Desfaça-se de tudo o que sobra para ganhar altura

· março 5, 2016

O que te prende? O que te impede de ganhar altura e começar a voar? Um relacionamento que não funciona, um trabalho do qual você não gosta, um amigo que te despreza? Imagine que você está viajando e começa a soltar tudo o que o prende. Lembre-se, você só tem uma vida para voar.

Se alguém corta suas asas e não deixa que você viva a vida como deseja… O que está esperando para deixar essa pessoa ir? Se você tem um trabalho no qual não é feliz, ainda que não seja fácil, por que não começa a procurar um trabalho que o apaixone? Você é o mestre da sua vida, você a cria e modela, é você quem a governa.

“Só ganha liberdade quem a reconquista todos os dias”.

– Goethe-

Menina presa em aquário

O egoísmo, às vezes, é necessário e terapêutico

A ideia do egoísmo geralmente costuma ser negativa, porque é associada a alguém que não é uma boa pessoa, alguém que só age por seu próprio interesse e só pensa em si mesma, sem se importar com os demais. Mas podemos distinguir três tipos de egoísmo:

O egocêntrico

É o da pessoa que só sabe falar de si mesma, que não deixa o outro falar, que só faz algo se for por seu próprio interesse. A pessoa que pratica o egoísmo egocêntrico somente tem olhos para si mesma e, cada vez que fala, faz referência a si mesma.

O consciente

É o egoísmo saudável que surge quando sentimos a necessidade de dizer “não” aos demais. Se transforma em algo natural porque faz com que nos conectemos à nossa essência, ao que queremos de verdade, não ao que os demais querem para nós.

O altruísta

Acontece quando alcançamos a capacidade de colocar nosso interesse a serviço do bem comum da sociedade. Ou seja, fazemos o bem para o mundo e isso faz com que nos sintamos bem. Fazemos algo que nós gostamos de fazer e isso beneficia outras pessoas. Não se trata de caridade nem de obrigações. Simplesmente fazemos algo que é bom porque nos sentimos felizes.

Portanto, pense em você, no que você deseja, no que você gosta. Procure pessoas que compartilhem suas inquietudes e sentirá como o feito de conhecer aqueles que entendem e buscam o mesmo que você traz muita satisfação.

Aprenda a dizer “não” quando for necessário. Às vezes não nos atrevemos a dizer “não” quando nos pedem algo e nos encontramos fazendo coisas que não queremos ou, inclusive, vivendo uma vida que não desejamos. Seja feliz fazendo as coisas que te fazem feliz, e se você tiver que dizer não, diga. Desfaça-se de tudo aquilo que impõe um limite aos seus sonhos.

“Nada nem ninguém pode te fazer feliz. Só você pode fazer feliz a si mesmo”

– Gerald Schmedling-

Voar para ganhar altura

Voar para ganhar altura

Às vezes guardamos memórias que nos fazem mal e nos impedem de ver e apreciar o aqui e o agora. Deixe-as ir. Diga “basta” de uma vez por todas. Comece perdoando para poder seguir em frente, e você se sentirá mais leve, sua bagagem de emoções negativas pesará muito menos.

Se você tiver um parceiro ao seu lado que o avalia continuamente, que coloca seus sonhos em dúvida, que impõe o que considera melhor para você, pense nesta relação com total sinceridade, pense no que ela traz para você e decida. Às vezes é melhor se afastar a tempo, ainda que seja dolorido, do que ter uma vida cheia de insatisfação.

Às vezes um parente ou um amigo, inclusive com as melhores das intenções, nos limita no que queremos fazer, nos julga e nos condena. Nestes casos, talvez seja melhor tomar um pouco de distância, ganhar perspectiva, ter nosso espaço e nosso tempo para decidir, para que as decisões sejam nossas. Nós podemos errar mil vezes, mas não importa, porque serão nossos erros e nossa forma de aprender.

E, é claro, quando você se desfizer de tudo o que te impede de ganhar altura, abra suas asas, sorria e comece a voar em direção aos seus sonhos, sinta o vento de seus desejos batendo nos seus cabelos, sinta o calor do sol em seu rosto, sinta como cada vez mais seus pés se afastam da terra para alcançar o que você sempre desejou.

“Lembre que o segredo da felicidade está na liberdade, e o segredo da liberdade, na coragem”.

Créditos da imagem: Amanda Cass