Geração Boomerang, os filhos que voltam para a casa dos pais

Geração Boomerang, os filhos que voltam para a casa dos pais

abril 15, 2018 em Psicologia 143 Compartilhados
Filhos que voltam para a casa dos pais

Um dos fenômenos de crescimento mais rápido no mundo ocidental é o da geração boomerang: filhos que voltam para a casa dos pais depois de serem independentes por um tempo. Essa independência pode assumir muitas formas, desde jovens que moram em uma residência durante seus anos universitários até jovens adultos que precisam voltar para casa depois de perder o emprego.

Alguns especialistas também consideram os jovens que dependem parcialmente de seus pais financeiramente como parte da geração boomerang. Esses jovens podem morar em suas próprias casas, mas recebem ajuda financeira dos pais.

Essa tendência aumentou muito nos países da Europa Ocidental e da América do Norte nas últimas décadas, sendo um fenômeno muito raro em países de outras regiões como a Europa Oriental ou a Ásia; além de ser algo impensável há alguns anos atrás. Mas quais são as razões para o surgimento da geração boomerang?

Mulher carregando mala

Filhos que voltam para a casa dos pais: algo positivo ou negativo?

Alguns especialistas decidem centrar seus estudos na alta taxa de filhos que voltam para a casa dos pais considerando-a como algo positivo. Os argumentos que eles usam são que esses jovens não têm medo de pedir ajuda, o que teria a ver com uma maior inteligência emocional; e também que isso poderia indicar um melhor relacionamento com suas famílias do que as vividas pelas gerações anteriores.

No entanto, a grande maioria dos estudiosos desse fenômeno acredita que é algo negativo. Embora possa haver um grande número de razões para o surgimento da geração boomerang, os dois mais importantes são, sem dúvida, os seguintes:

  • Alta taxa de desemprego juvenil e aumento dos preços.
  • Falta de adaptação à realidade na Geração Y.

Alta taxa de desemprego juvenil e aumento dos preços

Não é segredo que o mercado de trabalho não está passando pelo melhor momento. Depois da crise econômica de 2008 (que é conhecida como a Grande Recessão, a pior crise desde 1929), muitos empregos foram destruídos e está muito mais difícil conseguir um emprego.

Isso, que afeta todos os setores da sociedade, é especialmente verdadeiro entre os trabalhadores mais jovens. Segundo dados oficiais, em 2017, a taxa de pessoas com menos de 25 anos que não conseguiam encontrar emprego estava próxima de 40%. E esse número não diz nada sobre outros fatores que afetam a economia dos mais jovens, como o número de empregos pouco qualificados e os baixos salários.

Se a esses preocupantes dados acrescentarmos os da inflação e o aumento dos preços (especialmente da moradia), não é de surpreender que muitos jovens vivam por muito tempo com seus pais. Portanto, em muitos casos a principal razão para a existência da geração boomerang é financeira.

Homem com a cabeça encostada

Falta de adaptação à realidade na Geração Y

No entanto, o dinheiro não é a única razão pela qual os jovens ficam com seus pais por um longo período. Devido a fenômenos como o dos “pais helicópteros”, alguns jovens da Geração Y não têm confiança suficiente para começar suas vidas de forma independente.

Esta confiança em si mesmo, que tem sido fundamental ao longo da história da humanidade, é especialmente importante hoje devido às mudanças que estão ocorrendo em nossa sociedade. No entanto, as diferenças entre as expectativas da Geração Y e a realidade fazem com que muitos deles se sintam perdidos. Eles estão no meio do caminho entre duas maneiras totalmente diferentes de entender o mundo:

  • A de seus pais, para quem o conselho de “estudar para conseguir um bom emprego” ainda era válido.
  • O de seus irmãos mais novos, que perceberam que no mundo de hoje essa abordagem não funciona mais.

Muitos jovens, seguindo o conselho bem intencionado dos seus pais, fazem uma graduação e, quando terminam, descobrem que não conseguem emprego. Mas como eles continuam pensando que o mundo é o mesmo de 50 anos atrás, decidem continuar estudando e fazem um mestrado, aprendem idiomas, fazem estágios não remunerados…

A consequência? Com cerca de trinta anos, muitos jovens ganham pouco apesar de trabalharem 40 horas por semana (e às vezes muito mais). E o que é pior, a grande maioria deles não consegue se adaptar à nova realidade social e continuará tentando alcançar o mesmo estilo de vida dos seus pais, seguindo um plano que não funciona mais.

Recomendados para você