Curiosidades sobre inteligência

A inteligência não tem necessariamente a ver com habilidades acadêmicas. A história está cheia de maus alunos que fizeram grandes contribuições. Descubra mais nesse artigo!
Curiosidades sobre inteligência

Última atualização: 16 maio, 2022

A inteligência é um fenômeno fascinante sobre o qual ninguém disse a última palavra. Existem até mesmo fortes controvérsias em torno de sua definição e, portanto, não há um significado único para esse conceito. De fato, a ciência ainda não decifrou todos os enigmas dessa faculdade.

Portanto, tudo o que é dito sobre inteligência poderia ser tomado como uma “verdade transitória” ou, pelo menos, relativa. Nem os especialistas concordaram se realmente existe apenas uma ou várias inteligências, nem que alcance elas têm ou em que medida são modificadas com as experiências de cada indivíduo.

Deve-se levar em conta que também não há acordo sobre como medir a inteligência. Os famosos testes de quociente de inteligência (QI) têm tantos apoiadores quanto detratores. Além disso, todos nós sabemos, você pode ser inteligente e pouco inteligente ao mesmo tempo. A maioria de nós carrega essa ambiguidade. Vejamos, em todo caso, algumas curiosidades sobre inteligência.

A diferença entre um homem inteligente e um tolo é que o primeiro se recupera facilmente de seus fracassos, e o segundo nunca consegue se recuperar de seus sucessos.”

-Sacha Guitry-

mente com mecanismos
O conceito de inteligência é arbitrário, assim como o quociente de inteligência (QI).

Algumas curiosidades sobre inteligência

Durante muito tempo, e de diferentes vertentes, foram feitas tentativas para especificar as características que definem a inteligência. Ou melhor, se há características específicas nas pessoas que chamamos de inteligentes. Parece haver apenas um traço sobre o qual parece haver total concordância: curiosidade.

Pessoas inteligentes são curiosas por natureza. Elas precisam entender e estão ansiosos para saber mais. Além dessa característica, parece que a inteligência também é frequentemente acompanhada por traços como os seguintes:

  • Não compartilhar as tendências da maioria.
  • São pessoas de mente aberta.
  • Criatividade e adaptabilidade.
  • Busca por espaços de solidão e tendência a ser ativo à noite
  • Fazer perguntas com muita frequência.
  • A sensação de que se sabe pouco.
  • Ter múltiplos interesses.

Mais informações sobre inteligência

Há muito se discute se a inteligência é uma faculdade fixa ou não. Em outras palavras, nascemos com um nível de inteligência já definido, que permanecerá mais ou menos estável para sempre?

As respostas a essas perguntas não são absolutas. Muito provavelmente, há um limite para nossa inteligência definido pela genética, mas, ao mesmo tempo, talvez o mais importante não seja qual é esse nível, mas como o potencializamos e o usamos.

É muito provável que a maioria das pessoas não desenvolva todas as habilidades intelectuais que possuem inatamente. Isso não é o mesmo que dizer que “só usamos um quarto do nosso cérebro“, mas que, nem no plano da inteligência, nem em muitos outros, conseguimos exercitar e, consequentemente, desenvolver, todas as habilidades potenciais que possuímos.

De qualquer forma, acredita-se agora que a inteligência é determinada 60% pela genética e 40% pelo ambiente. Portanto, as experiências que temos e o ambiente em que vivemos determinam quase metade da inteligência que temos.

homem pensando
A maior parte da inteligência é determinada pela genética.

Outras curiosidades sobre inteligência

Os dados que temos sugerem que a pessoa mais inteligente que já viveu foi um homem chamado William Sidis. Seu QI foi estimado entre 250 e 300, uma pontuação que não foi nunca mais alcançada.

No entanto, neste caso, como no de tantas “crianças prodígios”, muitos se perguntam por que não deixaram um legado mais significativo. Em geral, essas pessoas são muito proeminentes no meio acadêmico, mas raramente geram marcos históricos.

Em relação à inteligência, também existem muitos falsos mitos, como os seguintes:

  • Os canhotos não são mais inteligentes do que as outras pessoas.
  • Os brancos não são mais inteligentes do que outras etnias.
  • Os homens não são mais inteligentes que as mulheres.
  • Ouvir música de Mozart não nos torna mais inteligentes.
  • Jogos mentais também não nos tornam mais inteligentes, embora possam nos dar maior agilidade intelectual.

Da mesma forma, existem dados que todos devemos conhecer e levar em consideração:

  • As crianças cujos pais falam com elas, lêem para elas e ouvem música tendem a ser mais inteligentes.
  • A desidratação reduz a capacidade intelectual.
  • Pessoas que baseiam sua dieta em alimentos processados tendem a se sair pior em testes de inteligência.
  • O cérebro humano cresce até os 18 anos, por isso é preciso ter cuidado com o uso de drogas na adolescência.

Os dados acima são apenas alguns dos fatos curiosos sobre inteligência. A ciência ainda tem muito a investigar nesse sentido. Enquanto isso, talvez não devêssemos nos preocupar tanto em ser mais inteligentes, mas em agir de forma mais inteligente, o que não é a mesma coisa.

Pode interessar a você...
5 características de pessoas com alta inteligência existencial
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
5 características de pessoas com alta inteligência existencial

Pessoas com alta inteligência existencial vão além dos sentidos e do mundo material. Descubra como elas são e como elas pensam.



  • Egido, M. P. (2018). La psicologización de la educación: implicaciones pedagógicas de la inteligencia emocional y la psicología positiva. Educación XX1, 21(1), 303-320.
  • Gardner, H., Kornhaber, M., & Wake, W. (2000). Inteligencia: múltiples perspectivas. Revista Electrónica de LEEME, (25), 167-168.
  • Gistain, F. J. C., & Turet, M. S. (1990). La correlación herencia-ambiente en el desarrollo de la inteligencia: un estudio experimental. Revista de psicología general y aplicada: Revista de la Federación Española de Asociaciones de Psicología43(2), 187-192.
  • Marañón, R. C., & Andrés-Pueyo, A. (1999). El estudio de la inteligencia humana: recapitulación ante el cambio de milenio. Psicothema, 453-476.
  • Mora, J. A. (1991). La inteligencia como proceso básico. Anales de Psicología/Annals of Psychology7(1), 57-64.