Eisoptrofobia, o medo de se ver refletido em um espelho

Eisoptrofobia é uma fobia limitante sofrida por um setor oculto da população. Neste artigo queremos falar sobre sua definição, bem como sobre as variáveis que influenciam no seu surgimento e que alimentam o medo.
Eisoptrofobia, o medo de se ver refletido em um espelho

Última atualização: 11 janeiro, 2022

Os espelhos refletem nossa imagem corporal, mas não devemos esquecer que sua percepção e avaliação vão muito além do que eles devolvem objetivamente. Nesta experiência, alguns podem se ver como agradáveis; outros podem não ser tão gentis com eles mesmos; e alguns podem ver coisas que não estão na realidade do mundo, mas que estão em sua realidade psíquica. Este último é o ponto de referência para este artigo, pois é através dele que poderemos explicar o que é eisoptrofobia e quais são suas características.

É um medo irracional e intenso que uma pessoa experimenta ao ver no espelho sua própria imagem ou algo nele que causa pânico ou terror. Independentemente do objeto que causa o medo intenso, a ansiedade é o fator comum e o epicentro da eisoptrofobia.

A superstição é outro aspecto dessa fobia que a pessoa vincula ao seu próprio destino e aos anos de azar que acompanhariam o estrago do espelho. É também parte de sua imaginação pensar que um reflexo do espelho sairá do espelho para prejudicá-lo, o que intensifica suas idéias irracionais.

Quem sofre de eisoptrofobia sabe que o medo que sente é absurdo, mas não pode evitá-lo devido à sua estreita relação com as crenças culturais. Ao se ver no espelho, acredita que algo ruim pode acontecer com ele, como se fosse uma sentença.

De alguma forma, ao observar o nosso próprio reflexo, está em jogo também o olhar alheio, ou seja, temos em mente a percepção que acreditamos que o outro tem de nós, da nossa corporeidade e ações, sem perceber que esta imagem não é a representação absoluta do que uma pessoa realmente é e pode se tornar.

Mulher olhando no espelho com medo

Características da eisoptrofobia

A eisoptrofobia pode surgir repentinamente desde um estado de calma ou ansiedade. Por ser uma fobia específica, o DSM 5 expõe alguns dos sintomas mais comuns:

  • Aceleração da freqüência cardíaca.
  • Sudorese.
  • Náusea e tontura.
  • Sentir falta de ar.
  • Perda do senso de realidade.
  • Sentir-se fora de si mesmo.
  • Evitação do espelho.
  • Ansiedade aumentada.
  • Medo intenso.

Os sintomas acima não oferecem o diagnóstico para identificar que o sofredor tem essa fobia. Portanto, é importante que qualquer diagnóstico seja feito por um especialista com formação e experiência.

As fobias estão à mercê de quem pode aprendê-las ou adquiri-las. Além disso, existem pessoas mais vulneráveis a desenvolvê-la, por isso procurarão evitar objetos que possivelmente sejam temidos; neste caso, o espelho ou o que ele representa em relação ao reflexo que é capaz de projetar.

O papel da evitação

A evitação é um comportamento inerente e normal que nos afasta de um possível perigo para evitar uma situação angustiante e desempenha um papel crucial na consolidação de fobias. Em última análise, é esse comportamento que alimenta o medo e o torna cada vez maior.

As causas da eisoptrofobia podem ser encontradas em eventos traumáticos, cujas emoções e sentimentos serão deslocados para o espelho, marcados como objeto de fobia e no amor próprio e no autoconceito, visto que as ideias irracionais têm muito poder de mudar e condicionar percepção e sentimentos. sentimentos sobre o reflexo que o espelho nos apresenta.

Mulher com muito medo

Intervenção na eisoptrofobia

Uma das intervenções mais eficazes para aliviar os traços da eisoptrofobia é a exposição gradual ao objeto temido. A duração da exposição dependerá de variáveis como a intensidade do medo ou grau de generalização dele. O resultado desse tipo de terapia será positivo dependendo de como o terapeuta explique e proponha o exercício.

O psicólogo deve ter o compromisso do paciente de ficar diante do estímulo fóbico para que ele não escape dele, com a firme intenção de que a ansiedade desapareça. O paciente é encorajado a interagir com o estímulo, neste caso o espelho, tanto quanto possível para reduzir sua ansiedade, até que ela tenha sido consideravelmente reduzida ou desapareça completamente.

Os passos a seguir para acabar com a fobia são os seguintes:

  • Exposição ao estímulo real, ao estímulo virtual e ao imaginado.
  • Modelagem de exposição a estímulos.
  • Relaxamento diante de estímulos fóbicos.
  • Reestruturação cognitiva.
  • Dessensibilização do estímulo fóbico.

Recomenda-se que a intervenção seja planejada levando em consideração o ritmo e a perseverança de cada paciente, a fim de recuperar a estabilidade e a autoconfiança.

This might interest you...
Os pássaros: desenvolvendo a ornitofobia
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Os pássaros: desenvolvendo a ornitofobia

Os Pássaros é um filme que fará até o maior amante de aves desenvolver ornitofobia. Descubra!



  • Acosta, A. (2005). Fundamentos de las Terapias de Exposición contra las Fobias: Una Propuesta Teórica Integradora de la Conducta de Evitación. Terapia Psicológica, 23(1), 25-35. https://acortar.link/H10s1t
  • American Psychiatric Association APA. (2014). Manual diagnóstico y estadístico de los trastornos mentales DSM-5. Editorial Médica Panamericana.
  • Bonet, J. (2001). Tratamientos psicológicos eficaces para las fobias específicas. Psicothema, 13(3), 447-452. https://acortar.link/pUHsBF
  • de la Gándara, J. (2013). El síndrome del espejo: Cómo reconciliarse con la propia imagen. Penguin Random House Grupo Editorial España
  • Orozco, R. (2016). Infortunios del mono infinito. Penguin Random House Grupo Editorial Colombia