Uma criança que faz bullying pode ser um adulto narcisista sem empatia

Uma criança que faz bullying não tem empatia nem consciência das emoções adversas e da baixa autoestima que habitam dentro dela. Tudo isso é uma bomba-relógio para o adulto de amanhã, alguém que certamente continuará usando as mesmas estratégias de intimidação.
Uma criança que faz bullying pode ser um adulto narcisista sem empatia

Última atualização: 09 Agosto, 2021

A criança que faz bullying, que não tem limites ou não é educada no respeito e na empatia hoje, pode se tornar um adulto narcisista e maquiavélico amanhã. Além disso, os meninos e meninas que fazem bullying nas escolas continuarão a usar a intimidação no futuro para ganhar poder e aumentar a sua autoestima. Estamos diante de uma realidade social com um impacto maior do que pensamos.

Frequentemente, costumamos comentar com grande acerto que o bullying é um monstro com cara de criança. Porém, algo que nem sempre levamos em consideração é a importância que esse tipo de comportamento nocivo pode ter depois de algumas décadas. Sabemos que a vida não é fácil para nenhuma vítima de bullying escolar. Essas experiências deixam uma marca indelével que, em muitos casos, se transforma em trauma.

O drama social é imenso. Agora, o que acontecerá amanhã com a criança que faz bullying? E com aquele adolescente tão hábil em intimidação física, psicológica, verbal e até no cyberbullying? O valentão do colégio, aquele garoto ou garota a quem ninguém impõe limites, pode se tornar, em um futuro não muito distante, um tipo de personalidade muito prejudicial em qualquer ambiente.

“Quando alguém é cruel ou age como um valentão, não se coloque no mesmo nível. Quanto mais baixo eles caem, mais alto devemos estar”.
– Michelle Obama –

Criança que faz bullying

A criança que faz bullying e o nosso fracasso como sociedade

A figura da criança que faz bullying é, de certa forma, a essência do nosso fracasso como sociedade. Embora o termo ‘bullying’ tenha surgido na década de 1980, na realidade a violência na sala de aula sempre existiu. No entanto, hoje temos mais meios para exercer esta intimidação. Fatores como as novas tecnologias intensificam (e facilitam) que a criança e o jovem assediador tenham mais espaço para exibir a sua agressividade.

Quando indagamos sobre a origem desse tipo de dinâmica, baseada no assédio e na violência entre iguais nas escolas, é necessário apontar que estamos diante de uma realidade multifatorial. É a criação e a educação, são os modelos parentais, é a normalização da violência, são as próprias escolas sem mecanismos de prevenção eficazes, sem ferramentas de ação, e são também aqueles alunos que veem o bullying no dia a dia e se mantêm calados.

Poderíamos falar sobre muitos outros gatilhos, mas também estamos interessados ​​em outro aspecto. O que fazer com uma criança que faz bullying? Neste aspecto, falhamos novamente como sociedade. A estratégia clássica de se concentrar em punir o agressor e apoiar a vítima é insuficiente. Precisamos de maiores estratégias, melhores abordagens e sensibilidades mais práticas tanto para a vítima quanto para quem exerce a violência em todas as suas formas.

Deixar de fazer isso da maneira correta ou simplesmente deixar a pessoa vítima de lado e o agressor no esquecimento pode ter consequências significativas.

Menino excluído na escola

A criança que faz bullying pode se tornar um adulto violento e narcisista

Nas salas de aula, temos meninos e meninas que agem como os valentões do ensino médio. Alguns agem sozinhos e outros em grupo, mas quase sempre contam com o apoio de um grupo próximo e com a lei do silêncio de quem presencia o abuso e não o denuncia. Seja como for, o centro do poder recai sobre um indivíduo que, desde muito cedo, aponta para um perfil específico.

