Quando o desejo sexual da mulher desaparece

fevereiro 8, 2019

Os motivos pelos quais o desejo sexual da mulher desaparece são muito variados, e nem sempre vão incluir uma disfunção sexual. A libido da mulher tende a flutuar mais do que a do homem, e o desejo pode diminuir em ocasiões pontuais.

Diferentes pesquisas, como a realizada pela Universidade finlandesa de Turku, explicam que estas variações dependem, principalmente, de fatores relacionados com o parceiro.

Uma das causas pelas quais o desejo sexual da mulher pode diminuir é o transtorno da excitação sexual feminina. Este transtorno está documentado no Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM-5).

A falta de desejo sexual da mulher é um transtorno psicológico?

Quando falamos do transtorno da excitação sexual feminina, o desejo sexual da mulher realmente desaparece. No entanto, devemos considerar o contexto interpessoal no qual ela se encontra.

Uma diferença de desejo quando a mulher tem menos vontade de manter a atividade sexual que o seu parceiro não é suficiente para diagnosticar o transtorno, já que isso é natural em alguns casos e não entra no terreno da patologia.

Quando o desejo sexual da mulher desaparece

Critérios para diagnosticar o transtorno de excitação sexual feminina

O DSM-5 propõe uma série de critérios para avaliar e diagnosticar este transtorno. Se eles não forem cumpridos, a mulher afetada com baixo desejo sexual provavelmente não tem um transtorno psicológico. Vamos ver quais são esses critérios.

A. Ausência ou redução significativa do interesse/excitação sexual feminina, que se manifesta por meio de pelo menos um dos seguintes pontos:

  • Interesse ausente ou reduzido na atividade sexual.
  • Fantasias ou pensamentos sexuais ou eróticos ausentes ou reduzidos.
  • Iniciativa reduzida ou ausente da atividade sexual e falta de receptividade às tentativas do parceiro em iniciar essa atividade.
  • Excitação ou prazer sexual ausente ou reduzido durante a atividade sexual em quase todas, ou todas, as ocasiões (aproximadamente 75-100%) da atividade sexual do casal.
  • Excitação ou prazer sexual ausente ou reduzido em resposta a qualquer convite sexual ou erótico, interno ou externo (por exemplo, escrito, verbal e visual).
  • Sensações genitais ou não genitais ausentes ou reduzidas durante a atividade sexual em quase todas as ocasiões (aproximadamente 75-100%) da atividade sexual do casal.

B. Os sintomas do critério A se mantêm, no mínimo, durante seis meses.

C. Os sintomas do critério A provocam um mal-estar clinicamente significativo no indivíduo.

D. A disfunção sexual não é justificada por um transtorno mental não sexual, ou como consequência de uma alteração grave da relação (por exemplo, violência machista), ou outros fatores estressantes significativos. Também não pode ser atribuída aos efeitos de uma substância/medicamento ou a outra condição de saúde.

Mulheres diferentes, formas diferentes de expressar o desejo sexual reduzido

Podem existir diferentes sintomas em cada mulher, assim como algumas variações na maneira de expressar o interesse e a excitação sexuais. Não existem duas mulheres iguais.

Por exemplo, em uma mulher, o transtorno da excitação sexual pode se expressar como uma falta de interesse na atividade sexual. Também se soma uma ausência de pensamentos eróticos ou sexuais, e uma relutância em iniciar a atividade sexual e a responder aos convites sexuais.

Em outra mulher, ou na mesma em outra etapa da sua vida, as principais características podem ser a incapacidade de se excitar sexualmente e de responder com desejo sexual aos estímulos sexuais.

Falta de desejo sexual

Os problemas na relação amorosa podem ser uma das causas

O transtorno da excitação sexual feminina se associa, com frequência, com as dificuldades para chegar ao orgasmo. Também se associa à dor durante a atividade sexual, a uma atividade sexual pouco frequente e às discrepâncias de desejo no casal.

As dificuldades na relação e os transtornos do humor também são características que estão ligadas a este transtorno. As expectativas sobre o desempenho sexual também não ajudam. Os padrões pouco realistas com respeito ao nível apropriado de interesse ou à excitação sexual, junto com técnicas sexuais improdutivas e a falta de informação sobre a sexualidade, também podem ter um papel.

Estes fatores, junto com as crenças da ideologia machista, são circunstâncias importantes a serem consideradas. A sociedade da informação, assim como a educação sexual recebida no passado, podem ser um empecilho para elas.

Outras causas que diminuem o desejo sexual da mulher

Como mencionamos anteriormente, nem tudo pode ser classificado como um transtorno. As causas dessa diminuição na vontade de manter relações sexuais também podem estar relacionadas com o consumo de algum tipo de medicamento, como a pílula anticoncepcional ou os remédios antidepressivos.

O problema pode ter a sua origem em algo que vai além do momento no qual ela se encontra com o seu parceiro, ou do tratamento que ela está seguindo. Apesar de estar relacionado comumente com mulheres em idades de pré-menopausa, trata-se de uma disfunção sexual que afeta todas as idades.

Nos Estados Unidos cerca de um terço da população feminina sofre com este transtorno, segundo um relatório do Centro de Ciências da Saúde da Universidade de Oklahoma. Por outro lado, a Clínica Mayo indica que 40% das mulheres sofrerão com essa disfunção em algum momento de suas vidas.

Se você é mulher e se encontra nessa situação (e isso a preocupa), recomendamos que você consulte um psicólogo especialista em disfunções sexuais. Só ele saberá como ajudá-la para que você volte a ter um nível de desejo que melhore a sua qualidade de vida.