7 conselhos budistas para enfrentar momentos difíceis

fevereiro 21, 2020
Os budistas dizem que, para enfrentar momentos difíceis, é melhor não lutar contra a corrente, mas tornar-se flexível e ser inteligente para que a própria solução nasça da adaptação e da otimização dos nossos recursos.

Para enfrentar momentos difíceis, você precisa de mais do que boa vontade e atitude. No entanto, isso pode ajudar muito, se necessário.

A vida não segue um roteiro fácil de interpretar. A contradição, as carências e os desejos insatisfeitos são elementos da paisagem cotidiana. Uma característica da neurose é acreditar que só nós temos problemas, mas os outros não.

Os budistas têm uma maneira diferente de encarar os problemas. Ao contrário dos ocidentais, eles não insistem em negá-los ou em tentar resolvê-los o mais rápido possível. A sua atitude é mais adaptativa e é por isso que eles têm chaves importantes para enfrentar momentos difíceis.

Existem situações e situações. Uma coisa é lidar com um celular que não funciona e outra é lidar com um divórcio ou a morte de um ente querido. No entanto, os budistas nos ensinam que as duas situações são uma oportunidade para desenvolvermos habilidades indispensáveis, aquelas que nos ajudarão a enfrentar dificuldades posteriores.

A seguir, vamos compartilhar o que eles recomendam.

“A arte de superar grandes dificuldades é estudada e adquirida com o costume de enfrentar as pequenas dificuldades”.
– Cristina Trivulzio di Belgioioso –

1. Não lute contra a corrente

Não faça isso, principalmente se a corrente for forte. Uma maneira inteligente de enfrentar os momentos difíceis é não se opor a eles. Quando há circunstâncias adversas, a tentação de gastar muita energia tentando evitar o inevitável é muito grande.

Aceitar é um dos grandes passos para resolver um problema, o primeiro para reconhecer os seus limites. Admita que as coisas são como são, mesmo que contrariem os seus desejos. Essa aceitação economiza esforços inúteis e nos coloca em uma perspectiva mais realista e positiva.

Mulher de olho fechados refletindo

2. Olhe para dentro para enfrentar momentos difíceis

É fácil “cair na tentação” de explicar situações complicadas com base em fatores externos. É verdade que muitas dificuldades são influenciadas por fatores fora do nosso controle. No entanto, somos nós e somente nós que escolhemos a maneira como respondemos a tudo isso.

Em todas as situações, por mais difíceis que sejam, sempre há algo que podemos fazer, principalmente no nosso mundo interior. Antes de buscar culpados ou acusar a sorte de nos dar as costas, vamos tentar responder à questão de como abrir um espaço em nosso interior para essas experiências difíceis, de forma que elas não nos contaminem.

3. Qualquer erro ou privação envolve um aprendizado

Para enfrentar os momentos difíceis, pare de vê-los como algo indesejável, que merece ser erradicado o mais rápido possível. Muitas vezes, a extrema facilidade ou o extremo conforto não nos permitem aprender nada.

Uma situação difícil é sempre uma oportunidade de aprender. Ou sobre nós mesmos ou sobre a realidade externa. A dor revela novas facetas da vida, do nosso interior ou daqueles que nos rodeiam. É importante valorizar isso.

4. Acontece o que deve acontecer

Tudo que acontece é o resultado de vários fatores que se conjugam para que isso aconteça. Assim como nenhum grande triunfo chega sem razões, nenhuma dificuldade ou perda ocorre “porque sim”. O mundo funciona como deveria funcionar.

O hoje é uma síntese de ontem. Todo fato e todo ser humano é fruto de tudo que o precede. Portanto, acontece o que deve acontecer, nem melhor nem pior, apenas o que deveria ser. Se pudermos visualizar os fatos a partir dessa perspectiva, poderemos aceitá-los e integrá-los melhor à nossa história pessoal.

5.  Enfrentar os momentos difíceis agora, não mais tarde

As situações difíceis são, por si só, um chamado à mudança. Há um erro, uma perspectiva equivocada ou alguma ação que resultou em uma situação que experimentamos como problemática.

Portanto, é mais apropriado aceitar as mudanças dentro de nós, aqui e agora. Não é aconselhável esperar que a tempestade passe para depois tomar as medidas necessárias. Quando estamos no meio da tempestade, precisamos mobilizar os nossos recursos para enfrentá-la.

Homem diante de lago

6. Busque o caminho do riso para enfrentar os momentos difíceis

O melhor antídoto contra a desesperança e o pessimismo é o riso. Ele se torna muito mais valioso nos momentos em que todas as portas parecem fechadas ou os problemas parecem sobrecarregar a nossa capacidade de assumi-los.

Nessas situações, o riso equivale a uma bênção. É provável que ele não surja espontaneamente e, portanto, deve ser procurado. Quais situações o levam a sorrir? São essas situações que você deve buscar.

7. Afaste a vitimização

A vitimização traz algum prazer àqueles que a usam. Gera benefícios, mas estes são falsos. Significa abandonar a aspiração de assumir o controle, de tentar implementar estratégias eficazes de enfrentamento com os recursos que temos.

A vitimização apenas prolonga as dificuldades e reduz a sua autonomia. A longo prazo, isso não resolve nada, mas contribui para a sua tristeza. Não é uma opção razoável, pois com o passar do tempo, trará apenas mais e mais limitações.

O mais importante desses conselhos budistas para enfrentar as dificuldades é que eles constituem critérios saudáveis ​​para promover a paciência, fortalecer o poder que temos sobre nós mesmos e tolerar os maus momentos, tirando o melhor deles.

Varela, F. (2010). El fenómeno de la vida. Comunicaciones Noreste Ltda.