  • Os médicos Effrosyni Mitsopouy e Theodoros Giovalias, da Universidade de Atenas, realizaram um estudo em 2015 para entender quais fatores de personalidade podem explicar o bullying em crianças e adolescentes.
  • Este trabalho revelou que o mais evidente era a falta de empatia, tanto afetiva quanto cognitiva. O agressor não consegue se colocar no lugar da vítima. O seu único objetivo é humilhar e ganhar poder e reforço com essa prática diária.
  • Por sua vez, por trás dessas crianças há uma notável falta de autoestima, uma clara incapacidade de controlar emoções adversas, bem como a recusa em assumir a responsabilidade pelos seus próprios atos.
  • São também crianças e adolescentes com um pensamento muito rígido, levam em consideração apenas as suas próprias posições e perspectivas pessoais.
  • Da mesma forma, algo que  ficou evidente neste estudo é que estas são crianças que normalizaram totalmente a violência. É o seu instrumento e eles a utilizam diariamente. Essa é também a linguagem que utilizam com eles em casa, é o que eles veem em seus lares e é também a válvula de escape que usam para dar vazão à sua frustração.

A criança que faz bullying e o adulto narcisista de amanhã

Em 2013, as médicas Holly M. Baughman e Sylvia Dearing, do Departamento de Psicologia da University of Western Ontario, no Canadá, descobriram algo impressionante. A criança agressora acaba, em muitos casos, delineando na idade adulta o que é conhecido como a tríade sombria. O que significa isso?

A tríade sombria refere-se aos padrões de personalidade em que alguém pontua alto em três dimensões específicas: narcisismo, maquiavelismo e psicopatia. Os fatores ou traços mais característicos que aparecem na idade adulta são os seguintes:

  • Instabilidade emocional.
  • Impulsividade.
  • Necessidade de ser o centro das atenções.
  • São manipuladores habilidosos e frios.
  • Precisam ter controle sobre os outros e exercer o poder.
  • O narcisismo e a falta de empatia que já eram visíveis na infância e na adolescência se manifestam mais claramente na idade adulta.
  • Comportamento antissocial em muitos casos.
  • Ausência de remorso quando praticam comportamentos abusivos ou negativos em relação a outras pessoas.
Homem maquiavélico

Conclusões

Somos uma sociedade que costuma levantar bandeiras e se definir como madura, empática, sensata e equilibrada. No entanto, basta arranhar um pouco a superfície e ir para ambientes mais privados para perceber que nem sempre é assim. Os dados nos dizem que os assediadores são cada vez mais jovens e, o que é pior, mais agressivos.

Vemos crianças de sete anos que já intimidam os colegas. Quando chegam à adolescência, boa parte dos que não praticam o bullying aprenderam a ser cúmplices, a observar, rir, silenciar e compartilhar o sofrimento das vítimas nas redes sociais. Quando atingem a idade adulta, esses padrões de comportamento e personalidade já se normalizaram completamente.

Olhar para o futuro também é responsabilidade de todos. Amanhã, a criança que pratica o bullying pode ser um diretor narcisista e sem empatia que dirige uma empresa. Também pode ser o nosso parceiro ou mesmo aquele vizinho que maltrata a sua família na privacidade do seu lar.

Vamos pensar nisso e gerar mudanças. Estejamos mais atentos a essa realidade, porque se o bullying hoje tem cara de criança, amanhã será um adulto que aprendeu a usar a violência como forma de vida.

Pode interessar a você...
Quais são as características das mulheres psicopatas?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Quais são as características das mulheres psicopatas?

Embora haja menos mulheres psicopatas do que homens com transtorno de personalidade psicopática, elas também estão presentes na nossa sociedade.



  • Baughman, HM, Dearing, S., Giammarco, E., y Vernon, PA (2012). Relaciones entre las conductas de acoso y la Tríada Oscura: un estudio con adultos. Personalidad y diferencias individuales , 52 (5), 571–575. https://doi.org/10.1016/j.paid.2011.11.020
  • Mitsopoulou, E., y Giovazolias, T. (2015, 1 de marzo). Rasgos de personalidad, empatía y comportamiento de acoso: un enfoque meta-analítico. Agresión y comportamiento violento . Elsevier Ltd. https://doi.org/10.1016/j.avb.2015.01.007
  • Swearer, S. M., Collins, A., & Berry, B. (2012). Bullying. In Encyclopedia of Human Behavior: Second Edition (pp. 417–422). Elsevier Inc. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-375000-6.00077-X