Depressão anaclítica de René Spitz

25 Março, 2020
A depressão anaclítica é uma forma de depressão que ocorre durante o primeiro ano de vida, quando a criança é separada da mãe e não tem outros vínculos afetivos. É um estado grave que pode levar à morte.

Depressão anaclítica é um termo criado por René Spitz em 1945. Spitz era um psicanalista austro-americano que trabalhava como psiquiatra no Hospital Monte Sinai e como professor em várias universidades nos Estados Unidos. Ele era herdeiro dos postulados de Freud, mas se dedicou principalmente a atender crianças.

Spitz começou a estudar o desenvolvimento infantil em 1935, enquanto ainda residia na Europa. Ele usou a observação direta e o método experimental para os seus estudos. Todas as conclusões de Spitz têm uma sólida base empírica. Em 1945, ele conduziu uma pesquisa minuciosa em um orfanato e, a partir de suas observações, nasceu o conceito de depressão anaclítica.

“O que for dado às crianças, elas darão à sociedade”.
– Karl Menninger –

O trabalho desse psicanalista teve um grande impacto, tanto na comunidade científica quanto na sociedade em geral. Grande parte de sua pesquisa foi registrada no filme Psychogenic Disease in Early Childhood, realizado em 1952. Esse filme teve um impacto significativo e provocou uma mudança no modelo de atendimento de crianças em hospitais. Também permitiu que o mundo conhecesse o conceito de depressão anaclítica.

O que é depressão anaclítica

No início dos anos trinta, quando René Spitz começou a sua pesquisa, nos círculos acadêmicos pensava-se que as crianças eram incapazes de ter depressão. Alguns psicólogos argumentavam que os sinais depressivos eram clinicamente irrelevantes em crianças. Os psicanalistas, por outro lado, diziam que as crianças não tinham a capacidade necessária para refletir e que, portanto, era impossível ficarem deprimidas.

Apesar dessas crenças generalizadas, dois pesquisadores decidiram verificar por si mesmos qual era a validade do que era afirmado. Esses dois pesquisadores foram René Spitz, criador do conceito de depressão anaclítica, e John Bowlby, que estudou em detalhes a relação entre mãe e filho no início da vida do bebê.

Spitz concluiu que as crianças, desde a mais tenra idade, também ficavam deprimidas. Ele descobriu que esse estado incluía um quadro completo de sintomas bem definidos e que a criança reagia com essa forma de depressão à súbita separação de sua mãe ou aos vínculos de afeição por um período superior a três meses.

Bebê chorando

Características da depressão anaclítica

Spitz observou que a depressão anaclítica ocorre em crianças menores de um ano de idade. Ocorre quando o bebê desenvolve um vínculo com a mãe e sofre um afastamento repentino por um período de três meses. Se isso acontecer, a criança começa a mostrar todo um conjunto de sintomas depressivos.

Os sintomas mais visíveis são os seguintes:

  • O bebê perde a capacidade de se expressar através de seus gestos. Basicamente, ele para de sorrir.
  • Apresenta anorexia ou falta de apetite.
  • Tem dificuldade para dormir. As horas de sono são reduzidas ou alteradas.
  • Perda de peso.
  • Apresenta um atraso psicomotor global.

No caso de a privação emocional ser prolongada por um período superior a 18 semanas, todos os sintomas se agravam. A criança entra em um estado que Spitz chamou de “hospitalismo”. O bebê se torna incapaz de estabelecer contatos afetivos estáveis ​​e a sua saúde se torna muito frágil. Em muitos casos, isso leva à morte.

Os efeitos da pesquisa

Há referências a um experimento questionável realizado por Frederico II, o Grande, rei da Prússia. Dizem que ele ordenou a construção de um orfanato no qual as necessidades físicas das crianças fossem completamente atendidas.

Aspectos como higiene, alimentação, roupas, etc., eram completamente atendidos. No entanto, era proibido estabelecer um vínculo de afeto com os bebês. O resultado desse teste foi que a maioria dos bebês morreu pouco depois.

Bebê triste

Os estudos de René Spitz sobre a depressão anaclítica levaram a uma grande mudança na maneira de administrar orfanatos, pelo menos nos países mais desenvolvidos. Era evidente que os vínculos afetivos com os bebês eram tão ou mais importantes do que a própria comida. Por isso, as condições das crianças melhoraram acentuadamente nesses estabelecimentos.

A depressão infantil existe e aumentou em todo o mundo. Atualmente, o suicídio é a sexta principal causa de morte entre crianças de 5 a 14 anos. No entanto, não podemos esquecer que as crianças com privação afetiva em seus estágios iniciais desenvolvem problemas de comportamento com mais frequência e costumam ter uma vida tempestuosa.

  • Schonhaut, L. (2014). Desarrollo neuropsíquico del lactante. Revista chilena de pediatría, 85(1), 106-111.