7 dicas para amar melhor o seu parceiro

janeiro 4, 2020
Fortalecer a relação amorosa é sempre um desafio que precisa não só de motivação, mas também de compreensão, esforço e respeito.

Às vezes damos mais valor para a quantidade de afeto que há em uma relação amorosa do que para a qualidade do mesmo. A questão é que talvez o objetivo não seja tanto ter manifestações incontroláveis de amor, mas sim que esse sentimento adquira cada vez mais profundidade para que se torne cada vez mais sólido. Por isso, hoje trazemos dicas para amar melhor o seu parceiro, o que deveria ser uma prioridade de todos nós nas nossas relações.

Conseguir que a relação se torne cada vez mais rica e que colabore cada vez mais para o nosso bem-estar não é tão fácil. Amar melhor o nosso parceiro significa elevar a qualidade e a profundidade do vínculo que nos une, e para isso é necessário esforço e constância.

“Nada é pequeno no amor. Aqueles que esperam as grandes ocasiões para provar sua ternura não sabem amar”.
-Laure Conan-

Existem algumas dicas que podem nos ajudar no objetivo de amar melhor nosso parceiro. Elas têm relação com comportamentos e atitudes que fomentam a confiança, a intimidade e o reconhecimento mútuo. Explicaremos 7 delas a seguir.

Dicas para amar melhor

1. Reconhecer os interesses do outro

Parece óbvio, mas não é sempre assim. Na teoria, todos nós sabemos que é importante respeitar os interesses do outro. Na prática, nem sempre isso acontece. Especialmente quando estamos excluídos desses interesses, ou quando eles se chocam com os nossos próprios interesses.

Mas o outro é isso: o outro. O fato de que duas pessoas não concordem em tudo e não façam tudo juntas é, na verdade, algo saudável. Mas deixará de ser se essas diferenças se converterem em um motivo para alimentar ressentimentos, ou gerar no outro uma resposta de comportamentos de controle que não devem existir.

Dicas para amar melhor o seu parceiro

2. Aceitar a maneira do outro de ser

Aceitar de verdade significa não querer mudar o outro. Respeitar os seus processos e os seus tempos. Todos nós temos defeitos e limitações que poderiam incomodar as outras pessoas. Ainda assim, o que esperamos do nosso parceiro é que ele aceite o nosso pacote completo: qualidades e defeitos.

Para amar melhor nosso parceiro, é indispensável que renunciemos a esse desejo de querer mudar o outro e o que nós não gostamos. Não se trata de ignorar os erros ou de nos reprimir diante da vontade de falar sobre os erros do outro, mas sim de entender que eles são parte natural da história de vida de alguém, e também são uma situação normal dentro do relacionamento.

3. Escutar abertamente, uma chave para amar melhor

Algumas pessoas ficam caladas, apertando os lábios, enquanto o parceiro fala. Outras, simplesmente, se recusam até a escutar. Só algumas pessoas entendem o que realmente significa uma escuta aberta e sem julgamentos.

Escutar tem relação com a capacidade de compreender o outro em seus termos, e não nos nossos próprios termos. Uma pessoa que se sente ouvida também se sentirá motivada a ouvir. Uma boa comunicação é a coluna vertebral de uma relacionamento amoroso.

Casal de idosos dando as mãos

4. Focar mais nas qualidades do que nos defeitos do outro

O mais comum é que no começo da relação nós vejamos apenas as qualidades do outro. Infelizmente ou felizmente, isso muda com o passar do tempo. Algumas pessoas vão até o outro extremo e, com o passar dos meses, começam a focar somente nos defeitos do outro.

Para amar melhor nosso parceiro deveríamos tentar evitar que isso ocorra. Não é tão difícil assim. Se mantivermos uma atitude receptiva e positiva, nos daremos conta de que focar nas virtudes da outra pessoa é um excelente negócio. Essa pessoa, provavelmente, corresponderá da mesma maneira.

5. Confiar que o outro faz o melhor que pode fazer

Os seres humanos têm várias facetas diferentes, às vezes até mesmo contraditórias entre si. Hoje somos heróis, mas é possível que amanhã nós fiquemos morrendo de medo de algo pequeno e irrelevante. Não somos máquinas e nossa identidade é algo instável, que está sujeito a diversos aspectos das circunstâncias.

Quando cultivamos um modo de ser marcado pela boa vontade em relação ao parceiro, será muito fácil entender que se há algo que a pessoa não pode fazer melhor, existem razões para que isso seja assim. Não temos o direito de questionar as intenções nem de medir o esforço alheio com a nossa própria régua.

6. Reconhecer o esforço

A vida não é fácil para ninguém. Sempre é mais simples, em todo caso, quando a compartilhamos com alguém. O que esperamos desse alguém é que, simplesmente, nos acompanhe. Que seja uma mão que sempre poderemos usar como guia.

Quando a pessoa que amamos reconhece nossos esforços para ser melhores em algo ganhamos em confiança e em sentimentos de gratidão. Essa aprovação e respaldo do outro é um poderoso motivador. Além disso, une muito as duas pessoas e é, sem dúvida alguma, uma das dicas mais importantes para amar melhor nosso parceiro.

7. Demonstrar afeto com palavras e com ações

É uma pena que muitas pessoas hoje em dia tratem as demonstrações de afeto como algo brega ou de pessoas que são sensíveis demais. Todos, desde que nascemos, precisamos de demonstrações de afeto dos demais. Elas são como alimento emocional que nos nutre e nos torna mais fortes.

Casal dando as mãos no pôr do sol

Não basta que você ame seu parceiro, mesmo que você demonstre seus sentimentos nos momentos mais difíceis. Para que o casal se fortaleça, as expressões de afeto devem ser diárias. Não precisam ser palavras poéticas cantadas em forma de serenata, mas sim gestos que mostram o quanto a outra pessoa é especial.

Construir um relacionamento amoroso forte e saudável enriquece a nossa vida, contribui para manter nossa saúde mental estável e até mesmo para ter uma melhor saúde física. Uma boa relação amorosa nos torna pessoas melhores e nos ajuda a realizar mais em vários outros aspectos da vida.

Por tudo isso, vale a pena seguir essas dicas e aprender a a amar melhor.

  • Salgado, C. (2003). El desafío de construir una relación de pareja. Editorial Norma.