Crianças com baixa autoestima

· agosto 14, 2018

Você acredita que cada um nasce com um certo tipo de autoestima? Você acha que amar a si mesmo é algo importante para o dia a dia? É possível influenciar o desenvolvimento da autoconfiança na infância? Neste artigo tentaremos responder a estas perguntas e falaremos sobre as crianças com baixa autoestima.

A autoestima é uma peça fundamental do enigma de cada um. É sobre ela que construímos todo o nosso ego. Portanto, é importante trabalhá-la desde cedo. Sensibilizar as crianças para a importância de valorizarem a si mesmas é fundamental, é a chave para construir bases estáveis, capazes de mantê-los nos momentos mais críticos, em vez de fazê-los cambalear.

Há muitas ações que podemos realizar sem perceber que, em vez de fortalecer a autoestima dos nossos filhos, gradualmente a enfraquecem. Algumas das mais comuns são as seguintes:

  • Felicitar e recompensar nossos filhos por ações que não dependam deles. Por exemplo, ser bonito ou ser alto. Isso fará com que as crianças não desenvolvam suas habilidades ou se sintam orgulhosas de seu trabalho ou do que fazem. Como consequência, terão uma baixa autoestima.
  • Não deixar que nossos filhos tenham responsabilidades. Isso acontece quando damos tudo a eles sem terem que fazer um esforço para melhorar, e quando não os ensinamos a ter consciência de todo o seu mundo interno ou de tudo que as suas decisões envolvem. Agindo desta maneira, eles não serão capazes de perceber tudo o que valem quando fazem bem as coisas, nem poderão se encarregar de seus sentimentos e das consequências derivadas de suas ações.
  • Não lhes mostrar afeto. O amor incondicional fortalece as crianças. Se eles se sentirem amados e queridos, vão desenvolver uma boa autoestima. Assim, irão crescer sabendo que suas ações podem ser boas ou ruins, mas sempre haverá alguém que os ama e protege.
  • Impedir que se expressem. Quando não nos permitimos expressar o que temos dentro de nós, não nos conhecemos realmente; por isso, não podemos construir uma boa imagem de nós mesmos. Como consequência disso, uma criança que é impedida de se expressar e exaltar suas opiniões e emoções irá desenvolver uma baixa autoestima.

O desenvolvimento da autoestima na infância

Como vemos, é fundamental educar conscientemente a partir do respeito e do amor através de uma comunicação sincera e clara, para ajudar as crianças a desenvolver uma autoestima saudável. Para fazer isso, é essencial entender o que é a autoestima. Vamos nos aprofundar.

O que é autoestima?

A autoestima é a percepção que temos sobre nós mesmos, é como nos valorizamos. Um processo que começa desde a infância e que flutua ao longo do desenvolvimento evolutivo. Portanto, a autoestima é o ato de valorizar, amar e priorizar a nós mesmos. É o amor próprio que professamos.

A autoestima é o que nos faz nos reconhecer diante do espelho e amar o que vemos. Uma boa autoestima fornece uma base estável para construir sobre ela. Quando essa base falha, falha tudo o que somos.

Crianças com baixa autoestima não aprenderam a se amar acima de suas ações específicas. Não aprenderam a valorizar a si mesmas, não se esforçam se falham da primeira vez, porque não sabem quais são os objetivos a longo prazo. Não aprenderão a amar outra pessoa porque não sabem amar a si mesmas.

As crianças com baixa autoestima são os adultos que sofrerão se não resolverem seu problema porque estão acorrentados ao desconforto, à dependência dos outros e à autodepreciação. Em geral, não estão preparados para o mundo porque não desenvolveram um amor incondicional por si mesmos. É como se fossem invisíveis aos seus olhos.

A autoestima permite nos desenvolvermos com amor e segurança. Ela nos ajuda a criar uma boa imagem de nós mesmos, que projetaremos em todos os nossos relacionamentos. É o nosso maior tesouro; e por essa razão, devemos cuidá-la e trabalhá-la. Devemos dedicar o tempo que ela merece e mimá-la, porque uma boa construção e desenvolvimento da autoestima nos permite crescer em calma.

As crianças com baixa autoestima crescem em desconfiança, desvalorização e insegurança em relação a si mesmas.

Crianças com baixa autoestima podem melhorar?

Como já dissemos, a autoestima começa a ser construída a partir de muito cedo. As primeiras palavras que dedicamos às crianças influenciam o seu desenvolvimento. Por isso, devemos estar conscientes da importância da linguagem que usamos e de tudo que projetamos sobre elas. As crianças tiram referências de fora para construir pouco a pouco tudo que são. As referências que terão no início serão as dos adultos que as acompanham durante os primeiros anos de vida.

Menino com baixa autoestima abraçando seu pai

Agora, o que se aprende durante a infância é imutável? Felizmente não. O ideal seria que todos nós pudéssemos crescer em um ambiente com um vínculo de apego seguro; isto é, com amor incondicional, capacidade de exploração e senso de proteção. No entanto, as crianças que não têm essa sorte e crescem desenvolvendo um abaixa autoestima vão precisar de uma reconstrução de sua própria imagem no futuro.

Assim, as crianças com baixa autoestima terão que enfrentar desafios e ver que podem falhar. Terão que perceber que são importantes, que são muito mais do que suas ações, que não são elas que os definem, mas todo o seu conjunto como pessoas. Eles devem descobrir que o amor próprio exige paciência e que às vezes cometerão erros, mas que sempre poderão tentar novamente.

Como vemos, a autoestima nos faz ser quem somos e nos permite desenvolver todo o restante a partir de uma base segura. Portanto, o processo de desenvolver uma verdadeira confiança em nós mesmos é um dos mais importantes que poderemos realizar na vida.