A história dos dois ratos, um conto sobre a soberba

Este conto sobre a soberba fala sobre o verdadeiro caminho para a felicidade. Ter mais às vezes serve apenas para atrair mais problemas, ou simplesmente para criar a ilusão de estar acima dos outros, quando na verdade não estamos.
A história dos dois ratos, um conto sobre a soberba

Última atualização: 27 Fevereiro, 2021

Este conto sobre a soberba fala de dois ratos que eram grandes amigos, embora tivessem personalidades muito diferentes. Um deles era sereno, muito afável e engraçado. O outro, por outro lado, era bastante ambicioso e gostava de se exibir para os demais. Apesar disso, os dois se amavam e gostavam do tempo que compartilhavam juntos.

Uma manhã como qualquer outra, o rato mais vaidoso chegou à casa do amigo. Ele estava carregando uma pequena bolsa com seus pertences e tinha uma expressão diferente no rosto. Ele veio se despedir. Estava cansado daquele lugar, onde ninguém estava fazendo progresso. Ele queria ir para a cidade em busca de fortuna. Ele não tinha sido feito para uma vida “tão miserável”.

O conto sobre a soberba fala que o humilde camundongo sentiu uma grande tristeza ao ver seu amigo partindo. No entanto, ele se despediu, desejando-lhe muito sucesso na cidade. Ele também lhe disse para não se esquecer do amigo e que esperava vê-lo em breve.

A natureza dos homens soberbos e vis é serem insolentes na prosperidade e abjetos e humildes na adversidade.”
-Nicolas Machiavelli-

Vista de grande cidade

Um feliz encontro

Alguns meses se passaram e cada um dos ratos continuou com a sua vida. Quando menos se esperava, o rato da cidade voltou. A primeira coisa que fez foi ir até a casa do amigo, mas não teve uma atitude amigável. Os dois se abraçaram, mas logo o rato soberbo começou a invadir toda a comunicação com suas queixas.

Ele disse que a casa do rato humilde era estreita demais. Também apontou para a gama limitada de oportunidades que o lugar oferecia. Como ele disse, na cidade onde agora vivia não se via tanta pobreza, mas sim o oposto. As comodidades eram abundantes e a comida não era escassa. O humilde rato olhou para ele com a boca aberta. A paisagem que seu amigo estava desenhando parecia extraordinária para ele.

De acordo com esse conto sobre a soberba, o rato da cidade estava vestido com uma linda capa. Ele também colocou um monóculo sobre o olho, sentindo que refinava sua aparência. O rato humilde ficou um pouco envergonhado por não ter nada melhor para oferecer ao amigo. Porém, ele sentiu que algo não estava certo: por que, se ele estava tão feliz agora, continuava insatisfeito com tudo?

Uma viagem no conto sobre a soberba

O conto sobre a soberba deu uma guinada inesperada quando o humilde rato pediu ao amigo que o deixasse visitá-lo por alguns dias. Ele estava muito curioso para conhecer aquelas grandes maravilhas que o outro havia depositado em sua imaginação. Com um ar desdenhoso, o rato da cidade aceitou. Ele iria recebê-lo na cidade por alguns dias, para lhe mostrar o que era bom.

Os dois saíram muito cedo. Quando chegaram à casa onde morava o rato da cidade, seu amigo não pôde acreditar. Era realmente uma mansão gigantesca, tudo era elegante. Tinha tapetes maravilhosos e móveis excelentes. O rato da cidade disse que ele ainda não tinha visto o melhor: a cozinha.

A boca do outro se encheu de água. Os dois chegaram à cozinha e imediatamente o rato humilde sentiu o cheiro de um pedaço de presunto. Sem pensar, foi até o local de onde emanava o aroma, mas o outro o avisou. “Pare! “, disse. “Qualquer rato da cidade sabe que um pedaço de presunto no chão significa apenas uma coisa: veneno. Não coma”, acrescentou.

Queijo e frios

Um fim para refletir

O conto sobre a soberba fala que o rato humilde agradeceu ao amigo por ter salvado sua vida. Logo depois, ele viu que havia um fabuloso pedaço de queijo perto da geladeira. Ele se aproximou para experimentá-lo, mas novamente seu amigo da cidade o alertou. Esse pedaço de queijo era a isca de uma armadilha. Ele não deveria comê-lo.

Desejoso e faminto, o rato humilde escolheu ficar parado. O outro ia lhe dizer alguma coisa, mas naquele momento um gato saltou da janela e os dois ratos não tiveram escolha senão correr. A perseguição durou muito tempo, até que encontraram um pequeno buraco onde puderam se esconder. Eles ficaram lá a noite toda, quase sem respirar.

No dia seguinte, eles saíram do esconderijo e o rato da cidade disse ao amigo para voltarem para a cozinha. O rato humilde recusou. Agora ele entendia por que seu amigo não era feliz apesar de viver com tanta abundância. Ele entendeu que tudo tem um preço, e o preço de tanto luxo era a falta de tranquilidade e o perigo.

Então, ele decidiu voltar para casa. O conto sobre a soberba diz que o rato humilde confirmou algo que ele já sabia: a verdadeira felicidade se manifesta em uma vida simples.

Pode interessar a você...
Soberba, a armadilha do amor próprio
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Soberba, a armadilha do amor próprio

Há grandeza na soberba, mas também arrogância, egocentrismo, inseguranças, medos e vazios. Além disso, é uma armadilha para o amor próprio.



  • Quevedo, F. D. (1985). Virtud militante contra las quatro pestes del mundo, invidia, ingratitud soberbia, avarizia, ed. A. Rey, Santiago de Compostela, Universidad.