, é necessário esclarecer este conceito. Afinal, nenhum relacionamento é autêntico se não houver abertura emocional. Portanto, se não nos permitirmos ser vulneráveis, sempre encontraremos muros, resistências e distâncias frias que fazem do amor uma jornada tortuosa e sem sinceridade.

“Você será amado no dia em que puder mostrar sua fraqueza sem que o outro se sirva dela para afirmar sua força”.

—Cesare Pavese—

Casal deitado em um banco olhando um para o outro mostrando que a vulnerabilidade melhora os relacionamentos amorosos

Razões pelas quais a vulnerabilidade melhora os relacionamentos amorosos

Quando se trata de nos abrir emocionalmente para alguém, todos nós temos dificuldades. Afinal, todos temos nossos medos e cotas de decepções passadas. Lembramos de quando uma determinada pessoa nos magoou, ou de quando esta outra pessoa nos traiu. Porém, não é fácil se conectar com os outros de forma sincera se não nos expormos, se não ousarmos ser honestos em pensamento, emoções, alma e coração.

De fato, é muito comum nos endurecermos e escondermos a nossa vulnerabilidade embaixo de mil camadas, pois a última coisa que queremos é que nos machuquem. E se há uma área na qual nos sentimos mais expostos à dor, é no amor. Temos medo de expressar o que sentimos por medo de não sermos compreendidos ou de sermos punidos. Escondemos emoções porque fomos educados com a ideia de que se conter é uma demonstração de força.

Ninguém nos explicou que a vulnerabilidade é um exercício de bem-estar emocional que envolve confiança, honestidade e sensibilidade. Nesta sociedade, ainda prevalece a bipolaridade do forte e do vulnerável, do invencível e do fraco. Assim, esquecemos que ambas as dimensões não são opostas, mas sim complementares: há uma grande força na pessoa que se permite ser vulnerável.

Vulnerabilidade é, na verdade…

A vulnerabilidade melhora os relacionamentos amorosos porque, graças a ela, as pessoas se arriscam a revelar as suas emoções e necessidades para o outro. Na verdade, há uma grande coragem em quem exerce essa abertura emocional.

Afinal, aquele que se atreve a se mostrar diante do ser amado com suas partes quebradas, seus lados desgastados, com todos os seus vazios, com os seus medos e também com o seu amor infinito, está fazendo um grande ato de fé.

Trata-se de se mostrar ao outro como realmente somos para dizer: “é isso que eu sou; aqui estou com todas as minhas nuances, minhas luzes e minhas sombras; é isso que sinto e é disso que preciso”. Poucas coisas são tão aterrorizantes quanto mostrar a alguém essa forma de nudez. No entanto, somente dessa forma é que se constrói o refúgio onde residem a confiança, a autenticidade, o sentimento de pertencimento e a honestidade.

Se nos recusarmos a nos mostrar vulneráveis, é muito provável que nunca seremos magoados. No entanto, também garantiremos que nunca nos amem como queremos e merecemos.

Quando o amor se alimenta do medo

Acontece com frequência: os relacionamentos fracassam por causa da falta de intimidade e conexão. Há pessoas que são como cercas ambulantes: ninguém pode cruzar suas fronteiras, ninguém pode ir além da sua resistência emocional. Isso ocorre porque o ser humano, além de carne, ossos e pele, também é feito de medos.

Tememos não ser dignos de amor; temos medo de expressar o que precisamos porque temos medo de não sermos compreendidos, de que o outro nos julgue, ria ou invalide nossos sentimentos. Porém, é importante entender que, se a vulnerabilidade melhora os relacionamentos amorosos, é porque os medos se extinguem quando dão lugar à sinceridade.

O afeto requer coragem e, para construir uma intimidade verdadeira, precisamos nos abrir emocionalmente. Isso é exatamente o que nos explica um estudo da Universidade de Maryland. O exercício da vulnerabilidade fortalece a intimidade do casal e isso se reflete até mesmo na saúde física e mental.

As pessoas que são mais abertas e vulneráveis em seus relacionamentos amorosos experimentam menos medo, vergonha e resistência para se comunicarem.

Casal falando sobre como a vulnerabilidade melhora os relacionamentos amorosos

A vulnerabilidade melhora os relacionamentos amorosos

O amor deve ser dado sem filtros ou distorções. Por isso, as pessoas que mantêm um relacionamento estável e feliz sabem que o exercício da vulnerabilidade é uma necessidade. Sem ela, nada tem sentido ou transcendência. Tanto assim que os benefícios que trazem ao vínculo é como o cimento que forma a base do lar emocional construído a dois.

Estes seriam alguns exemplos do que esta dimensão nos proporciona:

  • Permite que nos sintamos apoiados e compreendidos ao expressar o que precisamos.
  • Isso nos humaniza. Ou seja, permite que nos vejamos da forma como realmente somos, com defeitos e virtudes, com medos e necessidades.
  • Potencializa a empatia no relacionamento.
  • Permite-nos descobrir a cada dia que estamos com a pessoa que realmente amamos.
  • A confiança e a comunicação se fortalecem.
  • Permite-nos lidar com mal-entendidos, emoções de valência negativa, desafios e problemas.
  • Ajuda a fortalecer o amor-próprio. Sabemos que aquilo que sentimos, pensamos e necessitamos é importante, tanto para nós mesmos quanto para o outro.

Para concluir, já é hora de parar de associar a vulnerabilidade com a fraqueza. Afinal, somente aqueles que dão um passo em direção à vulnerabilidade descobrem os seus pontos fortes.

Pode interessar a você...
Sua força está em sua vulnerabilidade
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Sua força está em sua vulnerabilidade

Você é mais corajoso do que pensa, pois ainda que possa parecer surpreendente, sua vulnerabilidade também é sua força.



  • Prager, K. J. (1995). The psychology of intimacy. New York, NYGuilford Press.
  • Reis, H. T., Shaver, P. R. (1988). Intimacy as an interpersonal process. In Duck, S., Hay, D. F., Dale, F., Hobfoll, S. E., Ickes, W., Montgomery, B. M. (Eds.), Handbook of personal relationships: Theory, research and interventions (pp. 367389). Oxford, UKJohn Wiley & Sons.
  • Sanford, K. (2010). Assessing conflict communication in couples: Comparing the validity of self-report, partner-report, and observer ratings. Journal of Family Psychology, 24, 165174
  • Khalifian CE, Barry RA. Expanding intimacy theory: Vulnerable disclosures and partner responding. Journal of Social and Personal Relationships. 2020;37(1):58-76. doi:10.1177/0265407519853047