Diferenças entre estar só e se sentir sozinho

junho 29, 2020
Se você está lendo este artigo, provavelmente já se sentiu ou está se sentindo sozinho. Portanto, você sabe que estar só e se sentir sozinho são duas coisas diferentes, que a solidão desejada ou procurada não é igual à solidão imposta ou descontrolada.

Vivemos um tempo em que estamos passando por uma série de mudanças que nos levam a ficar mais sozinhos: envelhecimento da população, mudanças nas relações sociais, aumento de famílias monoparentais, aumento no número de pessoas que querem viver sozinhas ou demandas sociais que implicam isolamento. No entanto, há diferenças entre estar só e se sentir sozinho.

A solidão não implica que exista um isolamento social objetivo. Segundo alguns autores, a solidão tem um componente emocional, pois é uma experiência desagradável, além de um componente cognitivo, por meio do qual a pessoa percebe uma diminuição das relações sociais ou o fato de que elas são inadequadas.

Verificou-se que o sentimento de solidão é melhor previsto pelo nível de satisfação subjetiva nos relacionamentos do que pela frequência do contato.

É possível apreciar a solidão?

O que é solidão?

A solidão pode ser definida de diferentes maneiras dependendo do que a causa:

  • Estar só: nesse caso, a pessoa está fisicamente sozinha; pode ser solitária, mas não experimenta sentimentos de solidão. Esse estado pode ser voluntário, porque a pessoa prefere ficar sozinha do que estar com outras pessoas. Ou seja, trata-se de um isolamento social por escolha.
  • Solidão: nesse estado, a pessoa experimenta a necessidade ou o desejo de entrar em contato com outras pessoas, mas é incapaz de fazê-lo. Talvez as condições permitam esse contato social, mas a pessoa sente uma certa insegurança, causando ou contribuindo para a solidão. Além disso, experimenta sentimentos de inutilidade, rejeição, desânimo, hipoatividade, pouco contato visual… Ou seja, o isolamento não ocorre por escolha, e sim pela pessoa não se sentir capaz de socializar.
  • Solidão positiva: às vezes, as pessoas precisam passar um tempo sozinhas como uma forma de descansar; nestes casos, a solidão é agradável. É uma oportunidade para recarregar as baterias, promover a criatividade e conectar-se consigo mesmo.
  • Alienação: é um caso mais extremo de solidão. A pessoa sente um vazio interior que a separa da sua própria identidade. É como se a pessoa se desconectasse de si mesma, o que a leva a se desconectar dos outros.

Como sentir-se sozinho o afeta?

Sentir-se sozinho é um sentimento muito desagradável que pode nos invadir, apesar de estarmos cercados por pessoas que se preocupam conosco. Isso pode representar um problema mais sério. Na verdade, pode inclusive ser um distúrbio que não costuma receber atenção suficiente.

Aqueles que o sofrem geralmente não falam sobre isso, ou mesmo não admitem que esta é a origem do seu estado de humor. É difícil reconhecer e aceitar esse sentimento de solidão quando ele não é desejado, porque gera sentimentos de vergonha e, principalmente, de dificuldade em superá-lo.

A principal complicação de se sentir sozinho é que, quando você se sente assim, não procura ajuda especializada. A pessoa não trata essa ocorrência como algo patológico, mas como uma característica normal da vida.

Em relação às suas consequências, além das emocionais, o sentimento de solidão tem sido considerado um fator de risco para a morbimortalidade, ou seja, para patologias que podem ser fatais ou realmente prejudiciais.

Entre elas, a solidão tem sido relacionada com alterações na saúde física, especificamente doenças cardiovasculares, distúrbios alimentares ou do sono. Em relação à saúde mental, a solidão está relacionada ao aumento da depressão, abuso de álcool e outras drogas, e até mesmo ao suicídio.

Diferenças entre estar só e se sentir sozinho

Estar só ou se sentir sozinho: como isso pode ser solucionado?

Estar só ou se sentir sozinho? Embora seja muito difícil assumir o sentimento de solidão e, mais ainda, remediá-lo, você pode tentar mudar a sua percepção sobre a solidão.

Em primeiro lugar, você precisaria identificar a origem dessa sensação: considerar o que seria necessário para parar de se sentir dessa forma. Depois que os motivos forem identificados, você deve pensar no que pode ser feito para corrigi-los. Melhorar as habilidades sociais? Encontrar novos amigos? Fazer atividades em grupo?

Uma recomendação poderia ser investir tempo em ajudar os outros através do voluntariado, por exemplo. Essa tarefa pode aumentar a sensação de utilidade, levando-nos a ver que a nossa presença é importante para o outro. É importante manter-se ocupado tentando pensar em outros assuntos e diminuir o tempo gasto pensando em solidão.

Outra opção é iniciar atividades que são feitas em grupos. Inscrever-se em aulas de dança, pintura, clubes de leitura... É uma maneira de aproveitar a vida e, ao mesmo tempo, fazer novos contatos e passar o tempo com novas companhias.

Além disso, hoje temos a opção de fazer contatos online. Existem muitas plataformas para conhecer novas pessoas com base em nossas necessidades e gostos pessoais. Em resumo, procure a opção que melhor se adapte às suas necessidades e gostos, mas, acima de tudo, tente preencher esse vazio sem medo de assumi-lo.

  • Carvajal-Carrascal, G. & Caro-Castillo, C. V. (2009). Soledad en la adolescencia: análisis del concepto. Aquichan, 9(3), 281-296
  • Rubio, R. (2001). Un estudios sobre la soledad en personas mayores: entre el estar solo y sentirse solo. Revista multidisciplinar de gerontología, 11(1), 23-28.