5 dicas para escolher melhor os amigos

22 Maio, 2020
Embora acreditemos que a amizade seja produto do acaso, podemos realizar ações que nos permitam escolher conscientemente os nossos amigos. Saiba mais a seguir.

A amizade é um dos relacionamentos interpessoais mais importantes, mas também é aquele em que podemos experimentar as maiores decepções. Às vezes, depois de anos de relacionamento com uma pessoa, ela pode nos decepcionar ou, de repente, podemos nos dar conta de que são tóxicas. Muitas vezes nos queixamos porque não conseguimos encontrar amigos de verdade. Se você estiver nessa posição, talvez seja o momento de aprender a escolher melhor os amigos.

Hoje, graças à tecnologia, é muito mais fácil fazer amigos, ou pelo menos pensamos assim. Os resultados de uma pesquisa da revista Time revelaram que muitas pessoas não têm amigos íntimos. Talvez o motivo seja o fato de que não sabemos escolher os nossos amigos. Então, vamos ver algumas dicas que podem nos ajudar.

Conselhos para escolher melhor os amigos

Amigas tomando café

1. Falar sobre interesses em comum

Uma das primeiras dicas para escolher melhor os amigos é conversar sobre os nossos interesses em comum. Embora em uma primeira abordagem possamos sentir simpatia pela outra pessoa, é conveniente ter uma conversa na qual possamos perceber se compartilhamos alguns hobbies ou passatempos.

Por que isso é necessário? Porque precisamos fazer planos com os nossos amigos para conhecê-los ainda mais e fortalecer o relacionamento. Caso não tenhamos nada em comum, como poderemos planejar um fim de semana ou uma viagem juntos? Seria impossível. Portanto, falar sobre os nossos interesses nos permitirá encontrar pessoas com ideias semelhantes com quem compartilhar o nosso tempo livre.

2. Detectar se eles o procuram somente quando precisam de você

A segunda dica para escolher melhor os amigos é observar. É preciso identificar se eles se aproximam de nós porque desejam fazer planos e compartilhar o seu tempo, realizando alguma atividade conjunta, ou se, pelo contrário, só nos procuram quando precisam de algo ou de algum favor.

Quando essa situação se prolonga por muito tempo, começamos a nos sentir mal. Acabamos percebendo que somos nós que sempre propomos um encontro para um café ou uma conversa. Além disso, em muitas ocasiões, eles não estão disponíveis quando precisamos conversar ou desabafar. São aspectos importantes que deveríamos levar em consideração.

“Um amigo deve ser como o sangue, que cura o seu ferimento sem esperar que o chamem”.
– Francisco de Quevedo –

3. Como eles tratam as outras pessoas?

Esta dica é muito importante e necessária. Embora uma pessoa nos trate bem, isso não significa que ela compartilha os nossos mesmos valores ou que é alguém com quem queremos ter uma amizade. Por esse motivo, é imperativo analisarmos como ela trata as outras pessoas, outros amigos e até a família.

Imaginemos que estamos sempre muito à vontade com um amigo, compartilhamos as nossas opiniões, podemos discutir diferentes tópicos sem problemas… Mas, um dia com o seu parceiro ou um de seus pais, ele mostra uma parte da sua personalidade oposta a tudo isso. Prestar atenção nessa situação nos permitirá tirar as nossas próprias conclusões e tomar uma decisão.

4. Abordar questões controversas para escolher melhor os amigos

Falar sobre política, por exemplo, pode ser um tema polêmico com o qual podemos colocar esse ponto em prática. Trata-se de escolher os tópicos mais controversos sobre os quais podemos conversar com os nossos amigos para saber como eles reagem. Talvez compreendamos que, para alguns, eles são tabus, ou que pensam que a sua opinião é a única que importa.

Abordar questões controversas também nos ajudará a avaliar o grau de tolerância que os nossos amigos têm. Mesmo que não pensemos o mesmo sobre um determinado assunto, é importante que respeitemos as opiniões dos outros e os escutemos como esperamos que eles façam conosco.

“Os amigos que você tem e cuja amizade você já testou; prenda-os à sua alma com ganchos de aço”.
– William Shakespeare –

Amigos conversando em cafeteria

5. Não fique obcecado em encontrar o amigo perfeito

A última dica é para não ficarmos obcecados em encontrar o amigo perfeito. Isso vai nos levar a estar sempre em uma busca constante e a sentir que não nos encaixamos com ninguém, como indicado no artigo “As consequências negativas de maximizar na seleção de amizades”. Devemos escolher melhor os nossos amigos, mas sem nos tornarmos pessoas inflexíveis.

O nosso objetivo deve ser escolher pessoas que realmente acrescentem algo às nossas vidas. Além disso, é conveniente analisarmos as amizades com as quais mantemos um relacionamento de longa data. Elas continuam somando ou, pelo contrário, agora apenas subtraem?