Dispareunia, a dor nas relações sexuais - A Mente é Maravilhosa

Dispareunia, a dor nas relações sexuais

agosto 22, 2017 em Psicologia 0 Compartilhados
Dispareunia, a dor nas relações sexuais

Alguma vez você já sentiu dor nas relações sexuais? Se a resposta foi sim, saiba que se trata de uma disfunção sexual com nome próprio: a dispareunia. Mas, qual será a causa? E mais importante… Existe alguma coisa que se possa fazer para evitá-la?

As respostas a estas perguntas estão neste artigo. A verdade é que ter uma vida sexual realizadora é uma parte importante do nosso bem-estar geral. Por isso, é importante que, se você vivencia este desconforto, procure solucioná-lo.

“O sexo faz parte da natureza. E eu ando maravilhosamente bem com a natureza.”
-Marilyn Monroe-

O que é a dispareunia ou a dor nas relações sexuais?

A dispareunia é um conjunto de alterações sexuais. A característica que a define é sentir dor nas relações sexuais. Mas, quando? Este desconforto pode aparecer tanto antes, durante ou depois deste tipo de atividades.

“O sexo é como a memória: se não for usado, desaparece.”
-Eduardo Punset-

Dispareunia, a dor nas relações sexuais

Isto é, pode acontecer tanto durante a excitação, quanto durante a penetração ou os movimentos do coito. Mas também ao alcançar o orgasmo ou ao ejacular. No caso das mulheres, por exemplo, existe uma disfunção que está incluída dentro desta categoria: o vaginismo.

O vaginismo é uma sequência de contrações involuntárias dos músculos do terço externo da vagina. A consequência disso é que a abertura da vagina se fecha parcial ou totalmente, de modo que a penetração se torna difícil ou impossível.

Quais são as causas da dor nas relações sexuais?

A verdade é que as causas da dispareunia podem ser de diversas índoles. Nos homens, o mais comum é algum tipo de infecção do trato urinário, a fimose ou doenças de transmissão sexual, entre outros. Isto é, estes desconfortos costumam ser provocados por algum tipo de fator biológico.

Nas mulheres, contudo, o leque de causas é muito mais amplo. Entre aqueles de tipo orgânico podemos destacar: a falta de lubrificação vaginal, a menopausa, infecções vaginais ou do clitóris, malformações ou cicatrizes ou o uso de espermicidas ou cremes anticoncepcionais que possam irritar a zona genital.

Mas também pode ter como causa fatores psicológicos. Os mais comuns entre eles são uma educação sexual inadequada, ansiedade ou temor diante do coito (que pode ser consequência de experiências traumáticas prévias) ou a falta de excitação sexual. Esta última pode ocorrer porque o ritmo é muito rápido na relação, de modo que não há tempo suficiente para produzir a lubrificação vaginal que mencionamos.

O que é possível fazer para diminuir a dispareunia ou a dor nas relações sexuais?

Se as causas são de tipo psicológico, a primeira coisa é receber uma educação sexual em geral e sobre o problema em especial. Desta forma, poderemos ir mudando as atitudes negativas que tivermos diante da dor nas relações sexuais e a sexualidade. Depois, será preciso fazer um treinamento personalizado que o psicólogo indicará, tanto de autoexploração como de penetração.

“O sexo é sujo? Só se for bem feito.”
-Woody Allen-

Dispareunia, a dor nas relações sexuais

Se as causas da dispareunia forem por fatores biológicos ou orgânicos, será preciso consultar um médico. Desta forma, se for causada por algum tipo de medicação, como alguns anti-histamínicos, talvez seja possível trocar a medicação por outra que não cause tal desconforto. O mesmo acontece se for por causa de alguma infecção ou doença sexualmente transmissível. Um médico especializado poderá indicar o tratamento adequado para este problema.

Em resumo, este tipo de problema causa muito mal-estar emocional, psicológico e físico. É por isso que, se for o seu caso, é muito importante contar com a ajuda de um profissional qualificado. Escolher um psicólogo apropriado que ajude a superar este problema é fundamental já que, como dissemos, ter uma vida sexual prazerosa é uma das maiores fontes de prazer e o seu eco é apreciado com todo o corpo, a ponto de afetar inclusive e principalmente nossas emoções, com o que isto implica de positivo para nosso estado emocional.

Imagens cortesia de Matheus Ferrero, Henri Meilhac e Matt Mck.

Recomendados para você