Coragem é fazer as coisas acontecerem

30 Setembro, 2020
A coragem faz as pessoas agirem como se não tivessem medo, e permite fazer as coisas acontecerem mesmo nas piores circunstâncias. Assim, pessoas corajosas são aquelas que promovem mudanças para alcançar o bem-estar ou a liberdade.

O que torna uma pessoa corajosa? Talvez seja a falta de medo e a grande determinação? A psicologia tem analisado essa dimensão há anos. O consenso, por mais curioso que seja, é que a coragem é tão simples quanto fazer as coisas acontecerem. Trata-se de gerar mudanças positivas, mesmo em circunstâncias difíceis, em situações em que os outros desistiriam.

Martin Seligman, promotor da psicologia positiva, destacou que a coragem é a dimensão que atua como um dos componentes mais curativos durante a terapia. Além disso, tem raízes genéticas, educacionais e ambientais.

Os pais costumam incutir nos filhos uma atitude proativa em relação à vida para lembrá-los de que, às vezes, eles precisam colocar o medo de lado para alcançar seus objetivos. As pessoas que não tiveram esses reforços na infância e cresceram com inseguranças ou que sofreram uma experiência traumática muitas vezes carecem dessa coragem.

Por isso, Seligman a concebe como um elemento essencial no processo terapêutico. Ela deve surgir graças ao trabalho entre o profissional e o esforço do paciente. Assim, quando a pessoa realiza uma mudança, fica claro que ela aprendeu a valorizar a sua própria determinação. Em outras palavras, ela terá motivação suficiente para transformar a sua vida.

É aí que ela decide moldar e alcançar uma nova etapa na qual sentirá mais controle e segurança para alcançar o bem-estar. Essa é a melhor coragem de todas, a mais enriquecedora.

Homem explorador

Coragem é fazer as coisas acontecerem

A literatura científica diz que a coragem surge como resultado de uma luta primária contra emoções como o medo. Do ponto de vista neurobiológico, envolve regular a influência da amígdala, a região do cérebro relacionada às emoções mais intensas, a mesma que nos paralisa e sequestra nossos pensamentos ao assumir o poder.

Da mesma forma, também implica aprimorar áreas como o córtex pré-frontal, ligado à tomada de decisões, à reflexão e ao planejamento, e a atenção aos estímulos ambientais sem a influência do medo ou da angústia. Inclusive, muitas das pesquisas disponíveis sobre esse tipo de comportamento vêm da esfera militar (Neria, Solomon, Ginzburg e Dekel (2000)) e de histórias em que certos soldados realizaram atos heróicos quando estavam sob um grande perigo.

“Apenas me mantive calmo e fiz o que tinha que fazer”, dizem muitos desses jovens treinados para atuar em situações de risco. Mas e os civis? Alguém pode ser um herói sem treinamento militar?

Os médicos Uhri Kugel e Catherine Haussman conduziram um estudo na Universidade de Oxford em que revelaram dados que vale a pena conhecer. Vamos analisá-los.

Embora a coragem seja muitas vezes romantizada é, na verdade, uma habilidade cognitiva

Coragem é fazer as coisas acontecerem porque, com ela, você promove mudanças. Além disso, coragem é se concentrar em uma meta em meio a circunstâncias adversas. E não, você não precisa ser um herói que luta contra dragões. De acordo com a ciência atual, a coragem é uma habilidade cognitiva que qualquer pessoa pode aprender e aplicar.

Basicamente, consiste em acender sua vontade de agir apesar do medo, em ser capaz de olhar para a incerteza e a dúvida para então seguir em frente e agir. Você pode conseguir algo assim trabalhando as seguintes dimensões:

  • Gerenciar adequadamente a ansiedade. Se você for capaz de reconhecer os padrões de pensamento que o prendem, poderá redefinir sua mentalidade para agir.
  • Estar emocionalmente consciente. Isso consiste em saber se conectar com as suas emoções para transformá-las e usá-las a seu favor.
  • Lembrar-se de quais são os seus valores, propósitos vitais e objetivos pessoais.
  • Desenvolver uma capacidade muito específica de visualizar as mudanças desejadas que você alcançará se tiver coragem.
Mulher apreciando sua liberdade

Coragem é fazer as coisas acontecerem para ter uma realidade mais satisfatória

Franco, Blau e Zimbardo (2011) definiram a coragem como a capacidade de agir pró-socialmente apesar do risco pessoal. Atualmente, essa definição tem recebido algumas críticas. Isso porque a coragem nem sempre visa salvar os outros. Em vez disso, a coragem é necessária principalmente para salvar a si mesmo.

Como apontou Martin Seligman, para que a terapia psicológica seja eficaz, você deve despertar sua coragem. Em outras palavras, você deve acender sua determinação para superar seus medos, limitações e inseguranças. Dessa forma, você se sentirá mais capacitado para alcançar o que deseja. Além disso, você será capaz de promover mudanças que o aproximem da felicidade.

Como se costuma dizer, as pessoas muitas vezes vivem de fé e esperança. No entanto, o que realmente pode transformar sua realidade é a ação. Isso porque a coragem é uma mistura de emoções, pensamentos e sentimentos orientados para o avanço, para promover algo positivo, seja para si mesmo ou para os outros. Vale a pena ter isso em mente.

  • Uri Kugel, Catherine Hausman, Laurie Black, and Bruce Bongar (2017) Psychology of Physical Bravery Psychology of Physical Bravery- Psychology, Social PsychologyOnline Publication Date: Jul 2017DOI: 10.1093/oxfordhb/9780199935291.013.36
  • Neria, Y. Y., Solomon, Z. Z., Ginzburg, K. K., & Dekel, R. R. (2000). Sensation seeking, wartime performance, and long-term adjustment among Israeli war veterans. Personality and Individual Differences29, 921–932. doi:10.1016/S0191-8869(99)00243-3