A comunicação assertiva na família

· novembro 13, 2018

A comunicação é a base para ter uma boa relação com os nossos filhos. Como podemos conseguir que eles nos escutem? Parece algo difícil, não é verdade? No entanto, é mais fácil do que imaginamos se estabelecermos uma comunicação assertiva na família.

A comunicação assertiva na família significa expressar a nossa opinião de forma consciente, coerente, clara, direta e equilibrada; sua finalidade é a de comunicar as nossas ideias e sentimentos, sem a intenção de ferir ou prejudicar, agindo desde um estado interior no qual existe a confiança.

É essencial ter uma comunicação assertiva na família para fortalecer as relações entre os seus membros. A boa comunicação é refletida em vínculos saudáveis, respeito mútuo, afeto, carinho e companheirismo, seja na relação dos pais, deles com os filhos, ou entre os irmãos.

“Quando você diz ‘sim’ para outras pessoas, assegure-se de que não está dizendo ‘não’ a si mesmo”.
– Paulo Coelho –

A forma mais saudável de se comunicar

Alguma vez você ficou pensando que deveria ter dito algo e não disse? Talvez você tenha sido passivo.

Alguma vez você disse algo e se sentiu mal, porque pensou que ficou parecendo um tirano? Você sentiu que os outros não puderam dizer o que pensavam devido à sua atitude? Nesse caso, talvez você tenha sido agressivo.

Família se divertindo

Existem três formas principais de comunicação:

  • A forma passiva. Geralmente um dos membros não expõe as suas preocupações, fala em um tom de voz mais baixo, aceita sem entender o que está sendo pedindo. Esta forma passiva leva a uma relação de desigualdade e desvantagem diante do outro membro da família. Gera sentimentos de baixa autoestima e não promove vínculos afetivos saudáveis.

  • A forma ou estilo de comunicação do tipo agressiva. É composta por mensagens confusas, as quais podem incluir gritos, broncas, e inclusive insultos. Da mesma forma, este tipo de comunicação distancia emocionalmente os membros da família, já que ela gera rejeição, medo e ressentimento. Além disso, é uma forma de violência emocional, e por isso não deve ser utilizada.

  • A forma assertiva, a mais recomendável. Envolve o respeito, o diálogo e a negociação. Ela permite fortalecer as relações familiares em um contexto de respeito e confiança, e também proporciona uma autoestima saudável para as crianças.

“A diferença básica entre ser assertivo e ser agressivo é que nossas palavras e comportamentos afetam os direitos e o bem-estar dos outros”.
– Sharon Anthony Bower –

Benefícios da comunicação assertiva na família

Desenvolver uma comunicação assertiva na família vai repercutir de maneira positiva em nossa saúde emocional e mental, além de nos permitir ver a realidade com mais clareza e estabelecer relações mais sólidas com os membros da família. Além disso, ela favorece:

  • A redução do estresse.

  • A melhora de suas habilidades sociais e pessoais.

  • O melhor controle dos impulsos ou da raiva.

  • A melhora da sua autoestima.

  • Um melhor entendimento das suas emoções.

  • Você se respeita e ganha o respeito das outras pessoas.

  • A melhora das suas habilidades para tomar decisões.

  • Um ganho em satisfação pessoal.

“A forma como nos comunicamos com os outros e com nós mesmos, em última instância, determina a qualidade das nossas vidas”.
– Anthony Robbins –

O problema de escutar para responder e não para entender

Alguns conselhos para propiciar uma comunicação assertiva na família:

1. Evite as comparações

Em algumas ocasiões, nós, os pais, comparamos demais os nossos filhos com as outras crianças para indicar a eles os seus erros. No entanto, isso pode gerar insegurança e um sentimento de inferioridade.

Além disso, existe o perigo deles adotarem como próprio o hábito de se compararem com os outros nos aspectos em que são inferiores.

Se você não criar a autoconfiança nos seus filhos, dificilmente eles conseguirão ter uma comunicação assertiva em outros âmbitos nos quais tenham que mostrar o seu desempenho.

Cada criança, assim como cada pessoa, é única. A maioria das comparações é injusta ou não está bem estruturada: cada indivíduo enfrenta circunstâncias muito particulares, e isso também ocorre com as crianças.

2. Seja mais empático

Uma comunicação assertiva se baseia no respeito com a outra pessoa. Antes de nos dirigirmos aos nossos filhos, dediquemos um tempo a pensar no que vamos dizer a eles e em como vamos fazer isso, especialmente quando a mensagem que queremos transmitir é importante.

Também devemos inspirar neles a empatia com as outras pessoas. Se toda a família começa a compreender o que o outro está pensando e sentindo, vai ser mais fácil manter um diálogo e fazer com que as discussões não destruam a confiança.

“A comunicação efetiva começa com a escuta”.
– Robert Gately –

Mãe consolando sua filha

3. Peça a opinião deles

Uma educação autoritária limita a comunicação assertiva, porque enquanto os pais mandam, os filhos só obedecem. Não favorece que as crianças se expressem com respeito às decisões que envolvem a família, o que é uma forma de dizer a elas que sua voz não importa.

Deixe que os seus filhos opinem sobre os assuntos que requerem a sua participação. Assim, eles vão se desenvolver com mais confiança, saberão que o seu ponto de vista é importante para você e que também podem apresentar argumentos para tomar a melhor decisão.

4. Expresse-se

Você não pode esperar que seus filhos expressem os seus sentimentos e pensamentos se você não faz isso. Converse com eles sobre como foi o seu dia, as suas inquietudes e os seus interesses. Do mesmo modo, escute atentamente quando estiverem contando algo.

Quando você souber que eles cometeram algum erro, dê-lhes um conselho em vez de julgá-los e dar broncas. Desta forma, você vai alimentar a confiança deles para que compartilhem com você as suas inquietudes.

Ser compreensivo não significa deixar de chamar a atenção quando os limites são extrapolados. Neste sentido, não esqueça que a sua atuação está destinada a não repetir o erro cometido.

Por outro lado, lembre-se de que muitas lições são aprendidas com o exemplo. Você, que é o modelo a ser seguido pelos seus filhos, é o primeiro que deve utilizar um estilo de comunicação assertiva para que eles aprendam a aplicá-lo em suas próprias vidas.