Discinesia: o que é e quais são os seus sintomas?

Tremores na face, movimentos involuntários nas pernas ou braços... A discinesia é um distúrbio hipercinético frequentemente relacionado ao efeito colateral de alguns medicamentos.
Discinesia: o que é e quais são os seus sintomas?

Última atualização: 01 Fevereiro, 2021

A discinesia define um distúrbio no qual a pessoa experimenta movimentos anormais, incontroláveis ​​e involuntários. Geralmente começa com pequenos tiques na face, na região bucolingual ou nas mãos. Mais tarde, essas alterações hipercinéticas podem aparecer por todo o corpo. A origem dessa condição é múltipla, mas geralmente surge como efeito de algum tipo de medicamento.

Essa realidade clínica costuma ser confundida com a acatisia. No entanto, esta última está mais relacionada a estados de angústia e à incapacidade de ficar quieto, de precisar sair para caminhar e mexer as pernas. A discinesia é mais problemática porque não pode ser controlada e também é acompanhada por distúrbios psiquiátricos ou doenças neurológicas.

Sabemos que entre 1 e 5% dos casos também podem estar associados à idade. Pessoas mais velhas também podem apresentar esse tipo de distúrbio hipercinético. Abaixo, analisaremos em detalhes.

Idoso sentado

Discinesia: definição, tipos e sintomas

A discinesia se enquadra nos distúrbios do movimento, como a ataxia (perda de coordenação muscular) ou distonia (contrações involuntárias dos músculos que geralmente são dolorosas). Nesse caso, o que os pacientes com discinesia mostram são movimentos não voluntários semelhantes aos tiques. São manifestações muito marcantes.

Normalmente, como já observamos, isso pode começar no rosto. Mais tarde, se torna evidente nas mãos e nos pés, a ponto de muitas vezes dificultar os movimentos normais do corpo. O mais complexo a respeito desse distúrbio é que, assim que ele aparece, vai aumentando. É importante saber o que o causa e, a partir daí, buscar o tratamento mais adequado.

Vamos conhecer os tipos mais comuns de discinesia.

Discinesia induzida por medicamentos contra o Parkinson

Ressaltamos no início que a discinesia geralmente aparece em pacientes com ParkinsonNo entanto, na verdade, não é o distúrbio neurodegenerativo em si que causa esses tiques e distúrbios do movimento, são os medicamentos usados ​​para tratá-lo.

O mal de Parkinson se desenvolve a partir de uma alteração nos neurônios que produzem dopamina, os quais morrem lentamente. Na ausência desse neurotransmissor, as células que controlam o movimento não podem enviar mensagens aos músculos. Nessas situações, a levodopa costuma ser administrada, o que aumenta a produção de dopamina.

Estudos como os realizados na Universidade de San Francisco indicam que a terapia de reposição de dopamina com levodopa alivia os sintomas motores parkinsonianos. Porém, em quase metade dos pacientes isso tem um preço: favorece o desenvolvimento de movimentos involuntários, definindo um estado conhecido como discinesia induzida por levodopa.

Os sintomas são os seguintes:

  • Tiques.
  • Falta de equilíbrio.
  • Movimentos involuntários nos braços e pés.
  • Inquietação nas extremidades.

Efeito de medicamentos neurolépticos

Outra causa do aparecimento da discinesia também é evidenciada pela administração de outros medicamentos, neste caso os neurolépticos. São drogas como os antipsicóticos e também os principais tranquilizantes. Quando um paciente segue esses tratamentos há algum tempo, pode (às vezes) aparecer uma condição chamada discinesia tardia.

Entre os medicamentos que podem surgir neste distúrbio do movimento, estão os seguintes:

  • Antipsicóticos de primeira geração, como haloperidol, zuclopentixol, perfenazina…
  • Antipsicóticos de segunda geração: risperidona, paliperidona, quetiapina, aripiprazo, etc.
  • Drogas antidepressivas como amitriptilina, fluoxetina, fenelzina…
  • Medicamentos anticonvulsivos, como fenitoína e fenobarbital.

Condições neurológicas e autoimunes

Sabemos que algumas pessoas com transtorno do espectro autista podem experimentar movimentos discinéticos. No entanto, esta não é a única condição neurológica que apresenta esta manifestação:

  • Condições de degeneração cerebelar também sofrem com isso.
  • Doenças neurovasculares ou pacientes que sofreram derrame podem demonstrar essa condição.
  • A doença de Wilson é uma doença hereditária rara em que o corpo não consegue se livrar do excesso de cobre. Nesse caso, o paciente também pode desenvolver a discinesia como sintoma.
  • Finalmente, quando se trata de doenças autoimunes, é comum que apareça em pessoas com esclerose múltipla.

Discinesia mioclônica

A discinesia mioclônica é uma variedade desse tipo de transtorno. Ela se manifesta com movimentos breves e involuntários causados ​​por uma contração muscular repentina. São alterações que, às vezes, podem ser dolorosas.

As causas por trás desse fenômeno são as seguintes:

  • Encefalopatia mioclônica progressiva.
  • Encefalopatia causada por falta de oxigênio no cérebro.
  • Epilepsias mioclônicas, problema que atinge mais as mulheres e se limita a uma série de tiques que aparecem no rosto.
Ondas cerebrais

Estereótipos e tiques

Existe um tipo de discinesia em que o paciente pode ter algum controle sobre esses movimentos se for ensinado a reduzi-los e a ter algum controle sobre eles. Este fenômeno aparece muitas vezes em pessoas com transtorno do espectro autista.

Dependendo da gravidade, podemos encontrar tiques discinéticos mais leves ou mais incapacitantes:

  • Tiques simples.
  • Estereótipos motores comuns, como movimentos repetitivos e ritualizados.
  • Tiques múltiplos e complexos: assemelham-se a espasmos muito fortes em que a pessoa pode sofrer a necessidade de expressar palavras inadequadas ou até mesmo insultos. Por trás dessa característica, pode estar a síndrome de Tourette.

Qual é o tratamento para a discinesia?

O tratamento da discinesia depende da fonte que está desencadeando o problema. Estar diante de um paciente com Parkinson não é a mesma coisa que estar diante de alguém que sofreu uma lesão cerebral. O importante, em todos os casos, é fazer um diagnóstico e entender a gravidade dos sintomas.

Em geral, muitas dessas diretrizes são seguidas:

  • Suspender o uso de medicamentos que causam discinesia e substituí-los por outros. Isso, que à primeira vista parece fácil, na verdade contém um alto nível de problemas, porque às vezes deixamos de tratar a doença original com eficácia.
  • Nos casos em que a discinesia afeta a face, as injeções de toxina botulínica ou botox costumam ser usadas.
  • A estimulação cerebral profunda é outra opção com uma boa taxa de sucesso no tratamento dessas condições.

Para concluir, a abordagem dessas condições é sempre complexa e parte de enfoques interdisciplinares para monitorar os avanços do paciente. Porém, em muitos casos, é possível reduzir o impacto da discinesia e proporcionar uma melhor qualidade de vida à pessoa afetada.

Pode interessar a você...
Substância negra, a artesã dos movimentos e da aprendizagem
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Substância negra, a artesã dos movimentos e da aprendizagem

A substância negra participa de processos importantes, influenciando o nosso sono e o nosso humor. Saiba mais sobre ela neste artigo.