As 5 emoções que acompanham uma crise pessoal

02 Agosto, 2020
A análise de todas as emoções que acompanham uma crise pessoal nos dá pistas para sair desse estado. O tecido da resiliência é frequentemente moldado pelo gerenciamento adequado dessas realidades internas.
 

As emoções que acompanham uma crise pessoal podem nos paralisar. Essa súbita e inesperada fratura do presente geralmente nos deixa em estados para os quais nem sempre estamos preparados psicologicamente. Dor, angústia, incerteza, medo… Compreender o papel que essas realidades internas desempenham pode nos ajudar a superar esses momentos de maneira mais eficaz.

Mas… como fazer isso? Se há algo que muitos de nós sabemos é que, quando estamos envolvidos em uma crise pessoal, há pouco espaço para a reflexão e para a clareza mental que nos permite tomar boas decisões. Quando a adversidade surge, o medo cresce, e isso é evolutivamente normal e até esperado.

Devemos considerar que o nosso cérebro ainda é governado por instintos muito primitivos e mecanismos de defesa. Dessa maneira, quando ele percebe, intui e fica ciente de uma ameaça ou do colapso da nossa homeostase interna, aparece uma resposta muito comum: o desejo de fugir. O medo controla tudo e mal conseguimos raciocinar com equilíbrio.

No entanto, vale a pena refletir por um momento sobre o que a própria palavra “crise” significa. Esse termo vem do grego e tem vários significados que convergem para a mesma ideia: decisão, julgamento, resolução, discernimento

Tudo isso, sem dúvida, nos encoraja a entender um aspecto simples: somos obrigados a superar o medo, contorná-lo para que nos permita tomar novas decisões e, assim, iniciar uma nova etapa. No entanto, em primeiro lugar, é necessário entender a anatomia das crises e saber que tipo de emoções as integram.

 

“A crise se produz quando o velho não acaba de morrer e quando o novo não acaba de nascer”.

-Bertolt Brecht-

As 5 emoções que acompanham uma crise pessoal

As 5 emoções que acompanham uma crise pessoal

Albert Einstein disse que sem crise não há méritos. Ele apontou, por sua vez, que são nesses momentos em que o melhor de alguém pode surgir, porque em toda crise, o vento é como uma carícia que pode nos encorajar.

Sem dúvida, isso parece evocativo e, embora essas ideias nos inspirem e motivem, é claro que não é fácil enfrentar aqueles momentos em que surgem instabilidade, incerteza e medo.

Por outro lado, algo que também sabemos é que nem todas as crises são iguais. Algumas são ameaças claras ao nosso equilíbrio psicológico e/ou físico (Goldenberg, 1983). Outras vezes, são eventos repentinos que geram mudanças às quais somos obrigados a dar algum tipo de resposta (Rosenbaun e Calhoun, 1977).

Por outro lado, o conceito de “crise” é muito complexo e abrange muitas realidades, como explicam em um estudo os médicos Donald Coates e Katherine Eastman. Esses estados temporários de alteração e desafio têm origens infinitas e afetam qualquer faixa etária. Além disso, algo que é apreciado em muitos casos é a convergência das mesmas realidades internas.

 

Essas são as emoções que acompanham uma crise pessoal:

1. Medo (não estou preparado para isso, tenho medo)

O medo é essa emoção regulada por nossa amígdala cerebral. Esse sentinela emocional é responsável por induzir esse tipo de reação quando detecta algum tipo de ameaça ou evento inesperado que rompe o equilíbrio que tínhamos.

Assim, um término de relacionamento, a perda de um emprego, de uma amizade, de um membro da família ou algo importante que tenha ficado para trás abrem as portas para essa emoção avassaladora, que é o medo.

2. Raiva (por que isso está acontecendo comigo?)

Às vezes, mais do que pura raiva, surge a indignação e a perplexidade. A pessoa que está passando por uma crise não para de se perguntar “por que eu?”. Na verdade, o surgimento dessa emoção é um processo natural. É comum vivenciar esse fato com um pouco de raiva. Nós nos recusamos a aceitar a situação e até nos sentimos incompreendidos.

Pouco a pouco, a aceitação acaba chegando, mas, primeiro, percorreremos esse caminho habitado pelas chamas da raiva.

3. Resistência à mudança (me sinto impotente, não posso fazer nada)

Outra das emoções que acompanham uma crise pessoal no seu início é a impotência. Além da raiva e da incompreensão, há a ideia de que não seremos capazes de mudar tudo o que aconteceuSe meu parceiro me deixou, o mundo acabou para mim, nunca mais serei feliz.

Se eu perdi um parente, o mundo para e não há como voltar atrás, está tudo acabado... Essas ideias são recorrentes nos estágios iniciais de uma crise. Idealmente, não devemos nos apegar a essas ideias nem tornar crônicos esses estados, e sim nos permitirmos receber ajuda para gerar mudanças, assumindo novas perspectivas.

 
Resistência à mudança (me sinto impotente, não posso fazer nada)

4. Vergonha, desconforto (quero me afastar de todos e de tudo)

Há quem tenha vergonha de se ver em certas situações. Outros sentem apenas desconforto e rejeição em relação a tudo e todos. É comum em todos os casos desejar um certo isolamento, querer se afastar da realidade imediata para ficar sozinho consigo mesmo.

Praticar a introspecção e o reconhecimento pessoal são coisas positivas por um tempo limitado. Ajuda a reorganizar as ideias e iniciar o processo de aceitação. No entanto, por sua vez, precisamos ser capazes de nos abrir emocionalmente aos outros.

5. Dor emocional (me sinto magoado, angustiado, paralisado…)

É possível que nos digam em muitas ocasiões que a dor faz parte do curso da vida. No entanto, quando vivenciamos a dor, percebemos que é algo injusto, inesperado e grande demais para conseguirmos aceitar tanto sofrimento.

Assim, outras emoções que acompanham uma crise pessoal são todas aquelas que compõem a dor emocional de alguém. É a tristeza, a angústia, a falta de esperança. É como uma ferida interna que dói a todo momento e que não sabemos como aliviar…

Para além do que possamos pensar, o fato de aceitar, reconhecer e validar a existência dessa dor emocional pode nos ajudar a promover o processo correto do enfrentamento psicológico. Deixar que todos esses estados internos fluam pouco a pouco favorecerá o alívio do sofrimento e a busca por novas resoluções.

 

Para concluir, entender todas as emoções que acompanham uma crise pessoal permitirá, sem dúvida, moldar o músculo da resiliência. Não é um processo fácil ou rápido. As crises não são tratadas em uma semana ou um mês. Precisamos transitar por caminhos onde a dor é inevitável.

No entanto, a cada passo, a pele fica mais dura, o coração se acalma e a mente se torna mais flexível, receptiva e criativa. Mais cedo ou mais tarde, encontraremos não apenas alívio, mas também novos e maravilhosos caminhos.

 
  • Wainrib, Rubin. Barbara (1998) Intervención en crisis y respuesta al trauma. Edesclee